Críticas Filmes 

Má Educação (HBO) | Crítica

Nevertheless, she persisted! A personagem da estudante Rachel Bhargva, interpretada pela atriz Geraldine Viswanathan, pode não ser efetivamente a protagonista de Má Educação (Bad Education, 2019), mas realmente suas motivações ao expôr a corrupção no jornal de sua escola, e sua bússola moral são o que movimentam, e guiam, este drama baseado em uma história real e que abalou os EUA no início dos anos 2000.

Exibido no Festival de Toronto de 2019, Má Educação foi recebido com um certo burburinho, mas não teve forças para chegar no Oscar do mesmo ano que já estava bastante movimentado. A distribuição veio pela HBO que anunciou ter comprado os direitos do filme, onde muitos torceram os olhos pelo o filme virar um produto para a TV e não ter tido um lançamento próprio nos cinemas. Mas em tempos de pandemia, obrigado HBO, pois Má Educação não só faz um dos melhores filmes lançados em 2020, como também entrega duas das melhores atuações já vistas, até agora, no ano pouco movimentado.

Catherine Curtin, Hugh Jackman, and Finnerty Steeves in Bad Education (2019)
Má Educação | Crítica | Foto: HBO Brasil

O elenco de Má Educação é liderado pelo ator Hugh Jackman, que há tempos tenta escolher personagens que se afastam daquele que vimos o ator há anos interpretar, o eterno mutante Wolverine da franquia X-Men. Claro, Hugh Jackman depois disso já foi candidato para a Presidência dos EUA em O Favorito (2018) e dono de um circo em O Rei do Show (2017), mas em Má Educação o ator como Frank Tassone entrega um personagem complexo, sedutor e incrível de se acompanhar em tela.

O mais interessante, é assistir Má Educação sem saber muito do que se trata, assim como eu fiz, e ver a figura do superintendente Tassone, desabrochar ao longo do filme, e mostrar as máscaras que o chamado educador usa o tempo todo e que escondem suas verdadeiras cores para os moradores da cidade de Roslyn e claro, para o público que assiste o filme.

A habilidade de Jackman em fazer isso, é incrível, e cada cena de Má Educação vemos, aos poucos, informações serem apresentadas para o público, na medida que o grande golpe que seu personagem, e sua colega Pam Gluckin (Allison Janney, incrível) aplicam no sistema de educação americano.

Na trama, vemos que Pam cai primeiro, onde o filme acaba por depois focar suas atenções no personagem de Jackman. E o ator e Janney apenas deixam Má Educação ser ainda melhor, e conseguem trabalhar as sutilezas que toda a operação exige e que os dois durante anos conseguiram esconder, e claro os milhões de dólares desviados que foram gastados em mansões, casas em bairros nobres de Nova York, carros, e viagens. Ao todo, mais de 11 milhões de dólares saíram dos cofres para os bolsos dos funcionários.

HBO's 'Bad Education' gets a higher grade than 'Defending Jacob ...
Má Educação | Crítica | Foto: HBO Brasil

Em Má Educação, vemos o castelo de cartas cair, onde a trama se desenrola de forma bastante interessante de se acompanhar, onde as peças se apresentam e se encaixam facilmente pelo roteiro de Mike Makowsky baseado no artigo do Jornal New York Times. Má Educação ainda faz uma crítica importantíssima sobre o papel dos educadores no processo de educação das crianças, e nos futuros adultos, e como o sistema de ensino americano consegue impulsionar o mercado imobiliário e de trabalho nas regiões mais afastadas dos grandes centros.

Má Educação pode contar uma história tão surreal, e incrivelmente tão ousada, que nem parece ter sido baseada em acontecimentos reais de tão bem costurada que ela é. Jackman e o restante do elenco apenas ajudam a colocar as nuances e os detalhes por cima dela, e como os moradores e outros funcionários da Escola de Roslyn faziam vista grossas para certas coisas como o caso de Big Bob Spicer (Ray Romano) e da funcionária Jenny (Annaleigh Ashford, hilária), onde parecem serem personagens tirados da comédia The Office.

Os eventos de Má Educação se mostram um dos mais alarmantes e escandalosos da história da educação americana dos últimos tempos, onde a fragilidade dessas relações, com certeza, nos levam para os recentes casos de subornos para a entrada em faculdades de elite que assolaram os noticiários no ano passado.

Marcado por excelentes atuações, Má Educação conta uma instigante, oras divertida por todas as razões erradas, história sobre figuras NOTA 10 em golpes e esquemas. Um filme que não pode passar desapercebido nessa quarentena.

[yasr_overall_rating null size=”–“]

Má Educação foi exibido no Brasil pela HBO. Disponível no HBO GO.

Postagens relacionadas