A nossa lista de 10 filmes mais marcantes de 2018!

Em 2018 tivemos um ano marcado por o retorno de bons diretores com novas produção como Spike Lee, Alfonso Cuáron e Yorgos Lanthimos.

Tivemos dramas, comédias e animações de melhor qualidade.

Atores que se modificaram para seus papéis e outros que derem seu máximo.

Tivemos filmes que venceram prêmios nos principais Festivais de cinema do mundo.

Assim, separamos os nossos filmes mais marcantes do ano, foram filmes vistos em Festivais, no circuito comercial ou em sessões antecipadas com os estúdios.

10) Infiltrado no Klan (Drama, direção Spike Lee)

Foto: Universal Pictures

Com um retrato de uma sociedade racista, onde valores são disfarçados de preconceitos, Spike Lee consegue fazer um filme super impactante. E mesmo com sua trama tendo como fundo de pano os EUA nos anos 70, o diretor consegue, também, fazer um paralelo interessante com os dias atuais em que os movimentos sociais e raciais que estão cada vez mais presentes.

John David Washington e Adam Drive fazem uma dupla imbatível ao assumir a mesma persona do Detetive Stallworth em que os atores se destacam nesse filme, juntamente com o roteiro de Lee.

9) Benzinho (Drama, direção Gustavo Pizzi)

Imagem relacionada
Foto: Vitrine Filmes

Benzinho consegue explorar as relações familiares, o conceito de maternidade e o cotidiano de uma família brasileira com maestria.

Com destaque para a atriz Karine Teles, essa produção nacional (que deveria ter sido a aposta do Brasil para o Oscar, segundo muitas pessoas, a gente inclusive) mostra com leveza e simplicidade a história de uma família que poderia ser muito bem o retrato de diversas famílias brasileiras.

Benzinho consegue falar de questões familiares importantes, às vezes incomodas, outras divertidas com personagens humanos, complexos e profundos.

Uma jóia do cinema nacional.

8) Podres de Ricos (Comédia, direção Jon M. Chu)

Foto: Warner Bros Picture

A importância social de Podres de Ricos para o cinema mundial é um dos maiores fatores que fazem o filme aparecer na nossa lista!

A produção poderia ser mais uma daquelas comédias água com açúcar que inunda as telas do cinema todos os anos, mas, ao contar a velha história de um casal apaixonado, o filme se apoia no talento de seu elenco totalmente composto por atores de descendência asiática e faz disso o seu maior trunfo!

Constance Wu lidera essa comédia como a encantadora Rachel que viaja até Singapura para conhecer a família do namorado mas o que ela descobre, quando chega por lá, é que Nick (Henry Golding) é herdeiro de uma das maiores fortunas do país.

Assim, Podres De Ricos, conta uma história universal, divertida e cosmopolita sob o olhar da cultura asiática. A produção ainda reune um elenco super competente formado pelos atores Michele Yeoh, Nico Santos e a talentosa e engraçadíssima Awkwafina!

7) Hereditário (Suspense, direção Ari Aster)

Foto: Diamond Filmes

Hereditário após estrear no Festival de Sundance esse ano foi cercado de um hype e um boca a boca gigante. E não foi por menos, toda a ambientação escura, o sentimento de paranoia e a rica (porém extensa) mitologia apresentada por Ari Aster se juntam com a marcante atuação da talentosa Toni Colette para criar um filme daqueles que não saem da sua cabeça.

Hereditário ainda consegue navegar entre o terror e o suspense de uma forma super interessante, onde a produção, deixa quem o assiste impactado com soluções apresentadas para resolver os principais mistérios do filme.

2018 foi um bom ano para o gênero e Hereditário, com certeza, teve um grande papel nisso.

6) Nasce Uma Estrela (Drama, direção Bradley Cooper)

Foto: Warner Bros Pictures

Em sua nova releitura Nasce Uma Estrela tem na química e na atuação de seus protagonistas um de seus maiores destaques!

Bradley Cooper se entrega como Jackson, um cantor com vários problemas que vê sua carreira desmoronar. Junto com ele, temos Ally (Lady Gaga) como uma cantora que ainda luta para encontrar sua voz no meio de várias outras vozes. Assim, vemos a evolução da relação entre os dois se mesclaram com a evolução (e queda!) da carreira musical de ambos.

A trilha sonora marcante, com destaque para as músicas Shallow e Maybe It’s Time, são cantadas e performadas com muita dedicação do casal.

A forma como elas se conectam com a trama, faz com que Nasce Uma Estrela acabe por ser uma produção bastante emotiva e reflexiva!

