Por Trás dos Seus Olhos | Crítica

Por Trás dos Seus Olhos (All I See is you, 2017) mostra um conto de amor, obsessão e descobertas até que interessante mas que se perde em alguns momentos. Talvez, principalmente para Blake Lively, seja uma forma de sair do lugar comum, tentar novos papéis e ganhar mais experiência.

Apoiado numa fotografia muito bem trabalhada com cores que contrastam bem cada fase e etapa que a personagem principal percorre, o filme flerta com alguns gêneros como drama e suspense de uma forma que o espectador fique querendo sempre saber o que vai acontecer e acerta em criar uma atmosfera quase sufocante para contar sua história.

Lively consegue levar sua personagem durante Por Trás dos Seus Olhos de uma forma até que bastante bem feita, afinal vemos a transformação tanto física quanto comportamental desabrochar feito uma rosa que ao mesmo pode ser bonita mas também machucar com seus espinhos. O filme não tem a mesma sutileza ou profundidade de Trama Fantasma (2017) mas tem basicamente o mesmo fio condutor sobre relacionamentos abusivos, paixão, o sentimento de pertencimento e de posse entre duas pessoas.

Foto: Paris Filmes

Na trama conhecemos Gina (Lively) e James (Jason Clarke), um casal que vive em Bangkok na Tailândia, enquanto ele trabalha numa seguradora, ela vive de explorar o país mesmo não conseguindo enxergar. Quando o casal tenta ter um bebê, Gina tem a oportunidade de realizar um tratamento na córnea e recuperar a visão e assim a vida dos dois muda para sempre. Agora ela pode ver o mundo sem depender dos olhos do marido.

Uma das melhores coisas de Por Trás dos Seus Olhos é colocar o espectador em muitas das cenas no lugar de visão de Gina. Vemos desde do início, o filme transmitir como a personagem se sente, a explosão sensorial quando ela transa com o marido, os barulhos desconhecidos de uma cidade nova que acabam sendo misturados com uns efeitos meio psicodélicos e bastante gritantes. Assim, vemos aos poucos como é a vida da personagem sem enxergar e o filme continua nesse ritmo até mesmo durante a recuperação e a pós-cirurgia. A história é desenrolada aos poucos de uma forma até um pouco lenta e vemos a tela passar de uma visão turva como se fosse uma neblina constante para um azul claro e ensolarado.

Foto: Paris Filmes

Jason Clarke consegue fazer um marido controlador, centrado e literalmente o ator passa um sentimento de propriedade com a esposa de uma forma bastante abusiva mas que o roteiro também também acerta em trabalhar para deixar a personagem de Lively na mesma situação e as discussões do casal em diversos momentos deixa isso bastante claro. Em Por Trás dos Seus Olhos, as ações acabam refletindo mais que as palavras ditas ou as expressões vistas no rosto dos personagem, Gina e James são o ápice do casal passivo-agressivo onde tudo é muito sugestivo desde de uma troca de remédios, uma ida ao restaurante ou até a compra de uma casa nova.

O casal acaba entrando numa espiral de conflitos após a operação da esposa que acabam criando passagens interessantes como as cenas da balada lotada onde antes Gina só poderia ficar ao lado do marido ou na viagem de trem e outras até desnecessárias como a viagem para a Espanha para visitar a irmã da protagonista com um cunhado apenas para criar um completo oposto da personalidade do marido.

O roteiro da dupla Sean Conway e Marc Forster, que dirige o longa, não tenta criar vilões e mocinhos e sim navegar em uma área bem cinzenta onde a lei da ação de reação é colocada em prática. Por Trás dos Olhos conta uma história de superação aliada com algumas viradas um pouco perturbadoras de roteiro. A preocupação com a fotografia do filme que mostra cores que ajudam a contar a história do filme faz da produção um daqueles filmes indie que querem mais chocar do que desenvolver uma boa trama.

Com um visual carregado e uma aura densa que cerca a produção, o filme é uma história melancólica mas instigante sobre um relacionamento não muito saudável que no final acaba somente mostrando o quão quebrado os personagens são ao se agarrem uns aos outros de uma forma tão intensa.

Nota do Crítico:

 

Por Trás dos Seus Olhos chega aos cinemas do Brasil dia 22 de março.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales