Críticas Filmes 

Carlinhos e Carlão | Crítica: Comédia nacional é uma celebração divertida e feita para abrir os olhos contra intolerância

Com um lançamento programado para os cinemas, a comédia Carlinhos e Carlão foi adiada, como boa parte dos filmes por conta da pandemia, mas será lançada finalmente e agora chega pelo Prime Video que expande suas ofertas de conteúdos nacionais.

Estrelada por Luis Lobianco, mais conhecido por sua participação nos quadros de humor do Porta dos Fundos, em Carlinhos e Carlão temos o ator em papel duplo num filme feito para abrir os olhos contra a intolerância contra o público LGBT+, mas sem deixar de ser divertido e super astral. Com um tom teatral, Carlinhos e Carlão é uma celebração para a diversidade e para a busca de encontrar seu lugar no mundo.

Carlinhos e Carlão | Crítica
Foto: DT Filmes

Lobianco brilha e entrega uma atuação (duas no caso!) fantástica ao navegar pelas duas personalidades completamente diferentes uma das outras de seu personagem, onde o longa tem esse lado mais galhofa, mas ao mesmo tempo, propõe uma discussão interessante sobre esteriótipos num momento que vemos cada vez mais ataques contra a nossa existência, seja com casos reais de homofobia que pipocam na mídia, e até mesmo declarações de políticos e governantes. Num “país de maricas” e assolado por uma pandemia global, Carlinhos e Carlão chega no streaming como uma boa opção de filme para reunir os amigos de forma de virtual, claro, para se ter uma noite de risadas.

A trama até chega a ser simples e já vista em diversos outros filmes há muitos anos, desde de Sexta-Feira Muito Louca (2003), Garota Veneno (2002) e 17 Outra Vez (2009), mais aqui Carlinhos e Carlão entrega alguma coisa nova, e eu me diverti muito com a ideia de que os dois personagens de Lobianco, Carlinhos e Carlão, no filme, co-existiram e não trocaram de corpo.

Em Carlinhos e Carlão, conhecemos Carlão, um mecânico que entre umas cervejas numa mesa de bar e partidas de futebol com os colegas Cadinho (Marcelo Flores), Edinei (Victor Lamoglia), Zeca (Saulo Rodrigues) e Antunes (Pedro Monteiro), vive por aí destilando comentários cheio de preconceitos e intolerância contra mulheres e gays, onde o garçom Guga (Marcelo Souza), do bar que eles frequentam, é o seu principal alvo.

Um dia, ao ver que seu armário quebra, Carlão parte em um busca de um novo e acaba por cair na loja de Evaristo (Luis Miranda, a verdadeira fada madrinha!). De um dia para outro, como num passe de mágica, e muito glitter envolvido, surge Carlinhos, uma versão de Carlão muito mais divertida, consciente, auto-astral, e claro, colorida. 

Assim, os dois mundos do mecânico entram em choque, afinal, de dia ele é Carlão, e pela noite vira o espevitado Carlinhos. E o roteiro da dupla Carolina Castro e Célio Porto brinca com essa dualidade que Lobianco consegue entregar de uma forma completamente leve e divertida. Carlinhos e Carlão é bem mais que filme sobre troca de corpos, e faz uma comédia sobre aceitarmos a complexidade da personalidade do ser humano. Quando as duas personalidades do personagem começam a se mesclar, e a nova muda os rumos da vida do rapaz, mesmo compartilhando o mesmo corpo, é que o filme ganha força, tanto por conta do timing cômico de Lobianco, quanto em desenvolvimento de personagem e de história.

Carlinhos e Carlão | Crítica
Foto: DT Filmes

Carlinhos e Carlão tem os velhos problemas que encontramos em produções nacionais, por exemplo, o texto do começo chega a ser um pouco forçado em algumas passagens, mas pensando no longa como um todo e no contexto em geral, fica claro que os roteiristas quiseram pesar a mão mesmo, e aumentaram um pouco as coisas, pois no final, fica claro que eles fazem quase uma sátira sobre esses comportamentos e que usam o humor para contar uma história para uma parcela da população que possa não ser tão engajada como a bolha artística, e mostrar o quão surreal tudo é. E assim, Lobianco parece reunir outros bons comediantes para contar essa história, como é o caso de Marcelo Souza, a drag queen Suzy Brasil que tem ótimos e divertidos momentos, mas também serve como uma guia para Carlinhos e tem uma das cenas melhores cenas do longa, que sem spoilers envolve um milkshake voando por aí. Ainda na lista de nomes, temos a divertida e hilária Thati Lopes, que trabalhou com Lobianco no Porta dos Fundos, e que aqui faz Glorinha, uma personagem um pouco mais contida do que vimos nos últimos trabalhos da atriz, mas que se destaca quando em cena. Já o ator de novelas Thiago Rodrigues, como Marcos o chefe de Carlão, garante os momentos mais dramáticos do filme e tem uma boa troca com Lobianco.

Assim, Carlinhos e Carlão une um time de comediantes para contar uma história simples, faz um filme simples, daqueles quase Globo Filmes sabe?, mas entrega uma história cativante que nos faz embarcar nas loucuras e peripécias dos personagens de Lobianco que aqui tira de letra e segura as pontas como protagonista de um longa metragem como poucos. No final, a união das duas partes de Carlos, Carlão e Carlinhos nós deixa com a certeza que ele vai sobreviver, e nós também, um close de cada vez.

Avaliação: 3 de 5.

Carlão e Carlinhos disponível no Prime Video.

Postagens relacionadas