The Tale | Crítica

The Tale chega finalmente na HBO Brasil depois de passar e arrancar aplausos nos Festivais de Sundance (quando estreou) e de Tribeca. Em Maio, a produção voltou a ser um dos assuntos mais comentados nas redes sociais quando o tele-filme protagonizado por Laura Dern estreou na HBO EUA.

E não é por menos The Tale (O Conto aqui no Brasil) é verdadeiramente impactante.

The Tale HBO crítica
Foto: HBO Brasil

Indicado no Emmy 2018 em duas categorias tanto por Melhor Telefilme quanto por Melhor Atriz em Telefilme ou Minissérie para Laura Dern, The Tale é digno de seu hype e faz aqui uma das produções mais importantes, necessária mesmo que super desconfortável, do ano.

O filme conta uma história densa sobre uma jornada de autoconhecimento, memórias que vagaram durante décadas, relacionamentos abusivos e que cai diretamente no movimento #MeToo! 

E ainda para completar, The Tale é baseado na história de Jennifer Fox que dirige e roteiriza o filme. Protagonizado por Laura Dern, no filme vemos Jennifer encontrar um conto escrito quando era criança, onde após uma conversa com sua mãe ela começa a refletir sobre seu conteúdo ao perceber que os detalhes do manuscrito são muito diferentes das lembranças daquele momento ocorrido há 40 anos.

As passagens que se mesclam durante os vários momentos da vida de Jennifer são profundas e intensas e nos jogam para dentro da mente da personagem de uma forma completamente envolvente. É como se estivemos dentro da penseira do personagem Dumbledore nos filmes de Harry Potter, um objeto para guardar lembranças fora da cabeça de alguém.

Aqui em The Tale, é quase isso, onde acompanhamos um furação de sentimentos, onde pedaços e fragmentos de lembranças se juntam  vamos decifrando os detalhes dos acontecimentos da infância da garota e descobrimos ela teve uma relacionamento com sua instrutora de hipismo , a Sra G (Elizabeth Debicki fenomenal) e o professor de corrida Bill (Jason Ritter).

the tale hbo laura dern crítica
Foto: HBO Brasil

Em The Tale, a mente de Jennifer nos prega diversas peças e deixa, pelo menos no começo, um ar de ambiguidade gigante mas em algum momento temos um estalo e a trama se transforma numa perigosa e perturbadora história de abuso que chega a ser repulsiva em diversos momentos.

Laura Dern e a jovem Isabelle Nélisse tem um entrosamento em cena fantástico onde conseguem transmitir tudo aquilo que Jeniffer sofre em cada etapa da vida de Jennifer e principalmente quando as duas versões de Jennifer se cruzam em sua cabeça. Dern carrega o filme com um olhar exploratório gigante, nos acompanha e nos faz sentir que Jennifer sente e parece precisar da presença do espectador para descobrir e “destravar” esses acontecimentos marcantes que ficaram escondidos sua cabeça por uma questão de sobrevivência. Realmente um dos melhor trabalhos da atriz sem sombra de dúvida.

Poderoso, triste e devastador, The Tale chega num momento importante ao falar de questões sexuais e relações de poder num filme super importante e que levanta todas a bandeiras vermelhas sobre a questão.

Uma produção que não pode ser perdida!

Nota do Crítico:

The Tale estreia no dia 18 de agosto às 22h

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales