Entrevistas Filmes 

Bate-papo com Will Smith, Venus e Serena Williams sobre King Richard: Criando Campeãs

O Arroba Nerd foi convidado pela Warner Bros para participar de um evento virtual para o lançamento do drama King Richard: Criando Campeãs que chega nos cinemas nacionais em Dezembro.

Na primeira de uma série de matérias, o site esteve na presença de Will Smith, do diretor Reinaldo Marcus Green, do roteirista Zach Baylin, das atrizes Aunjanue Ellis, Saniyya Sidney e Demi Singleton e claro das jogadoras Venus e Serena Williams.

Quem é quem em King Richard: Criando Campeãs, o filme estrelado por Will Smith

Perguntadas pela moderadora do evento, quais emoções elas estavam sentindo naquele momento, no início de Novembro na divulgação do lançamento do filme nos EUA, em ver a jornada da família delas serem contadas nas telonas e o pai de vocês sendo interpretado por ninguém mais ninguém menos que Will Smith.

Venus comentou: “É super emocionante, eu vi o trailer, eu li o roteiro e toda vez meus olhos enchem de lágrimas. Eu acho que foi incrível ver a atmosfera familiar no set de filmagens e o quanto Demi [Singleton que interpreta Serena] e Saniyya [Sidney que interpreta Venus] realmente pareciam comigo e com a Serena…e até mesmo enquanto as câmeras não estavam gravando… tipo elas seguravam as mãos e tudo mais. Era muito fofo.”

Ela diz: “Estou muito orgulhosa de tudo e do que todo mundo conseguiu fazer… é muito surreal para ser honesta. [Os produtores, roteiristas e atores] realmente entenderam como era nossa família e nos retratam de uma forma que era realmente a gente e eu estou muito orgulhosa.”

Já Serena diz: “Nenhuma palavra descreve melhor do que surreal… só de ver essas atrizes incríveis e todo mundo envolvido para fazer dar certo e contar essa jornada do meu pai… foi muito surreal. E ter Will [Smith] interpretando esse papel do pai e a forma como ele incorporou Richard Williams, apenas alçou o filme para um novo nível… é tão emocionante, tão bem feito, é um trabalho brilhante….”

Venus finaliza: “Cada pessoa sentada aqui e na tv [o diretor Reinaldo Marcos Green e o ator Jon Bernthal estavam via zoom no evento] trabalhou tão duro para tornar isso uma realidade, e eles realmente se preocuparam em contar a uma história que era autêntica e não apenas uma que fosse como um pouco mais roteirizada ou poderia ser uma mais formulaica para sei lá …. qualquer coisa, então, apenas obrigada. Amo todos vocês.”

King Richard: Criando Campeãs | Crítica: Longa sobre o pai das tenistas Serena e Venus Williams é o match point na carreira de Will Smith.

Foto: Warner Bros. Pictures

E o ator Will Smith, que boa parte da imprensa americana já diz estar na lista de indicado para o Oscar de Melhor Ator, também comentou o que te atraiu para o papel de Richard Williams e como foi fazer esse filme que ele já queria fazer há um bom tempo.

Ele comenta: “Teve uma entrevista que Venus deu [com uns 13,14 anos afirma a jogadora], e é uma entrevista famosa onde Richard Williams surta com o repórter… (…) e eu vi isso em tempo real e o olhar dela ficou preso no meu coração pois era a forma que eu queria que a minha filha me olhasse e essa entrevista realmente mudou minha abordagem em ser pai.

Smith diz também: “O olhar no rosto de Venus era como se ela tivesse um leão, ela estava tão confiante e tão confortável que o leão dela não ia deixar qualquer coisa acontecer com ela… eu me apaixonei pela figura de Richard Williams e isso foi sei lá, uns 20 anos atrás, e quando a oportunidade de participar desse projeto veio, isso foi a primeira coisa que eu lembrei… eu sabia que queria mostrar um pai protegendo sua filha do mundo…”

​​Ainda sobre Will Smith e interpretar a figura de Richard, o ator afirma: “Como ator quando eu aceito um papel eu também quero explorar e aprender alguma coisa e para mim [ver como Richard criava as filhas] era uma ideia nova… se aliar com seus filhos versus mandar nos seus filhos… é um conceito muito muito diferente e uma abordagem quase magica na família Williams, onde as regras eram criadas, as regras eram estabelecidas e eram quase regras divinas como se a fé estivesse no centro e tínhamos essa jornada coletiva acontecendo… como pai não era uma coisa no estilo: eu sei e você não, e você vai fazer o que eu dizer por que eu estou certo e você é criança…”

Ele finaliza: Ele diz: “Era uma abordagem diferente… e para mim foi muito reveladora. Lá em casa, meu pai era do exército… então era tudo muito diferente. Quando eu crescia, as crianças não tinham o poder de votar… você faz o que te mandado fazer, você faz o que estabelecem para você fazer e ponto final. Aqui [no filme] a abordagem é muito diferente.” 

Perguntado sobre quais memórias ele leva da produção e da época de fazer o filme, Smith revelou: “Quando eu entro em um set desse é como se fosse minha responsabilidade, é minha família, é minha equipe, são minhas pessoas… é o meu lugar. Foi uma coisa muito linda de se assistir… com Aunjanue, onde temos a cena na cozinha, nós não achamos o tom para ela, tipo um dia antes de gravarmos, e Aunjanue foi tão confiante…. foi tipo “ah não, um pouco mais de intensidade e etc…” e foi tipo no dia anterior que conseguimos encontrar. Eu amei essa troca, eu amei ser capaz de ajudar, e de fazer parte nesse tipo de criação da forma com que esses empurrões e essa autenticidade. Todo mundo desse grupo (…) é incrível e foi uma honra absolutamente e um prazer enorme trazer essa representação para o mundo. Obrigado pelos momentos difíceis, obrigado pelo trabalho duro e obrigado [Serena e Venus] por serem essa inspirações para o mundo.”

Motivado por uma visão clara do futuro de suas filhas, empregando métodos próprios e nada convencionais de treinamento, Richard tem um plano detalhado para levar Venus e Serena Williams, das ruas de Compton, na Califórnia, para as quadras de todo o mundo, como lendas vivas do tênis. Profundamente comovente, o filme retrata a importância da família, da perseverança e da fé inabalável como instrumentos para alcançar o impossível e transformar o mundo.

King Richard: Criando Campeãs chega em 2 de Dezembro nos cinemas nacionais.