sábado, 02 março, 2024
InícioFilmesCríticasOs 7 de Chicago | Crítica: Uma aula de História e atuação...

Os 7 de Chicago | Crítica: Uma aula de História e atuação com um roteiro incrível de Aaron Sorkin

“O mundo inteiro está assistindo” E graças ao streaming, e a Paramount Pictures que vendeu Os 7 De Chicago (The Trial of the Chicago 7, 2020) para a Netflix, que sim, isso será possível, e o mundo inteiro, ou pelo menos os assinantes do serviço de streaming, vão conseguir assistir a incrível e fantástica história sobre um dos momentos mais intensos e brutais do cenário político americano.

Com direção e roteiro de Aaron Sorkin, o longa é tudo que um ótimo filme de tribunal possa ser, tem tensão, reviravoltas no caso, e claro faz uma minuciosa e poderosa narrativa sobre os eventos que aconteceram na cidade de Chicago, nos anos 60, onde diversos grupos protestaram perto da Convenção do Partido Democrata e que culminaram em uma grande briga generalizada entre a polícia, a Guarda Nacional, e os manifestantes.

Os 7 de Chicago | Crítica
Foto: Netflix

Sorkin não foge de suas origens e entrega um filme com um roteiro denso, e que despeja milhares de informações o tempo todo em tela, mas que se garante em contar uma boa história. E para isso, antes, querido leitor, precisamos de rápido contexto para entendermos como estava a política e os ânimos dos EUA naquela época. O ano era 1968, e os dois principais partidos do país estavam para escolher seus candidatos para as próximos eleições. Os EUA estavam em guerra com o Vietnã, e o presidente da época Lyndon B. Johnson – que assumiu após o Presidente Kennedy ter sido assassinado em 1963 e depois foi reeleito na eleição de 1964 – tinha uma política bastante agressiva contra o chamado comunismo e numa medida polêmica mais que dobrou o envio de jovens americanos para lutar contra o país na guerra.

E isso está intimamente ligado com o tema do filme, e os acontecimentos que o longa quer contar. Afinal, o medo da guerra e das políticas mais firmes e conservadores repercutiu entre os mais jovens que começaram a se mobilizar em diversos grupos anti-guerra contrários ao Governo americano. E Sorkin nos mostra esse contexto com diversas passagens retiradas dos noticiários da época e que durante o filme todo se mesclam com as passagens ficcionais e dão um trabalho de verossimilidade incrível para o longa. É a mesma coisa Spike Lee fez em Destacamento Blood (2020) e Infiltrado na Klan (20218) mas a diferença que lá, Lee conseguiu deixar tudo mais descolado, claro.

E Os 7 de Chicago acompanha esse momento dos EUA onde os ânimos estão bem exaltados e diversos grupos se reúnem – e esse é o grande caso que a promotoria julga, se eles se conheciam antes dos protestos, onde o governo os acusa de conspiração por incitar a desordem – para protestarem de forma pacífica, em um primeiro momento, na frente do local onde o Partido Democrata escolheria o seu candidato para disputar as eleições daquele ano. A convenção acontece, o choque envolvendo os manifestantes e a polícia também. E o republicano Richard Nixon é eleito o novo Presidente dos EUA.

E assim, o julgamento dos líderes do movimento é o grande destaque de Os 7 de Chicago e o que move o longa. O bom que Sorkin entende que não pode passar o filme todo dentro do tribunal e mescla os eventos vistos na fátidica noite com o julgamento. São mais de 150 dias. E 8 réus. Na verdade 7. Mas vocês vão entender mais para frente. Temos no banco dos acusados, os líderes da organização chamada Estudantes para uma Sociedade Democrata, os ativistas Tom Hayden (Eddie Redmayne) e Rennie Davis (Alex Sharp), David Dellinger (John Carroll Lynch), não Derringer aliás, da Mobilização Nacional para o fim da Guerra do Vietnã, a dupla Abbie Hoffman (Sacha Baron-Cohen) e Jerry Rubin (Jeremy Strong) do Partido Internacional da Juventude, a outra dupla Lee Weiner (Noah Robbins) e John Froines (Danny Flaherty), e claro, Bobby Seale (Yahya Abdul-Mateen II) do partido dos Panteras Negras.

Os 7 de Chicago | Crítica
Foto: Netflix

E aqui, além de dar uma aula de História americana, Os 7 de Chicago nos dá também uma aula de atuação, de composição e desenvolvimento de personagens. Em sua segunda empreitada como diretor, Sorkin melhora sua visão por trás das câmeras, e vemos um avanço no que foi mostrado lá em A Grande Jogada (2017), mas de uma forma ou outra é apenas seu segundo longa na direção. Sorkin promete que deverá nos entregar no futuro grandes projetos, em Os 7 De Chicago não temos nada de mais.

