Netflix culpa concorrência e compartilhamento de senha por baixo desempenho de crescimento

Passado o primeiro trimestre de 2022, chegou a vez das empresas de entretenimento divulgarem suas informações fiscais para o período Q1 2022 (Janeiro, Fevereiro, Março). E bem, as da Netflix não são muito boas para a plataforma.

Com os dados divulgados hoje (19) em reunião para investidores fica claro que a Netflix tem alguns desafios para os próximos trimestres.

Os resultados e projeções que a empresa anunciou hoje mostra que o crescimento da receita da empresa “desacelerou consideravelmente”. Ou seja, a plataforma não conseguiu atingir os números planejados para o trimestre. A expectativa era que a empresa ganhasse 2 milhões de usuários no período, de acordo com os dados, a plataforma só não deixou de ganhar com perdeu usuários.

A plataforma até diz que os títulos da Netflix “são muito populares globalmente”, mas cita alguns fatores que impediram a empresa de atingir suas metas. Entre eles, a concorrência, e “um grande número de domicílios que compartilham contas”.

Com quase 222 milhões de usuários globais pagantes, a plataforma estima que mais de 100 milhões de “residências/pessoas” compartilham suas senhas. Ou seja, grupos de pessoas que em vez de cada um terem sua própria conta, dividem a assinatura com outras pessoas.

A plataforma também culpa a competição, seja a TV tradicional, ou até mesmo YouTube, a Amazon ou o Hulu (nos EUA) que aumentou nos últimos anos. A plataforma cita que nos últimos 3 anos viu empresas tradicionais lançarem seus serviços de streaming.

O crescimento em mercados com pouca infraestutura serve como um empecilho e um desafio para a plataforma. E ainda, a plataforma cita outros “fatores macro” que impossibilitaram o aumento na base de assinantes no trimestre: como a economia, o aumento da inflação, e eventos geopolíticos (como a invasão da Ucrânia pela Rússia), e claro, ainda fatores relacionados ao COVID.

Em janeiro, a plataforma anunciou que tinha, globalmente, 221, 84 milhões de assinantes no final do ano. No primeiro trimestre de 2022, a plataforma anunciou ter perdido aproximadamente 200 mil assinantes e conta agora com 221, 64 milhões de usuários globais.

Um aumento de 6, 7% em relação ao ano passado no mesmo período. A projeção é que para o Q2 de 2022 (os meses de Abril, Maio e Junho) a perda deva ser de novos 2 milhões de usuários e deva ficar na faixa de 219, 64 milhões de assinantes globais.

Os destaques do período do Q1 2022 (terminou em 31 de março) ficaram com Bridgerton (627 milhões de horas vistas na temporada 2) que se tornou a série mais vista (de lingua inglesa da plataforma), a minissérie Inventing Anna (512 milhões de horas vistas nas primeiras 4 semanas) e All Of Us Are Dead (561 milhões de horas vistas nas primeiras 4 semanas).

As duas primeiras são produções da Shondaland da produtora Shonda Rhimes. Já na parte dos filmes, os destaques no trimestre foram O Golpista do Tinder (166 milhões de horas vistas) e O Projeto Adam (233 milhões de horas vistas).

Para os próximos meses, a ideia é aumentar a produção de conteúdo, focar em produções internacionais, e tentar monetizar com o compartilhamento de senhas (leia mais abaixo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.