Animações Filmes 

Jorge R. Gutiérrez e Sandra Equihua falam sobre as inspirações para a concepção da animação Maya e os 3 Guerreiros

Em painel na décima edição do Festival Internacional de Animação CHILEMONOS, o criador, roteirista e diretor Jorge R. Gutiérrez (Festa no Céu) e a consultora criativa e designer de personagens Sandra Equihua revelaram detalhes sobre o processo criativo e as inspirações para a concepção de Maya e os 3 Guerreiros, que estreia ainda neste ano só na Netflix.

A aventura animada de nove capítulos conta as fantásticas façanhas de uma princesa guerreira inspirada na cultura mesoamericana.

Eles apresentaram esboços, maquetes, desenhos e novidades exclusivas do projeto. Jorge compartilhou também detalhes sobre a inspiração para a criação dessa aventura épica de 270 minutos, cheia de fantasia: “Me dei conta, como criador e como homem, de que, na maioria das histórias, os protagonistas eram homens. Quer melhor momento e lugar para mudar isso, e colocar a ênfase em uma heroína? Como criador, comecei a recordar as mulheres guerreiras que me tocaram na vida, como elas lutaram como se estivessem enfrentando mil deuses e triunfaram: minha esposa, que é minha musa, minha mãe e irmã. Queria dedicar algo a elas, escrever uma carta de amor para as mulheres mexicanas e latinas”.

Especialmente sobre a inspiração para o desenvolvimento de Maya, ele disse, “esta é a Sandra que conheci e por quem me apaixonei. Maya tem o dilema de ser uma princesa guerreira e uma princesa diplomática.

Confira as primeiras imagens de Maya e os 3 Guerreiros, nova aventura animada da Netflix

Foto: Netflix

Depois de apresentar uma prévia exclusiva (que não foi liberada ainda para o público), Sandra e Jorge comentaram sobre o trabalho em parceria  e como criaram as relações entre os personagens. “Muitos dos diálogos são inspirados em como nos comunicamos uns com os outros. A ideia de que os deuses são adultos e as crianças são a humanidade é porque as crianças ensinam os adultos”, disseram.

Para finalizar, eles citaram a principal motivação de Maya: “a frase ‘se deve ser, então é meu dever’ é uma das que Maya repete constantemente. A única maneira de fazer mudanças é fazendo você mesmo. Na América Latina temos histórias incríveis, temos algo que podemos mostrar ao mundo, temos sangue de guerreiros. Essa foi minha inspiração para a série. Nós, como mexicanos, temos a cultura como parte da nossa história, e a melhor forma de contar o presente é se inspirar no passado. Em minhas experiências passadas no Chilemonos e no Anima Mundi, fiquei muito impressionado em conhecer talentos de toda a região. Pessoas que estavam tentando contar a história de seus países, e isso me inspirou. Somos mais fortes na América Latina se lutarmos juntos”.

Confira a sinopse do filme abaixo.

Em um mundo fantástico cheio de magia, uma princesa guerreira inspirada nas civilizações mesoamericanas embarca em uma jornada épica para cumprir uma antiga profecia e salvar a humanidade dos deuses implacáveis do submundo. 

Maya e os 3 Guerreiros chega na Netflix ainda em 2021.