Críticas Destaques Filmes 

Missão Pijamas | Crítica: Uma divertida aventura no melhor estilo Sessão da Tarde

Ah o gostinho de infância… Sabe aqueles bons tempos que tudo que a gente tinha que se preocupar era saber qual filme passaria na Sessão da Tarde? Pois bem, Missão Pijamas (The Sleepover, 2020) resgata isso de uma maneira bem saudosista, pelo menos para mim, sabe?

Missão Pijamas | Crítica
Foto: CLAIRE FOLGER/NETFLIX 

Ao colocar um grupo de crianças em uma missão para salvar os pais sequestrados, Missão Pijamas acerta, e diverte, ao criar uma aventura com um roteiro bem afiado, e entregar personagens super carismáticos. Para mim, foram algumas horas de pura diversão, onde Missão Pijamas acompanha Clancy (Sadie Stanley), e seu irmão mais novo Kevin (Maxwell Simkins), que vivem suas vidas da forma mais comum possível. Ela vive em conflito com a mãe Margot (Malin Åkerman), tem uma quedinha por um garoto no colégio, e planeja em qual faculdade entrar já ele, sofre bullying no colégio pelos alunos mais velhos, só quer jogar vídeo-game e ficar dentro de casa. Típicos adolescentes em filme de colégio, certo?

Mas a vida desses dois muda quando em uma festa do pijama eles descobrem que sua mãe e seu pai (Ken Marino) sumiram do nada e eles tem apenas uma pista para descobrirem o paradeiro deles: uma mensagem secreta e um colar. E a partir daí eu já posso até escutar o antigo locutor da sessão da tarde falar “e essa turminha do barulho vai se juntar para uma noite de muita confusão da qual jamais se esquecerão” pois é isso que acompanhamos em Missão Pijamas.

O roteiro de Sarah Rothschild tem uma certa leveza, e abusa de muitas conveniências para contar essa história, ao colocar Kevin, Clancy e os amigos Miriam (Cree Cicchino), super desbocada, e o medroso Lewis (Lucas Jaye) em busca de desvendar todas as pistas e encontrar os pais dos garotos. Descobrimos então que Margot (Malin Åkerman) se chama Mathilde e é uma ex-ladra profissional que foi incluída no programa de proteção à testemunha e agora precisa trabalhar com seu ex-namorado Leo (Joe Manganiello) em um último roubo para se livrarem de um chefão do crime do passado. 

Missão Pijamas entrega um filme totalmente sessão da tarde, é como a Sra. Smith, do filme Sr. E Sra. Smith (2005),  tivesse filhos e eles fossem iguais aos Pequenos Espiões (2001), e realmente o longa tem um tom completamente datado dos anos 2000, e por isso, talvez, o sentimento de nostalgia tenha batido forte. Paralelamente, a comédia acompanha as crianças em situações completamente hilárias enquanto tentam encontrar os pais, “Sua mãe tá envolvida seriamente com o Código DaVinci” brinca Miriam quando eles estão parados em um quadro que abre para uma passagem secreta.

E esse é o tom que Missão Pijamas nos dá e que realmente faz toda a diferença no filme. Já na parte adulta, vemos Ron, quer dizer Ryan, não Roward… não pera, Ross (Mariano, hilário), Leo e Margot colocarem o plano deles em ação para roubar uma coroa super valiosa de membros da realeza que dão uma festa na cidade. As cenas de luta corporais que Åkerman e Manganiello fazem, até que são bem coreografadas “para um filme para criança”, onde a gente sabe que estão lá só para enfeitar o filme e garantir um pouco de ação para o longa. Assim, Missão Pijamas mescla essas duas partes e constrói a trama de uma forma amalucada, e cheia de momentos divertidos, e oras embaraçosos.

Missão Pijamas | Crítica
Foto: CLAIRE FOLGER/NETFLIX 

A parte das crianças é bem mais leve e cheia falas afiadas – Kevin (Maxwell Simkins, ótimo) tem ótimas expressões e funciona quase como se fosse um Seth Rogen mirim – e na parte adulta as piadas que envolvem o físico de Leo (Manganiello sempre com um timing cômico interessante) e o personagem trocar os nomes do marido da ex-namorada que são repetidas em várias oportunidades mas dão um charme a mais para o filme. Quando pais, amigos, e filhos se reunem novamente temos reviravoltas típicas para esse tipo de produção e que realmente dão um gás para os momentos finais. 

Carros esportivos, festas de gala, e passagens subterrâneas que dão em esconderijos secretos marcam Missão Pijamas que faz uma divertida e agradável história perfeita para assistir no final de semana. Não esperem muito do filme, e talvez essa seja a graça, afinal, o longa sabe bem o tipo de história que quer contar e faz isso ciente das suas limitações.

Num mundo ideal, Missão Pijamas seria o filme perfeito para reunir os amigos, fazer um monte de pipoca e assistir todo mundo junto, mas infelizmente em tempos de coronavírus não podemos fazer isso, mas pelo menos podemos assistir uma comédia gostosinha no conforto dos nossos lares.

Avaliação: 3 de 5.

Missão Pijamas disponível na Netflix.

Postagens relacionadas