Poc Con 2023 | A homenageada Anita Costa Prado fala sobre a diversidade nos quadrinhos

0
163

No último dia da Poc Con 2023, o evento trouxe um bate-papo com a homenageada da edição, a quadrinista Anita Costa Prado, que em meados dos anos 1990 já publicava a tirinha de Katita e suas vivências.

Em um bate-papo mediado por Dani Marinho e Laluña Machado, a artista comenta sobre a liberdade de suas tirinhas e como todo o seu desenvolvimento vinha de suas vivências. Ela chega a falar sobre a falta de diversidade, como pessoas que a auxiliavam e recebiam críticas por estarem desenhando algo voltado para o público LGBTQIA+.

Quando questionada sobre como as pessoas a recebiam, ela deixa claro que teve muito acolhimento no meio dos quadrinhos, mas ressalta que em eventos, quem mais consumia seus quadrinhos eram homes héteros, e que com o tempo Katita foi sendo consumida por mulheres. Anita ressalta que foi um trabalho demorado trazer diversidade para o seu álbum.

Para Anita a Poc Con foi uma grande mudança, e que a internet sempre ampliou seus contatos e trouxe mais ousadia, principalmente com os financiamentos coletivos.

A orientação de um personagem, ou de um artista, é um elemento a mais, não um limitador“, comenta Anita ao ser questionada sobre o consumo de sua obra e como é escrever sobre personagens LGBTQIA+.

Sobre atualizar Katita para os tempos atuais, Anita fala que já pediram para ela fazer isso e também colocar uma personagem transexual, e gostei da sua saída, ao falar que sua personagem trazia sua vivência e que para colocar alguém trans em sua história, ela deveria adentrar mais profundamente neste universo.

Katita, personagem de Anita Costa Prado

Anita ressalta que é preciso entender mais a vida, as questões e as dificuldades das pessoas transexuais, e que para isso tinha que ter uma pesquisa bem afundo. Afinal é necessário ter um cuidado para retratá-las, pois há muitas pessoas que tentam fazer algo para o bem, mas no fim pode ser um trabalho negativo.

Neste momento Dani ressalta que é preciso estudar, buscar referências e o convívio, pois se não está em sua realidade a diversidade, o seu discurso, o seu quadrinho, não vai representar isso.

E preciso quadrinista trans“, diz Anita citando sobre ter opções e visões importantes para aumentar a diversidade.

Laluña, diz que hoje não cabe o discurso sobre falta de diversidade nos lugares, pois ela mesma é especialista em Batman, e busca esse reconhecimento, chegando a dar exemplo de mesas de discussões só com homens brancos e cis, sendo que há uma diversa gama de pessoas especializadas.

Quando recebi a notícia da homenagem, mexeu muito lá no fundo, me de lembrar das coisas passadas… Um dia a vida vai surpreender“, reflete Anita.

Anita Costa Prado foi a homenageada da Poc Con 2023, e em sua carreira ela tem o Prêmio Ângelo Agostini de melhor roteirista nos anos de 2006 e 2007.

Deixe uma resposta