Triplo X: Reativado | Crítica

Em mais um filme de ação Vin Diesel está de volta como Xander Cage em Triplo X: Reativado. Após anos depois do primeiro filme, o ator retorna dos mortos para formar um time de loucos, viciados em adrenalina e em esportes radicais. Ele se junta com atiradora Adele (Ruby Rose), o maluco motorista Tennyson (Rory McCann),o DJ pegador (Kris Wu) e a nerd Beckie (o destaque e alivio cômico interpretado pela rouba cenas Nina Dobrev) para recuperar uma arma capaz de destruir todo o planeta em um simples clique: a Caixa de Pandora. O filme tem cenas muitos parecidas com as de Esquadrão Suicida (2016), onde um resumo da vida dos personagens são exibidos junto com flashbacks o que me agradou muito.

Cage recebe a visita da Agente Marke, uma caricata e canastrona Toni Collette, onde ele tem que descobrir onde os bandidos estão escondidos com a arma. Assim ele parte para busca de Xiang (Yen), Talon (Jaa), Serena (a belíssima Deepika Padukone) e Hawk (Michael Bisping) onde vemos muitas as cenas de sedução, festas malucas e claro muita luta, muitas armas e perseguições radicais. Assim quem assiste começa a perguntar quem é o mocinho e quem é o vilão do filme.

Foto: Paramount

Essas produções como Triplo X: Reativado que tem grandes cenas de lutas, explosões e perseguições de carros (barcos, aviões e nesse filme até skate) não são conhecidos por um grande roteiro coeso ou com grande desenvolvimento de personagens, afinal, é muito tempo de tela para não usar com belas cenas de carros explodindo, tiroteio de 2 pessoas contra 40, mas Triplo X consegue se garantir no seu tempo. O filme sabe disso, ri de si mesmo ao fazer piadas sobre ser um filme de super-herói com Samuel L. Jackson recrutando as pessoas para participarem do time do Triplo X e as referências a Vingadores, mas principalmente usa muito o ator Vin Diesel, que parece estar confortável demais no seu papel.

As piadas entram em bons momentos, usando também a personagem de Nina Dobrev como a nerd que sempre teve um trabalho dentro do escritório e agora tem que entrar na linha de combate. A caricata personagem de Toni Colette sempre abre a boca com um tom de desdém que parece que ela queria estar em qualquer lugar, menos ali. Um desperdício da atriz que sempre fez ótimos trabalhos mais sérios. E também não espere não se assustar com a interpretação do jogador Neymar no longa, pelo menos ele teve 3 falas, mas teve. Uma nova estrela nasce em Hollywood?

Brincadeiras a parte as paisagens usadas como locação do filme são maravilhosas, assim como todo o elenco, mas como falado, não espere muitas respostas e por que das coisas e situações que envolvem o roteiro, para não se frustar. O filme não é isso.

Assim Triplo X: Reativado é um filme que entrega o que ele oferece, uma história com muitas cenas impossíveis, explosões, algumas piadas de cunho sexual e um tom cômico junto com tudo isso. O melhor caso de descontração gratuita por 2 horas.

Nota do Crítico:

Leia mais sobre Triplo X.