5) Homem-Aranha No AranhaVerso (Animação, direção Peter Ramsey, Bob Persichetti, Rodney Rothman)

Foto: Sony Pictures

Homem-Aranha No AranhaVerso nos encanta com seu visual magnético, vivo e vibrante, mas também, pelo fato de apresentar uma nova versão do Homem-Aranha, Miles Morales, um jovem e negro. Assim, essa animação acaba por ser extremamente importante num mundo onde a palavra diversidade foi dita e repetida tantas vezes em 2018.

Com um humor leve e apoiado no conceito do multi-universo, Homem-Aranha No AranhaVerso explora várias versões do conhecido personagem e acerta ao fugir de focar no clássico Peter Parker e se destaca ao mostrar histórias sobre os aranhas espalhados por aí.

A produção combina detalhes visuais vistos em histórias em quadrinhos com animações tradicionais e ainda consegue entregar uma boa história de amadurecimento para Miles Morales.

Personagens carismáticos, piadas bem construídas e cores e mais cores que invadem a tela, fazem de Homem-Aranha No AranaVerso um dos destaques de 2018, num ano muito bom para as animações de maneira geral.

Aquele filme imperdível. Estreia em 10/01 no circuito comercial.

4) A Favorita (Drama, direção Yorgos Lanthimos)

Foto: 20th Century FOX

A Favorita podemos dizer que é o novo surto cinematográfico do polêmico diretor Yorgos Lanthimos!

Junto com um roteiro que aborda as questões que envolvem e unem suas protagonistas, Lanthimos cria uma atmosfera particular para contar devaneios palacianos. Liderados por uma excelente Olivia Colman,que rouba todas as cenas, A Favorita ganha também o espectador pelos figurinos de época, pelo ritmo da câmera que tenta englobar a maior parte da história no seu cenário, e claro, pelo jogo de gato e rato entre as personagens das talentosas atrizes Emma Stone e Rachel Weisz!

A Favorita acaba por ser um dos nossos favoritos no ano por sua excentricidade e singularidade.

Visto na Mostra de SP em Outubro, estreia em 24/01 no circuito comercial.

3) Buscando…. (Suspense, direção Aneesh Chaganty)

Foto: Sony Pictures

Buscando… além de nos entregar um filme com um ritmo completamente alucinante, ainda se destaca por conta de sua história que é mostrada, totalmente, através das telas dispositivos eletrônicos usados pelos personagens no longa.

O filme usa o talento de John Cho, Michelle La e Debra Messing para fazer um filme com uma trama cheia de reviravoltas impressionantes.

Além disso, o roteiro de Buscando… ainda flerta com uma crítica social poderosa sobre as relações humanas em época de redes sociais em estamos cada vez mais mais e conectados na busca(ndo) de interações virtuais.

2) Um Lugar Silencioso (Suspense, direção John Krasinski)

Foto: Paramount Pictures

Visto de uma maneira apropriada, em total silencio, Um Lugar Silencioso acaba por ser uma experiência angustiante e completamente eficaz na sua proposta.

A história do casal que sobrevive num mundo apocalíptico, onde, nem eles nem os filhos, podem fazer nenhum barulho para sobreviver de entidades que atacam a qualquer movimento e sons, deixam essa produção como uma das melhores coisas no ano.

Um Lugar Silencioso consegue, também, explorar as relações familiares desse grupo de pessoas que lutam para viver e sobreviver nesse futuro. As situações extremas, os desafios e as questões do dia-a-dia comuns e banais ficam amplificadas nesse drama que é em alto e bom uma das produções mais interessantes e bem feitas do ano!

1. Roma (Drama, direção Alfonso Cuáron)

Foto: Netflix

Cuáron consegue em Roma contar numa história relativamente simples e acerta, com quase perfeição, ao expor as relações de trabalho e da sociedade num drama incrível.

Exibido todo em preto e branco, Roma, consegue em seu charme ser uma encantadora jornada para se acompanhar. Cheio de simbolismos e com uma simplicidade sem ser pobremente desenvolvida, Roma é um ode para a força feminina, o amor maternal e as complexas relações humanas.

Com Roma, Cuáron ainda fez o mercado cinematográfico em 2018, debater e discutir questões importantes sobre o futuro do cinema, novas e velhas mídias num ano marcado pela “cinematização” dos serviços de streaming que coloca em cheque a força do cinema nos dias atuais.

E para você? Qual foi sua lista de filme mais marcantes em 2018? Comentem aqui ou nas nossas redes socais.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales