Destaques Reviews Séries & TV 

She-Ra e as Princesas do Poder | Crítica da 5ª Temporada

As suas imperfeições são lindas“.

She-Ra e as Princesas do Poder chegam ao seu encerramento, e poderia dizer que foi de uma certa forma acertada, por concluir sua trama e deixar tudo redondinho, mas por outro lado, aquele fã que a série cativou queria ir além com Adora, Arqueiro, Cintilante e Felina…

Noelle Stevenson renovou a franquia, colocou coração e propósito em todos os personagens e ao levar a guerra de Etheria para o espaço contra Horde Prime, acabou mostrando que todos tem imperfeições e que devem ser encaradas, aceitas quando não há o que fazer, ou trabalhadas quando se pode usá-las a seu favor.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio/série. Continue a ler por sua conta e risco.

No episódio inicial temos a busca de Adora, Arqueiro e Entrapta em uma forma de irem até o espaço para resgatarem Cintilante, mas para isso precisam saber onde eles estão, e o pior, conseguir ferramentas para restaurar a nave de Mara.

Micah, Gélida, Serena, Perfuma, Falcão do Mar, Ventania e Escórpia se unem de uma forma que todos são pontos mais do que importante na evolução da força tarefa de salvar Etheria. Cada um com seus pontos altos e fracos, mas em um bem comum que segue fazendo efeito contra as investidas da Horda, mas quando Adora e os amigos saem do planeta, as coisas ficam fora de rumo.

Quando a série se divide entre espaço e Etheria, a série mantém o mesmo nível e ritmo, deixando ainda mais o humor nas mãos do unicórnio Ventania, que sente saudades de Adora e sonha em se conectar novamente com She-Ra, ele acaba sendo responsável por conectar Etheria a essa esperança.

No espaço Adora, Entrapta e Arqueiro rapidamente conseguem ir até a nave de Horde Prime, mas acabam sendo detectados, mas Felina, em uma evolução sensacional, onde ela entende que alguém pode amá-la, mas não ali, não com a destruição de tudo a caminho, e é ela quem resgata Cintilante e a envia para Adora.

She-Ra

Nesse meio tempo, Adora começa a entender que She-Ra está dentro dela e quando aceita isso e começa a se concentrar, ela vê que a magia é sua e assim a espada ressurge e ela pode se transformar em uma She-Ra mais madura, o que traz um novo uniforme e um novo penteado.

A conexão de Cintilante e Felina é muito bonita, as duas demonstram o carinho por Adora a sua maneira, e ambas tem alguns ressentimentos, e quando a vilã faz um ato de bondade, tudo muda. Adora quer resgatar Felina e antes precisa de cristais para energizar a nave, onde eles acabam conhecendo o povo Estrelado, 3 irmãos que estão dispostos a ajudá-la depois de serem salvos.

Com Felina ao lado deles e a descoberta do implante de controle, quando chegam a Etheria descobrem que a Rebelião só tem Netuna, Ventania, Gélida e Perfuma, já que Espinerela, Escórpia, Serena e até mesmo MIcah foram dominados por Horde Prime.

Sombria teve sua evolução ao encarar que a magia nunca chegará ao seu potencial, e com ajuda da irmã de Micah acabam levando She-Ra ao coração de Etheria. Enquanto as princesas buscam uma forma de proteger Etheria e resgatar seus amigos, She-Ra e Felina acabam tendo que se entenderem para dominarem o coração de Etheria, antes que Horde Prime o alcance e ali, é só emoção.

Enquanto Horde Prime vai mostrando destruição, Adora depois de conseguir a focar em She-Ra acaba precisando mais do que nunca de Felina para controlar seus sentimentos, suas imperfeições, para ter o poder suficiente para ser o coração de Etheria. Quando Felina e Adora dizem que se amam, tudo entra em foco.

She-Ra

Hordak mesmo contra sua vontade acaba sendo dominado por Horde Prime e nesse caminho vira seu corpo final e também acaba sendo destruído no processo. Entrapta com o Hordak Errado teve momentos hilários, mas o carinho e o respeito que ela demonstrou a Hordak que foi importante para ele evoluir.

Durante a ida ao planeta onde era reinado por Magia, descobrimos que Horde Prime queria controlá-la, mas o poder o atrapalhou e o colocou naquele corpo decadente, precisando de trocas e evoluções para sobreviver, mostrando sua imperfeição.

Com a magia em seu esplendor dentro de She-Ra e aumentando também odas princesas, revemos Etheria ressurgir em sua plenitude.

O mais gostoso da evolução de She-Ra e as Princesas do Poder é como o amor é essencial em cada momento. O carinho dos pais de Arqueiro e como deixaram as implicâncias de lado, a forma como Sombria se redimiu no final, Netuna e Espinerela em momentos incríveis para mostrar a fraqueza e a força delas.

She-Ra

Perfuma teve um momento só para ela, onde Felina e Netuna ficam cutucando que ela é a princesa mais forte e mais poderosa, mas não se permite ser assim por se preocupar demais com os amigos, mostrando ali uma imperfeição, que ela acaba usando lá na frente para mostrar que essa imperfeição é o que a torna forte. Esperava um pouco mais para Gélida, mas ela passou alguns episódios querendo mostrar que mesmo estourada ela tem bom coração e está querendo crescer.

She-Ra e as Princesas do Poder salvaram Etheria e no fim saem em uma nova jornada, a de reconstruir todos os planetas que Horde Prime destruiu neste caminho.

Foram 5 temporadas sensacionais, e eu fico ainda no sonho de uma 6ª temporada de She-Ra chegando em Eternia e encontrando He-Man, para derrubar mais uma Horda que se rebelou contra Horde Prime e criou suas próprias motivações com Esqueleto, Maligna…

She-Ra e as Princesas do Poder tem suas 5 temporadas disponíveis na Netflix.

Postagens relacionadas