Fullmetal Alchemist #14-15 | Resenha

2 edições atrasadas, mas é com muita empolgação que continuo lendo Fullmetal Alchemist. A trama é tão instigante que é impossível não querer devorar todo o conteúdo de Hiromu Arakawa, e continuo feliz por ter dado uma chance para esta produção sensacional.

Na edição #14 temos mais explicações sobre os Homúnculos e suas ações escondidas, mas ainda não é explicado o motivo do pai de todos eles se parecer com Hohenheim. Essa aparência ligada ao fato de Ed e Alphonse serem filhos dele, faz o grade homem querer protegê-los, mas coloca Lin em cheque, e joga em seu corpo o Ganância.

O desenvolvimento de tudo isso é excelente, torcemos pelos personagens e queremos entender como funcionará a dinâmica entre eles. A morte de Gula foi bem intensa e mudaram as coisas na criação de um Homúnculo, o lance da pedra filosofal se ligar ao sangue foi bem bacana, e tanto o novo Gula, que retornará com suas memórias, e o novo Ganância, lidando em parceria com o corpo de Lin, foi excelente.

Quando eles escapam, as coisas ficam feias para eles, mas chegam bem a um lugar seguro. A briga de Ran com a pequena Mao foi bem legal, mostrando as diferenças de culturas dentro do próprio país.

Enquanto isso a edição #15 mostra mais da guerra civil em Ishval, desde a ligação entre Mustang e Hawkeye. Quando aprofundamos na história dos dois, de como o pai dela morreu para passar uma parte da alquimia das chamas para ele e ela sendo parte disso foi instigante. Outra coisa é que ambos acabam ficando presos por conta de promessas após a guerra de Ishval.

Outra história abordada é a do irmão de Scar, que se mostra bem interessado nos tipos de alquimia, o que acaba indo contra a religião deles, criando um panorama incrível de magia e religião. Quando o irmão vê Scar quase morrendo, mesmo sabendo de seu ódio por magia, ele faz a troca corpórea se entregando para a morte e salvando o irmão. O problema é que ao acordar ele só quer saber da vingança por seu irmão e por seu povo.

Agora, todo o envolvimento do exército, a crescente de ódio dentro dele e o uso das almas de Ishval para criar as pedras filosofais é muito bem desenvolvido e nos envolvemos com tudo isso, e saímos como Armstrong de toda a história. Doido para que tudo acabe, pois sabe que seu papel é para salvar os outros.

Com o pai dos Homúnculos a vista, os infiltrados no exército batendo de frente e com a guerra de Ishval mais exposta e melhor explicada, Fullmetal Alchemist consegue nos deixar ainda mais ansiosos por seus próximos volumes. Editora JBC sempre mandando mais do que bem nas edições de Fullmetal Alchemist, mostrando o carinho pela publicação.

FICHA TÉCNICA

Título: Fullmetal Alchemist #14 e #15
Autor: Hiromu Arakawa
Editora: JBC
Ano: 2017
Gênero: Ação, Aventura
Páginas: 200

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.