Entrevistas Filmes Notícias 

Em entrevista, Jon M. Chu diz que um monte de cenas ficaram de fora do corte final de Em Um Bairro de Nova York

O diretor americano Jon M. Chu já está em Hollywood há algum tempo… você provavelmente já deve ter visto um longa dele…. Chu é responsável pelos filmes, Ela Dança, Eu Danço 2 (2008), G.I. Joe: Retaliação (2013) e Truque de Mestre: O 2º Ato (2016)… mas aposto que você só foi tomar consciência dele em 2018 com Crazy Rich Asians (que chegou no Brasil com o título de Podres de Ricos) que foi um sucesso instantâneo de público e crítica.

E Chu agora comanda a adaptação da peça In The Heights em filme. Em Um Bairro de Nova York chega ao Brasil na quinta-feira e em entrevista ao Arroba Nerd, o diretor comenta como foi trabalhar no projeto, os desafios, e tudo mais.

How Jon Chus In the Heights Bet on the Big Screen and Won
Foto: WARNER BROS/EVERETT COLLECTION.

Em uma outra entrevista, com a revista Variety, Chu comentou que o filme Podres de Ricos deu a ele a confiança de chegar em um sala cheia de executivos e falar: “Nós temos que gastar mais tempo e dinheiro para encontrar os atores certos. Não vamos encontrar os atores que queremos através de agências… Agências não representam eles, pois não existem papéis para eles”.

E Chu comenta sobre essa falta de oportunidades que uma parcela da comunidade artística sofre sobre a falta de representatividade em telas e fora delas. Ele diz: “Eu fico feliz que eu fiz Podres de Ricos primeiro e provei que existe sim uma audiência para esse tipo de filme e não precisamos de um grande artista ou um nome conhecido… Eles não são conhecidos por que o sistema não permite que eles sejam conhecidos, não existem oportunidades para eles. E para Em Um Bairro de Nova York nós sabíamos que seria a mesma coisa e que nós precisaríamos encontrar essas estrelas, quem seria a próxima geração, como seria esse próximo ator principal, ou como essa próxima atriz principal se pareceria, e o quão versáteis eles seriam”.

Lin-Manuel Miranda fala sobre os desafios de lançar Em Um Bairro de Nova York e os 13 anos que levaram para isso acontecer

Sobre o processo de escolha desses atores, o diretor comenta: “Eles precisam atuar e precisam também cantar e dançar de uma forma tão natural que a audiência não perceba que eles tão atuando enquanto fazem isso porque isso faz parte da maneira como eles [em seus personagens] se expressam… É isso que procurávamos”.

Chu finaliza: “A música é tão verdadeira que não poderíamos deixar eles só atuarem… nós íamos estar nas ruas de Washington Heights e ia parecer ridículo se eles do nada começassem a dançar… então essa busca vem de querermos mostrar essa necessidade natural deles de se expressarem na sua própria língua…”.

Em Um Bairro de Nova York | Crítica: Empolgante, adaptação do musical entrega um filme apaixonante

Sobre os atores principais escolhidos, Chu comenta um pouco sobre a escalação de Anthony Ramos (esteve em Hamilton e trabalhou em Nasce Uma Estrela ao lado de Lady Gaga), Melissa Barrera (da série Club de Cuervos), Leslie Grace (em seu primeiro filme) e Corey Hawkins (da série 24: Legacy). 

“Eu e Anthony Ramos sentamos para conversar um dia em um café choramos ao falarmos de nossas infâncias e foi o que deu para ele esse papel… nós não colocamos ele apenas no filme e sim fizemos o filme girar em torno dele. Melissa, meu deus do céu, essa mulher é uma guerreira, ela parece ser essa mulher apenas delicada e bonita, mas ela é uma lutadora feroz. O mesmo com Leslie, foi o primeiro filme dela, ela não vai desistir, ela tem muita luz e ela e Corey estão muito bons juntos. Eu sabia que tinha alguma coisa muito especial com esse elenco e também gastámos muito mais dinheiro na busca por eles”.

E Em Um Bairro de Nova York, assim como uma peça de teatro, tem quase 2h30. Perguntamos para Chu sobre o quanto de cenas deletadas ele tinha guardadas e quanto de material bruto a gente não viu no filme.

“Já podemos começar um #ReleaseJonMChuCut no Twitter”, brinquei.

O diretor comenta de forma bem humorada:  “Em primeiro lugar, você sabe, não posso falar muito sobre quanto tempo nosso primeiro corte tinha… talvez…  um pouco mais de três horas… Temos muitas cenas deletadas? Sim, temos muitas. Temos cenas muito boas que deixam meu coração triste [de ter cortado], mas nós sabíamos que precisaríamos cortar alguma coisa. Até mesmo agora ele é um pouco longo, mas toda vez que tiramos alguma coisa parecia um filme completamente diferente, ele não parecia aquela coisa especial, com aquele tempero especial… A gente precisava dar espaço e tempo [para esse personagens].. Enfim, temos muitas cenas extras, e não só depende de mim, para quando vamos ver a Versão Estendida de Jon. M. Chu, mas seria incrível”.

ELENCO DE EM UM BAIRRO DE NOVA YORK ESTAMPA CARTAZES INDIVIDUAIS DE PERSONAGENS DO FILME

E a produção do filme até foi rápida, comparado a outros tipos de filmes, afirma ele também. “Nós gravamos, durante uns 50, 53 dias… e gravamos no bairro real, não em um estúdio. Foram grandes números musicais que precisamos deixar todo mundo seguro, afinal, estávamos em Nova York e ninguém lá respeita os cones... foi difícil, muito calor, e choveu muito também…”.

“Para a cena da piscina, nós tivemos aproximadamente umas 500, 600 pessoas, vários salva-vidas, diversas toalhas para deixar todo mundo seco, bombeiros, foi tudo um grande desafio logístico”, ele diz.

Chu completa: “Então em algum momento eu tive que entrar na água com nossos dançarinos porque estava muito frio. Caso contrário, eles poderiam simplesmente ter me abandonado. Mas o maior desafio para mim foi encontrar a verdade. Como fazemos um musical, que parece honesto, que parece que essas músicas estão falando, direto do coração desses personagens”.

As luzes se acendem em Washington Heights… O cheirinho de um cafecito caliente paira no ar, na saída da estação de metrô da Rua 181, onde um caleidoscópio de sonhos mobiliza essa comunidade vibrante e muito unida. No meio de tudo, temos o querido e magnético dono de uma mercearia, Usnavi (Anthony Ramos), que economiza cada centavo do seu dia de trabalho enquanto torce, imagina e canta sobre uma vida melhor.

Em Um Bairro de Nova York une a música e as letras cinematográficas de Lin-Manuel Miranda com olhar autêntico e vívido do diretor John M. Chu, para contar histórias e capturar um mundo tão único, mas universal em sua própria experiência.

Em Um Bairro de Nova York chega em 17 de Junho de 2021.