Direto para o Streaming Entrevistas Filmes 

Evan Spiliotopoulos fala sobre como foi fazer as cenas mais intensas de Rogai Por Nós e atuar pela primeira vez como diretor

Rogai Por Nós (The Unholy, 2021) chegou na última sexta-feira nas plataformas digitais. O longa de suspense teve uma boa trajetória nos cinemas brasileiros, mesmo se levarmos em conta a pandemia, e é o primeiro filme de Evan Spiliotopoulos no cargo de direção.

 Spiliotopoulos já vem de uma longa carreira em Hollywood, ele foi o responsável pelos roteiros dos filmes O Caçador e a Rainha do Gelo (2016), do live-action de A Bela e a Fera (2019) e ainda do inédito G.I. joe: Snake Eyes que chega em breve nos cinemas. E com Rogai Por Nós assume a função na direção também além de ter adaptado o roteiro da obra do autor James Herbert, chamada Shrine.

E em bate-papo com o ArrobaNerd, o diretor e roteirista comentou sobre essa mudança de cenários, como foram feitas algumas das cenas mais intensas do filme, e claro, sobre como foi trabalhar na pandemia e outras curiosidades.

Confira abaixo:

O produtor Sam Raimi junto com o diretor Evan Spiliotopoulos
Foto: Sony Pictures

SOBRE O PRIMEIRO TRABALHO NA DIREÇÃO

Spiliotopoulos diz que o que atraiu para fazer a adaptação do livro de James Herbert foi o fato dele ter lido a obra quando era “um jovem garoto de 13 anos que vivia na Grécia… e James Herbert eram muito conhecido em toda Europa, ele era um equivalente do Stephen King” afirma ele.

Eu já tinha lido todos os livros dele, mas quando eu li Shrine, mesmo adolescente ele fez um grande impacto em mim. Foi como tivéssemos a mistura do filme A Montanha dos Sete Abutres (1951) com O Exorcista (1973). E essa boa combinação de um drama de suspense jornalístico com o sobrenatural, não é como se fosse uma coisa que nunca foi feita, afinal, nós temos os filmes dos anos 70 chamados Pânico e Morte na Cidade (1972), onde um jornalista investiga o sobrenatural, mas é uma coisa que não é feita sempre.. “

Ele finaliza “Outra coisa que me atraiu foi toda a trama sobre os procedimentos que a Igreja Católica faz para provar ou não o que é um milagre. E também pelo fato que esse filme é um filme de redenção para um homem… eu gosto de todas essas combinações.”

Em Rogai Por Nós acompanhamos Alice (Cricket Brown), uma jovem com deficiência auditiva que, depois de uma suposta visitação da Virgem Maria, consegue, inexplicavelmente, ouvir e curar pessoas. Conforme a história se torna conhecida e mais fiéis viajam para testemunhar seus milagres, um jornalista decadente (Jeffrey Dean Morgan), esperando reviver sua carreira, visita a pequena cidade de New England para investigar. Quando eventos aterrorizantes começam a acontecer, ele passa a questionar se esses fenômenos são obras da Virgem Maria ou de algo sinistro.

Ele diz que um dos desafios em adaptar a história, escrita há mais de 30 anos (o livro foi lançado em 1983), foi tentar deixar ela com um ar contemporâneo. O diretor comenta: “Um dos temas do filme é sobre jornalismo e sobre esse jornalista que começa a promover essa história para servir uma agenda própria, ao contrário de servir a verdade.. e o fato das fake news estarem nas pautas das discussões dos dias hoje que faz esse filme ser tão contemporâneo.

Spiliotopoulos diz também que sempre quis transformar a história do livro em filme. “Essa adaptação foi sempre um projeto do meu coração durante muito tempo. Eu nunca tive a ambição de dirigir ele. Mas eu sempre pensei que se alguém fosse fazer o filme seria eu e meu time sempre me falava: Ei, sabe de uma coisa você deveria colocar a mão na massa dirigir isso, é uma grande oportunidade para sua carreira. Então eu pensei: Okay, vou tocar isso já assumindo que alguém no estúdio iria perceber que eu não sei bem o que fazer e trazer um adulto para terminar. Isso nunca aconteceu. Eu dirigi o filme”. diz ele forma bem humorada.

Perguntado sobre as diferenças de apenas escrever o roteiro e deixar outra pessoa dirigir em relação a fazer o processo todo, Spiliotopoulos diz que: “Ao escrever um roteiro você é forçado a visualizar tudo.. quando você lê um livro, você visualiza tudo..aqui o desafio foi remover as imagens da minha cabeça para tentar transportar para a telona.

