Uma Aventura Lego 2 | Crítica

Tudo é incrível… e nessa sequência de Uma Aventura Lego tudo é mais divertido… No espaço!

O clima de positividade e energia contagiante visto no primeiro filme, retorna, aqui, em Uma Aventura Lego 2 (The LEGO® Movie 2: The Second Part, 2019), onde, temos uma nova aventura, dessa vez banhada com glitter, cores berrantes, e claro, novas músicas que vão grudar na sua cabeça!

Nesse segundo filme, temos, novamente, uma história com uma mensagem interessante para as crianças, com momentos engraçadinhos, e claro referências e mais referências de aplaudir, pela sagacidade e esperteza em que são inclusas na trama pelo roteiro.

Will Ferrell, Will Arnett, Elizabeth Banks, Charlie Day, Nick Offerman, Chris Pratt, and Alison Brie in The Lego Movie 2: The Second Part (2019)
Uma Aventura Lego 2 – Crítica | Foto: Warner Bros Pictures

Uma Aventura Lego 2 segue a mesma fórmula do primeiro filme, e apresenta, uma nova história, só dessa vez, com as crianças Finn (Jadon Sand) e Bianca (Brooklynn Prince) já crescidos, e unindo seus brinquedos como bons irmãos. Finn, tem toda a cidade LEGO e os personagens cativantes do primeiro filme como otimista Emmet (voz no original de
Chris Pratt), a gótica Lucy (voz no original de Elizabeth Banks) e o misterioso Batman (voz no original de Will Arnett), e a jovem menina, vem para a brincadeira, com seus bonecos de montar, rosa, coloridos e cheio de purpurinas.

Na trama, além da história na realidade, no faz de conta, vemos a cidade dos personagens ser invadidas por ameaças do espaço, que destroem tudo, numa velocidade muito mais rápida, do que os moradores conseguem reconstruir, onde eles vivem em completa destruição.

Assim, Uma Aventura Lego 2, lança nossos heróis numa nova missão (colorida, dançante e com músicas que grudam na nossa cabeça), até o espaço, numa nova terra, em que eles precisam evitar o Armagedon, onde conhecemos novos personagens, como a Rainha Tudo-Que-Você-Quer-Ser (voz no original de Tiffany Haddish) a astronauta do capacete colorido Mayhem (voz no original de Stephanie Beatriz), e ainda o herói Rex (voz no original, também, de Chris Pratt) que irá ajudar Emmet e Lucy a derrotar o exército de estrelinhas para salvar sua cidade e evitar o Armagedom.

Uma Aventura Lego 2 é uma grande experiência musical, colorida e gritante. Temos músicas divertidas, situações cheia de um humor bem pensado, tanto para crianças, quanto para os adultos, e claro uma mensagem de amor e companheirismo, bem bacana. E, como as crianças (do filme e da audiência) cresceram, parece que os roteiristas Phil Lord e Christopher Miller, tentaram acompanhar esse crescimento e fazem, aqui, na sequência uma trama um pouco mais encorpada, com viagens no tempo, com linhas do tempo um pouco confusas, e um longa com um pouco mais de meta-linguagem do que o primeiro filme. Vemos mais da realidade fora do universo Lego, e mais da história fora da vida dos bonecos.

Stephanie Beatriz in The Lego Movie 2: The Second Part (2019)
Uma Aventura Lego 2 – Crítica | Foto: Warner Bros Pictures

Claro, o foco do filme, continua na dinâmica entre Emmet e Lucy, onde a dupla, além de precisar salvar o mundo, também, reavalia seu relacionamento. Já, o Batman continua a roubar a cena (depois do sucesso que foi Lego: Batman – O Filme, lançado em 2017). Os novos personagens são uma boa aquisição para a franquia, e sua entrada na história abre a possibilidade para novos mundos, e assim, para próximos filmes.

No final, Uma Aventura Lego 2 entrega uma sequência divertida, com o retorno dos personagens carismáticos do primeiro filme, e ainda faz uma história emocionante, cheia de momentos musicais agradáveis e contagiantes.

Nota do Crítico:

Uma Aventura Lego 2 tem direção de Mike Mitchell e chega nos cinemas em 7 de fevereiro!

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales