Loki | 2×05 – Ciência/Ficção: Review

0
152

O aguardadíssimo episódio 5 da temporada 2 de Loki chegou depois que a Marvel Studios deixou o fandom em polvorosa com *aquele final* do episódio da semana passada.

Não durou muito por que o estúdio soltou o trailer alguns dias depois com cenas do que viria pela frente, mas mesmo assim foram dias bem empolgantes que há tempos não movimentam as redes sociais. Claro, o que tivemos com o 2×05 – Ciência/Ficção foi o que chamamos de um episódio filler, aquele episódio que poderia até ser cortado ou que só serve para encher linguiça, mas que no final das contas não deixou de ser um episódio muito bom.

Afinal, o 2×05 meio que colocou um freio na forma acelerada que a temporada vinha vindo, da crescente gigante dos primeiros episódios que culminaram no 2×04, com as linhas dos tempos explodindo na máquina da TVA, o chamado Tear, e com Loki (Tom Hiddleston) sobrevivendo. 

E com o novo episódio, tivemos um conhecimento maior de como o personagem, e seus poderes, funcionam, diversas respostas para perguntas que a série vinha fazendo desde da primeira temporada, e claro um final que, mais uma vez, muda bastante as coisas para o futuro da série e também do que podemos esperar do personagem no MCU daqui para frente.

Faça igual a Sylvie, coloque uma musiquinha e vamos ver o que rolou, com spoilers no episódio 5 do segundo ano de Loki.

ALERTA DE SPOILER!

Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos da série/filme.
Continue a ler por sua conta e risco.

Owen Wilson e Tom Hiddleston em cena da 2ª temporada de Loki. Foto: Photo courtesy of Marvel Studios. © 2023 MARVEL.

Loki sobrevive! Quando o Tear, a máquina das linhas do tempo explode, Loki parece que iria de arrasta para cima igual os outros. Mas a mitologia da série ataca novamente, e claro que o protagonista da atração sobrevive. Alguém esperava que Loki não fosse sobreviver?

Mas depois de assistir o episódio e dando uma pesquisada sobre o que a galera achou, eu me deparei com uma teoria/comentário que diz que o motivo que Loki tenha sobrevivido foi por que ele tinha sido “cortado” de diversas outras linhas do tempo (coisa que foi apresentada no primeiro ano) e assim vive meio que num limbo entre o espaço e tempo. E faz todo sentido do motivo que o personagem ter sobrevivido e é importante também para o desenvolvimento da trama de maneira geral por que é o ponto de partida para o personagem depois dos eventos do episódio 4.

Afinal, o personagem começa a pipocar entre o passado e futuro e vemos que sim ele, além de ver todas as linhas do tempo que passa se desmancharem, tem um plano.

Assim, munido com um caderninho da AVT, ele começa a perceber que seus deslizes temporais não são aleatórios mesmo que involuntários e começa a cair nas linhas do tempo onde os personagens do grupinho estão. E com isso, Loki expande a mitologia da série e nos mostra de quais linhas do tempo, linhas do tempo de onde eles vieram, antes de terem suas memórias apagadas e começado a trabalhar para a AVT, ou pelo menos de uma das linhas dos tempos que cada um deles veio.

Podemos notar que todos os personagens vieram de linhas do tempo paralela da linha do tempo sagrada, então é possível que quando eles foram retirados delas, aquelas linhas do tempo foram “prudadas”, ou seja, desaparecerem. Mas como vimos, a máquina da AVT, explodiu, e “resetou” levou de volta todos os personagens para suas respectivas vidas.

E foi muito bacana darmos uma voltinha por outras linhas do tempo, uma coisa que a Marvel Studios sempre prometeu e pouco cumpriu nessa Saga multiversal. Foi interessante vermos como os personagens eram em outras linhas do tempo. O mais curioso, pelo menos para mim, e o que mais chamou a minha atenção foi a linha do tempo do Casey (Eugene Cordero)  que antes de ser recrutado (sequestrado!) tentava fugir da prisão de Alcatraz nos anos 60. Totalmente diferente do personagem que vimos anteriormente.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-9-675x450.png
Elenco de Loki reunido para a temporada 2. Foto: Photo by Gareth Gatrell. © 2023 MARVEL.

Outra resposta que a série deu foi finalmente vermos a conexão de Mobius (Owen Wilson) com jet skis. Mobius não, Don! Foi tão bacana finalmente descobrir o nome verdadeiro do personagem, que é um pai solteiro e com dois filhos. A visita de Loki para o personagem (que não lembrava nada da vida na TVA) foi uma cena muito bacana e que mostrou, mais uma vez, o bom trabalho que Wilson e Hiddleston têm feito na série de maneira geral.

O mesmo vale para Ke Huy Quan que mais uma vez, nesse episódio, se mostrou uma adição fantástica para o novo ano de Loki. Termos descoberto que é o personagem de O.B., na linha do tempo que ele veio, era um professor universitário e que também trabalhava como autor de obras de ficção que não conseguia vender seus livros foi uma sacada genial da parte do time de roteiristas e que segue a linha da cobra que morde o próprio rabo (que é o símbolo do Ouroboros).

Já a caçadora B-15 (Wunmi Mosaku) ter sido uma médica pediatra fez todo sentido, afinal em boa parte ela precisa lidar com as criancices dos colegas na TVA. Definitivamente esse episódio pode ser considerado um com uma boa escrita por parte dos roteiristas que mudaram completamente para o segundo ano, que até agora não deixou a peteca cair.

E não boa escrita, mas os efeitos especiais da série estão muito bons. A parte que a linha do tempo que Sylvie (Sophia Di Martino) está antes de começar a desaparecer foi muito bonita e visualmente caprichada de se assistir.

E assim o episódio avança, com todos eles recrutados, afinal, com respectivas linhas do tempo também estavam indo virar espaguete, ficava mais fácil acreditar no maluco que pipocava na sua frente contando loucuras sobre uma organização que lida com o tempo e tudo mais, né?

A reunião do grupinho foi a chave, o gatilho, o empurrão final que Loki precisava para entender e controlar os deslizes temporais. E com uma ajuda de Sylvie, que funcionou com uma consciência para Loki, afinal, eles são variantes e os dois Deuses, o episódio termina com o personagem finalmente conseguindo usar o deslize temporal de forma consciente, e ir para onde na linha do tempo ele queria parar, e assim consegue voltar no passado para antes quando o Tear não tinha explodido e todos estavam vivos.

Isso nos abre diversas possibilidades, afinal, Loki consegue se movimentar agora no espaço tempo sem a ajuda de nenhum artifício, seja a joia do Tempo que o levou dos eventos do filme dos Vingadores para a série, ou o cartão da AVT que Sylvie usa para se deslocar. 

Assim, voltaremos para uma época onde Victor Timely (Jonathan Majors) possivelmente ainda está vivo. Será que essa versão vai mesmo ser tornar uma versão mais perigosa de Aquele Que Permanece? Ou pior será que Loki se torna uma versão de Aquele Que Permanece, afinal agora ele pode ir e voltar para onde quiser? Perguntas que esperamos serem respondidas no final da temporada de Loki na semana que vem.

Loki exibe o último capítulo da temporada 2 em 9 de novembro no Disney+.

Deixe uma resposta