Os destaques ficam mesmo com o roteiro, e pela escolha dos atores que estão muito muito bem. A forma como eles trocam olhares, as expressões corporais e tudo mais é o que ajuda a contar a história. Abdul-Mateen II como Seale, um dos acusados que segundo ele foi incluso no processo apenas para causar medo no júri, tem uma das performances e monólogos mais impactantes do filme. Seria 2020 o ano que Abdul-Mateen II levaria uma indicação ao Oscar em Melhor Ator Coadjuvante logo depois de ter levado o Emmy? Só o tempo dirá.

As batalhas e os discursos de Seale para o conservador e linha dura juiz Julius Hoffman (Frank Langella) são um dos pontos altos do longa pela revolta e incômodo o filme transmite para o espectador nos momentos que o magistrado faz o acusado passar ao amordaçar e o prender durante o julgamento, onde em boa parte dele, Seale não tinha uma representação. Em Os 7 de Chicago, Abdul-Mateen II está ótimo e rouba a cena mesmo que apareça pouco, afinal, seu personagem, a história do ativista Fred Hampton (Kelvin Harrison Jr) e dos Panteras Negras não estão nos centros das atenções, o foco aqui são os réus brancos e o destaque acaba por ser mesmo os outros 7 acusados.

Mas não se enganem, em Os 7 de Chicago todos eles tem seus momentos para chamarem a atenção. É como um deles diz “Esse é o Oscar dos protestos, e no que me diz respeito, é uma honra ser nomeado.” Para esses rapazes a causa anti-guerra era uma causa que valeria morrer e enfrentar a polícia e o sistema. E por mais que Cohen e Strong tenham passagens divertidas e que quebram totalmente o gelo da tensão que o julgamento oferece – e Strong faça valer seu Emmy de Melhor Ator por Succession – são nos momentos mais intensos, dramáticos, e por que não os violentos, que Os 7 de Chicago ganha sua força. Redmayne parece estar no piloto automático no filme todo, mas é impossível não vibrar e se emocionar com os momentos finais do longa. E no filme, repetimos todos os atores estão muito bem. Os estrategistas da Netflix vão precisar quebrar a cabeça para ver que vai ter mais destaque na campanha do filme.

Desde dos réus sempre tirando uma com a cara do juiz, e desafiando a autoridade do tribunal, ou ainda do árduo trabalho do advogado de defesa William Kunstler (Mark Rylance, ótimo) para apresentar um caso melhor do que o do promotor do governo americano Richard Schultz (Joseph Gordon-Levitt) que sempre tem uma carta na manga, e claro, o apoio tendencioso do juiz, tudo em Os 7 de Chicago é criado para deixar o espectador possesso da forma que caso é tratado e com a politicagem enorme e que beira a corrupção que é conduzido tudo isso.

Os 7 de Chicago estreia numa época crucial e faz um filme importantíssimo para ser passado antes das eleições americanas, e das brasileiras também, e faz uma reflexão sobre as falhas no sistema público, político e judicial americano e de boa parte do mundo. Claro, Os 7 de Chicago poderia ser melhor aproveitado como uma minissérie em 4, 6 episódios? Sim. Mas em forma de filme, e com o mundo inteiro assistindo, talvez a história desse grupo seja mais vista dessa forma.

Com uma poderosa narrativa que mostra que a ascensão do conservadorismo e das opressões das ideias progressistas não são coisas de agora, e sim de muito tempo, onde o mundo vem debatendo sobre isso desde da década de 60, Os 7 de Chicago não só faz um dos melhores filmes do ano, como também uma grande aquisição para o catálogo da Netflix. No final, o que temos aqui é um filme que tem cara, jeito e atitude de Oscar e que com certeza aparecerá, e de forma merecida, em diversas listas para a próxima temporada de premiações que se aproxima.

Os 7 De Chicago chega na Netflix em 16 de Outubro.

Avaliação: 4.5 de 5.

Miguel Morales
Miguel Moraleshttp://www.arrobanerd.com.br
Sempre posso ser visto lá no Twitter, onde falo sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema, e claro outras besteiras.  Segue lá: twitter.com/mpmorales

Artigos Relacionados

1 COMENTÁRIO

Comentários estão fechados.

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba todas as principais notícias e informações em seu email.

Mais Lidas

Últimas

Emily Blunt negocia participação em longa com The Rock sobre lutador de MMA

Emily Blunt negocia participação em longa com The Rock sobre lutador de MMA.

Os lançamentos de Março na Max

Os lançamentos de Março no Prime Video

Os destaques no Disney+ em Março

Os lançamentos no Star+ em Março