Homem-Aranha: De Volta ao Lar | Crítica

Com o reboot da série pela segunda vez e novamente pelas mãos da Sony Pictures, muitos fãs ficaram apreensivos quando foi anunciado que o estúdio iria fazer uma nova releitura das aventuras do super-herói que foi picado por uma aranha e desenvolve super-poderes. Mesmo tendo o selo MarvelHomem-Aranha: De Volta ao Lar (Spiderman: Homecoming, 2017) não é produzido pela marca e assim consequentemente pela Disney, o que gerou uma confusão sem tamanha entre as duas empresas, com seus dois Presidentes às vezes anunciando informações em discursos diferentes sobre a produção ao longo do tempo até que finalmente o personagem teve sua primeira aparição em Capitão América: Guerra Civil (2016) onde fez bastante sucesso.

O plano da Marvel era apostar num jovem Homem-Aranha, menos experiente e bem iniciante. No filme do Capitão América, Peter Parker rouba a cena com seu jeito atrapalhado, engraçado e bem fã-boy que quebra um pouco da dureza e dramaticidade que a trama do longa apresentava. Assim, a próxima preocupação pós filme do Capitão era se Tom Holland e seu Homem-Aranha da geração y iria aguentar o tranco de ter seu filme solo e claro dar continuidade ao envolvimento do personagem nas próximas aventuras dos Vingadores. E sim, De Volta ao Lar além se apoiar no carisma do ator principal tem um bom roteiro (conectado com os eventos maiores do Universo da Marvel), excelentes novos personagens (yay, um vilão realmente assustador) e claro ótimas piadas e efeitos visuais.

Homem-Aranha
Foto: Sony Pictures/Marvel

A trama desse novo filme do Homem-Aranha foca realmente no treinamento e desenvolvimento de Peter Parker como adolescente, jovem estudante, civil e claro com ele descobrindo como lidar com seus poderes e mostra também de forma muito bem humorada e super dentro do contexto atual de redes sociais o entusiasmo que o personagem teve ao participar junto com Tony Stark (Robert Downey Jr.) da luta entre o time Homem de Ferro e o time Capitão América que rachou a equipe dos super-heróis lá no último filme dos Vingadores.

Para aqueles que se perguntam, já respondemos: não, Stark, não rouba o protagonismo do cabeça de teia! Ele faz parte da trama mas não é a trama principal do longa mesmo que os materiais de divulgação tenham forçado o personagem um pouco demais. Assim, Peter retorna à casa em Nova York onde ele vivia com sua Tia May (uma ótima Marisa Tomei) e a sua rotina escolar de provas, exames e os amigos dos grupos de escola.

Peter quer provar para si, para Happy Hogan (Jon Favreau) e Stark que é um verdadeiro Vingador. Todas as interações do personagem com a roupa do aranha tanto na versão 1.0 quanto na versão 2.0 (vocês irão entender quando verem o filme) são engraçadas, muito bem boladas e deixam um sentimento de é isso que queríamos desde do começo.

As cenas na escola em Homem-Aranha: De Volta ao Lar são de animar qualquer um, o filme tem nessas partes os seus melhores personagens, boas cenas e consegue mesclar aquele sentimento de estranheza do ensino médio com situações engraçadas e típicas de uma comédia colegial americana: Peter tem sua paixãozinha platônica por Liz (Laura Harrier), tem seu “inimigo” Flash Thompson (Tony Revolori) e a dupla de amigos deslocados, Michelle (Zendaya) e Ned (Jacob Batalon).

Homem-Aranha
Foto: Sony Pictures/Marvel

O lado mais sombrio fica com o personagem do Abutre, interpretado pelo fantástico Michael Keaton que faz um vilão com ótimas motivações, ambicioso e com um propósito bem claro. Logo no começo do filme já vemos que ele acaba por criar um comércio de peças roubadas dos destroços das lutas dos Vingadores e começa a juntar e criar armas com partes alienígenas e ferramentas humanas. Os efeitos visuais dos artefatos são muito bem desenvolvidos e nos deixam curiosos para as portas que ficam abertas para a questão de humanos vs poderes e principalmente das ramificações das batalhas que os Vingadores tiveram na Terra e voltando naquela idéia apresentada em Capitão América: Guerra Civil sobre o quanto de destruições são deixadas pelo caminho e como isso afeta a vida dá s pessoas no dia-a-dia.

Mas o grande destaque em Homem-Aranha: De Volta ao Lar fica para a qualidades das atuações de seus atores . Tom Holland está absolutamente confortável, carismático e faz aqui um tremendo e fabuloso trabalho em todas as cenas que aparece, tanto as mais dramáticas quanto as com maiores alívios cômicos. Laura Harrier como Liz, usa e abusa de sua doçura de sua personagem para ser encantadora em tela, como se a cada momento que ela aparecesse os produtores fizessem questão de congelar a tela toda vez que ela surge.

Keaton como falamos é um ótimo vilão é teve algumas das cenas mais dramáticas do filme com o destaque ficando para uma sequência inteira dentro de um carro junto com Holland que mostra e reafirma ser um dos vilões mais ameaçadores e com reais intenções de explodir tudo pelos ares afinal ambos tem muita coisa a perder. O lado cômico Jacob Batalon é absolutamente fantástico, o ator consegue passar como o melhor amigo deslumbrado tudo e acaba por ter os momentos mais hilários do filme. Zandaya e Tomei mesmo com poucas cenas conseguem dar um brilho feminino bacana para o longa.

Com alguns easter-egg que pulam nos olhos e outros um poucos mais sutis o filme é aquilo que toda produção da Marvel entrega e o estúdio sabe fazer de melhor: apresentar bem seus novos personagens, mostrar o mundo que eles pertencem e faze-los interagir bem entre si dentro de um grande Universo Cinematográfico que levou anos para ser construído.

Com um humor jovem, rápido e piadas de fazer rir, Homem-Aranha: De Volta ao Lar é uma ótimo Blockbuster com cenas de ação empolgantes, efeitos visuais de primeiras e tudo é feito para dar ao seu protagonista (tanto o ator quanto o personagem) a vez de brilhar, Homem-Aranha está de volta as telonas, seu lar, na melhor maneira possível.

Aviso do Arroba Nerd: o filme tem 2 duas cenas pós-créditos!

Nota do Crítico:

Homem-Aranha: De Volta ao Lar estreia em 6 de julho.