Aventura e ação: Igor Marques e Lúcio Guimarães lançam quadrinho durante o FIQ 2018

Quando o último Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte (FIQ BH), que aconteceu em 2015 chegou ao fim, o jornalista Igor Marques e o designer Lúcio Guimarães combinaram uma parceria para a próxima edição do evento. Após três anos discutindo e desenvolvendo ideias, os artistas apresentarão Indomável. O quadrinho conta a história de uma jovem trambiqueira que não perde uma oportunidade de dar um golpe nas pessoas a seu redor.

A narrativa foi inspirada na infância e adolescência dos autores que cresceram no anos 90 acompanhando a ascensão dos animes na televisão aberta e do pop punk no cenário musical. “Procuramos juntar um pouco de tudo o que gostamos para criar algo que mostre quem somos. Criamos uma ambientação de Sessão da Tarde, leve e despretensiosa, mas ao mesmo tempo suja e cheia de palavrões, algo de Hermes e Renato e com vários elementos de mangás battle shounens”, define Lúcio Guimarães.

A primeira imagem que tivemos do que seria o quadrinho foi um bar, sujo, cheio com gente estranha e algumas crianças se divertindo ali brincando no fliperama, completamente alheias a tudo que acontece naquele ambiente. Foi uma referência importante para que pudéssemos construir uma narrativa como imaginamos inicialmente em nossas discussões”, explica o jornalista que foi o responsável pelo desenvolvimento do roteiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A protagonista da história é Maria Luiza, mais conhecida como Malu. Inquieta e revoltada, a jovem não aceita muitos questionamentos, autoridades e tenta resolver sua vida do seu próprio jeito, levando a atritos com pessoas à sua volta. Para o desenhista esse é o destaque da personagem. “Ela é chata e estranha. As pessoas olham pra ela com estranhamento por ela não seguir alguns padrões sociais. Ela quer fazer as coisas do próprio jeito e isso incomoda, mas é o que torna ela especial”.

Indomável foi pensada pela dupla após o FIQ de 2015 quando decidiram trabalhar juntos em algo para a próxima edição do evento, que acontecerá entre os dias 30 de maio e 3 de junho, na capital mineira. “O FIQ é muito significativo para o mundo dos quadrinhos. É uma imersão. Todo mundo ali é muito apaixonado por este universo, o público, os autores, os lojistas e os voluntários. Isso cria uma atmosfera inspiradora. Quem lê ou produz conteúdo fica empolgado. Esse ambiente foi algo muito importante para criarmos e trabalharmos com quadrinhos”, conta Marques.

Igor Marques

Igor Marques tem 25 anos e é designer gráfico e jornalista formado pela PUC Minas. Atua no mercado de comunicação em diferentes áreas como jornalismo, marketing digital e designer gráfico.

Sempre teve interesse por quadrinhos, com um destaque especial pelos mangás. Desde 2014 desenvolve ideias, projetos e roteiros voltados para nona arte. No início de 2018 lançou o zine Procrastinação.

Lúcio Guimarães

Lúcio Guimarães é designer gráfico e ilustrador por formação e trabalha desenvolvendo peças para o setor privado. Atua no mercado de quadrinhos desde 2014, tendo participado da edição de 2015 do Festival Internacional de Quadrinhos.

É fascinado por filmes de artes marciais e pelo trabalho do quadrinista japonês Akira Toriyama, com destaque para Dragon Ball. Em 2018 publicou seu primeiro trabalho, o fanzine Intro.

Carrapato Estrela

O Carrapato Estrela é um coletivo de quadrinistas oriundo de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. O grupo foi fundado no início de 2017 e é composto por Donizete Lemos, Hyna Crimson, Igor Marques e Lúcio Guimarães. Os artistas se reuniram como forma de trocar conhecimento, técnicas, referências e incentivos para o desenvolvimento de seus trabalhos.

Os artistas estarão na mesa 169 no Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte. O evento acontece entre os dias 30 de maio e 3 de junho, na Serraria Souza Pinto, localizada no Centro da capital mineira.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.