Destaques Reviews Séries & TV 

O Internato: Las Cumbres | Crítica 1ª temporada: Elite sobrenatural do Prime Video empolga com mistérios

Em mais uma empreitada do Prime Video em focar em produções teen, chega agora o primeiro ano da série espanhola O Internato: Las Cumbres.

E a história por mais que não seja nova, é um reboot de uma série que passou na Espanha nos anos 2000, consegue misturar tudo que dá certo, e o que não dá também, e realmente pesca todos os ingredientes que fazem uma série tipicamente do gênero teen: temos adolescentes rebeldes, tramas amorosas das mais malucas possíveis, um bom mistério, e claro, um tom de suspense bem dosado e que empolga.

O Internato: Las Cumbres | Crítica 1ª temporada
Foto: Amazon Prime Video

Os primeiros episódios tem um tom bem introdutório, quase soou didático demais para mim, mesmo que o ritmo seja bem ágil, e os episódios de 40 e 50 minutos passaram bem rapidamente, onde os roteiristas não perdem tempo em explicar como funciona o tal internato e as relações entre seus estudantes e moradores. Descobrimos que o local está localizado próximo a um antigo mosteiro, e que está totalmente isolado do mundo, afinal, se situa no alto de uma montanha. E realmente toda essa atmosfera fechada e enclausurada, ajuda a contar essa história. Os cenários antigos e escuros da escolha, ah lá Hogwarts da franquia Harry Potter, mesmo com a trama se passando nos dias atuais, ah lá Elite, ajudam na composição desse tom um pouco mais sombrio e carregado que a série se apresenta nos primeiros momentos.

E aqui temos os mais diversos tipos de personagens apresentados em O Internato: Las Cumbres e que parecem ter saído de qualquer série do gênero  desde de Gossip Girl, até mesmo a badalada Elite, como já citado. Aliás, os fãs da novelinha da Netflix vão identificar uma das personagens mais queridas da produção da plataforma rival. A atriz Mina El Hammani, que interpreta a certinha e estudiosa Nadia, aqui aparece como a professora Elvira, que além de querer ajudar os alunos que vivem na maior rotina rígida a terem uma passagem mais confortável na instituição, também é importante para fazer a trama desenrolar alguns de seus mistérios, e claro, pelo fato dela desenvolver um possível romance com um dos colegas, o professor de Latin, Elias (Alberto Amarilla).

O Internato: Las Cumbres | Crítica 1ª temporada
Foto: Amazon Prime Video

 O restante do quadro de funcionários também se destaca mais que o elenco mirim, sem dúvidas, e todos parecem ter uma conexão maior, um com os outros (além do fato de trabalharem juntos, claro) e com o que realmente se passa no local e os segredos que o lugar abriga. Seja o linha dura professor de Educação Física, Mario (Lucas Velasco), ou até mesmo, a diretora da instituição, a rígida e misteriosa Mara (Natalia Dicenta) que comanda o lugar com mão de ferro.

E a chegada de um novo funcionário, o professor de música Leon (Joel Bosqued) parece que irá nos ajudar a compor esse grande quebra-cabeça que se forma em O Internato: Las Cumbres. Afinal, a escola tem uma influência dos padres do mosteiro muito grande e que as lendas dizem abrigava uma organização medieval secreta antiga. Fiquem de olho nos corvos. Assim, vemos que a trama de Leon se conecta com a da jovem Inés (Claudia Riera, muito bem), a filha de Dário (Ramiro Blas) o responsável pelo lugar, que parece se desconectar um pouco do restante do elenco mirim que realmente é o foco do seriado.

O quarteto principal composto pelos personagens Amaia (Asia Ortega), a típica mean girl do local, e os jovens rebeldes Paul (Albert Salazar) e Manuel (Carlos Alcaide), e ainda a certinha Adéle (Daniela Rubio) (que veremos não ser tão certinha assim, afinal ela está no internato né?) tem destaque no começo da série, onde a tentativa de abandonar e fugir do lugar dá um certo gás para o começo, ao mesmo tempo que também nos mostra e conta como as coisas funcionam, e o motivo que eles querem tanto deixar o colégio.

Particularmente eu gostei mais das partes de O Internato: Las Cumbres que focam mais no suspense, nos pequenos sustos, no sentimento de antecipação do que poderia dar errado, e nas cenas que se passam pela noite, e claro, no tom mais sobrenatural, do que propriamente dito das outras partes. Algumas situações, e momentos, são feitas e apresentadas como um desvio para o que realmente importa e ao longo dos episódios senti que só estavam lá para preencher alguns vazios que surgiam enquanto a trama não avançava propriamente dita para desenvolver o arco narrativo principal.

Ao mesmo tempo, a série se garante nos momentos um pouco mais pesados, e não poupam o espectador de passagens mais tensas e que servem para nos deixar na ponta do sofá, afinal, se tem uma coisa que O Internato: Las Cumbres acerta de verdade é a imprevisibilidade da trama, e que realmente, nenhum personagem está a salvo. Querer desvendar junto com os personagens as coisas que acontecem em Las Cumbres parece ser uma das prioridades para quem for acompanhar a série, mesmo que demore para nos conectarmos com eles, afinal, em sua grande parte eles não são nada agradáveis.

Assim, O Internato: Las Cumbres nos entrega um primeiro ano com bons 8 episódios, onde a ida para esse internato perdido no meio do nada parece ser uma via de mão única, afinal, uma vez dentro, você não vai querer sair.

E por conta dos segredos, e do ar de conspiração, talvez nem saia mesmo. 

O Internato: Las Cumbres chega dia 19 de fevereiro no Prime Video.

Postagens relacionadas