Ele completa por dizer que é uma trabalho que envolve muito mais gente agora que ele está na cadeira de direção: “E cabe ao time de Fotografia, dos atores, da Direção de Arte, dos Figurinos, do Compositor e de basicamente todo mundo, atrás e na frente das câmeras, que precisa agora ser conduzido para ajudar a transmitir essas ideias para a tela. Essa é a parte mais difícil”.

EFEITOS VISUAIS VS EFEITOS PRÁTICOS

Foto: Sony Pictures

E sobre o trabalho de produção, Spiliotopoulos conta um pouquinho dos bastidores do longa e algumas curiosidades. O diretor comenta que a criatura do demônio que vemos no filme não era para ter nada de efeitos especiais nela. “Não era para termos nada de CGI (computer-generated imagery, imagens geradas por computador)… supostamente teríamos uma performance totalmente prática que seria feito pela maravilhosa atriz e contorcionista chamada Marina Mazeppa.” diz ele. A ideia era fazer a atriz gravar seus movimentos, juntamente com outra atriz que daria a voz para a personagem, mas claro veio a pandemia e mudou todos os planos do diretor e da sua equipe.

“Como sofremos uma pausa de 5 meses nas nossas gravações, o time de efeitos especiais veio para nos salvar… então eu diria que a versão final tem 70% de efeitos práticos e os outros 30% de efeitos visuais criados por computador o que foi super necessário para terminarmos o filme.” completa ele.

As inspirações para criar a figura do demônio que ronda o filme veio da intenção da equipe de produção em ter uma vilã no filme. “Nós queríamos ter uma icônica vilã no filme. Nós não vemos fantasmas mulheres normalmente… claro temos elas em O Chamado (2002) e o Grito (2004), mas nos filmes clássicos e normalmente e tradicionalmente é termos espíritos masculinos. Mas aqui quisermos ter uma mulher. Foi assim no livro também. diz ele.

E para criar essa figura eles optaram por uma versão mais maligna da Virgem Maria. O diretor diz: “Quando nós tiramos a máscara dela, você vê aquelas imagens clássicas e belíssimas dela sorrindo, mas nós as corrompemos. É dar um tom mais sombrio para as figuras religiosas que conhecemos.”

SOBRE O ELENCO

Foto: Sony Pictures

Spiliotopoulos também comentou no nosso bate-papo um pouco de como foi o processo de escolha desse elenco para o filme liderado pelo ator Jeffrey Dean Morgan (das série Supernatural e The Walking Dead). Ele diz que os produtores já tinha uma pessoa em mente: “Jeffrey a gente fez a oferta direta para o papel. Normalmente em Hollywood os atores principais não precisam mais fazer audições… você manda o roteiro e se eles gostarem você faz a oferta para eles. O resto todo mundo fez uma audição.”

E comenta também: “Eu achava que o papel de Alice seria o mais difícil de achar, mas no final foi o mais fácil” afirma ele.

“Eu selecionei a Cricket, que nunca tinha trabalhado em algum filme ou série de TV antes, ela só trabalhou em projetos do Off Broadway, mas ela era a melhor para o papel. Ela parece uma garota do interior, e tem essa aura meio espiritual em volta que se transforma em uma oradora, essa líder de uma congregação que você acredita, e o trabalho dela nos palcos a ajudou.” diz ele sobre a novata Cricket Brown.

E o diretor diz que essa conexão aconteceu basicamente com todos os outros atores escalados como Cary Elwes como o Padre Bishop (“Eu queria alguém que se parecesse mais com um político, fotogênico do que com um Padre“), o ator português Diogo Morgado (“Ele ganhou destaque internacional com o filme O Filho de Deus (2014) e passa essa aura de ser o representante religioso e quem serviu para a gente perfeitamente para interpretar esse cara que vem do Vaticano para determinar se os milagres são reais ou não.” ), e claro temos o ator William Sadler que os fãs de produções do gênero conhecem.

E o diretor finaliza nosso bate-papo comentando algumas curiosidades das gravações e avisa: “Não tivemos nenhuma aparição sobrenatural!”

Mas ele diz: “Nós gravamos algumas cenas em uma pousada que tem rumores que ela é amaldiçoada…. não recebemos nenhuma visita do além, mas pensamos em gravar umas cenas em um dos quartos… mas abortamos a ideia pois ele tinha uma atmosfera muito assustadora“.

Rogai Por Nós está disponível no(s) seguinte(s) streaming(s):