Críticas Filmes 

3º Andar – Terror na Rua Malasana | Crítica: Simples, terror espanhol garante bons sustos

As distribuidoras nacionais tem apostado num gênero que tem ganhado força no Brasil nos últimos tempos: o terror. E uma das apostas da Paris Filmes é o terror espanhol 3º Andar – Terror na Rua Malasana (Malasaña 32, 2020) que seria lançado na semana que entramos em quarentena por conta da pandemia. A produção chega agora nessa reabertura.

3º Andar – Terror na Rua Malasana faz o típico filme de gênero de casa mal assombrada, sabe? Ao longo do filme comandado pelo diretor Albert Pintó, vemos uma família chegar em sua nova casa, no terceiro andar de um prédio localizado na Rua Malasana, em Madri, onde eles vão perceber que o lugar não será tão convidativo assim, mesmo tendo uma boa localização, e eles terem pagado um bom preço, e tenham rapado todas as suas economias.

Nada de novo, tudo igual que já vimos em outros filmes.

3º Andar – Terror na Rua Malasana | Crítica
Foto: Paris Filmes

Manolo (Iván Marcos) e Candela (Bea Segura) se mudam do interior para a cidade grande em busca de oportunidades e encontram no local uma chance de um novo recomeço. Mas apartamento localizado no terceiro andar tem outros planos para a família. A motivação da viagem parece ser banal, mas ao longo do filme descobrirmos mais sobre o passado não só do casal, mas de outros membros da família e como alguns acontecimentos abalaram as relações entre eles. Estruturalmente falando, 3º Andar – Terror na Rua Malasana segue a cartilha de diversas outras produções do gênero e não foge da regra dos longas de terror. Aqui, apresenta sua ameaça, logo após de apresentar a família, os fazem passar por situações assustadores, para logo depois vermos eles lidarem e enfrentarem a ameaça do mal.

Sim, 3º Andar – Terror na Rua Malasana é um longa de casa mal-assombrada e espíritos e com isso entrega bons sustos e pulos no sofá (pelo menos para mim que pude ver o longa em casa). Pouco sabemos como age, e o que é, a entidade que ronda o apartamento em um primeiro momento, mas ao longo do filme vemos que o garotinho Rafael (Iván Renedo) é sua principal vítima. E a cena onde a entidade sequestra o menino, e usa um peão, e a televisão para fazer seus planos se concretizarem, é um dos pontos altos do longa, e é marcada por um sentimento latente de tensão e angústia de o que será que vai acontecer com ele e como.

Por conta de se passar quase dentro do apartamento, 3º Andar – Terror na Rua Malasana consegue criar essa atmosfera incômoda de que não há para onde fugir. A cada virada dos personagens, seja para falar com um com os outros, ou ainda para se olhar no espelho, ficamos na expectativa de que alguma coisa vai acontecer com eles. E por ficarem mais dentro de casa, enquanto os pais vão trabalhar, os outros filhos do casal Amparo (Begoña Vargas) e Pepe (Sergio Castellanos) e ainda o avó Fermin (José Luis de Madariaga) também sofrem, cada um com seu arco próprio, principalmente ela com o desejo de ser aeromoça, e ele com a misteriosa vizinha que troca bilhetes pelo cordão do varal, com a mudança com a relação familiar desgastada, e claro com o que a entidade quer deles que também é trabalhado ao longo do filme.

3º Andar – Terror na Rua Malasana | Crítica
Foto: Paris Filmes

 3º Andar – Terror na Rua Malasana faz a família enfrentar seus próprios medos, e se unir, para juntos combater a ameaça fantasmagórica que se apresenta no formato de uma asquerosa mulher vestindo branco com os cabelos e unhas compridas. Toda a resolução e a forma que eles encontram ajuda, principalmente Amparo que ganha um destaque maior do meio para o final, para enfrentar o espírito acaba por ser interessante, onde o roteiro do quarteto Ramón Campos, Gema R. Neira, David Orea, Salvador S. Molina, consegue dar uma explicação realista para o evento sobrenatural que realmente nos faz ver 3º Andar – Terror na Rua Malasana com outros olhos quando seus créditos sobem. O elenco em si não se destaca quando estão sozinhos em seus arcos próprios, mas quando estão juntos, como uma família, garante bons momentos para o longa, mas quem se sobressai são os atores Vargas e Renedo cuja as histórias que dão um gás para a trama.

 3º Andar – Terror na Rua Malasana não faz um filme espectacular ou que mudou a forma como consumimos o terror, mas se garante com boas passagens, uma atmosfera sufocante, e uma história que não poupa nenhum dos personagens para fazer a trama andar. No final, 3º Andar – Terror na Rua Malasana faz um longa de terror honesto e que deve agradar os fãs do gênero.

Avaliação: 2.5 de 5.

3º Andar – Terror na Rua Malasana chega nos cinemas em 12 de novembro.

O filme foi visto em casa, cortesia da Paris Filmes que nos enviou de forma antecipada para assistir e escrever essa crítica.

Recomendamos o leitor, se for encarrar a visita ao cinema, se proteger e seguir todas as recomendações de segurança contra o COVID-19 impostas pelas organizações de saúde.

Postagens relacionadas