Marvel – Punho de Ferro | Primeiras Impressões da 2ª Temporada

Marvel – Punho de Ferro foi uma produção polêmica para a Netflix quando sua primeira temporada foi lançada. A série foi bastante criticada por diversos fatores, desde de seus problemas de bastidores até por conta de seu roteiro ser mais fraco do que comparado com as outras produções do serviço de streaming em parceria com a Marvel.

Mas a série foi renovada para um novo ano lá na SDCC do ano passado onde a Netflix prometeu mudanças. A produção ganhou um novo showrunner (aquela pessoa que comanda a série), Raven Metzner, e parece que os produtores tiveram tempo para acertar alguns detalhes tanto na parte das lutas quanto em como iriam abordar o personagem.

No primeiro ano, o Danny Rand de Finn Jones parecia ser sério demais e o ator queria demostrar uma dramaticidade para seu personagem que não colava, a série como um todo também passava um ar de seriedade estranha, tentava ser sombria e misteriosa o que deixava tudo um pouco caricato e cansativo demais. Mas no que pudemos ver nesses primeiros episódios da 2ª temporada é que sim Marvel – Punho de Ferro melhorou. Um pouco. Na medida do possível. Sem spoilers falamos sobre o novo ano aqui.

Sobre um de seus principais problemas, a questão das lutas e cenas de ação, isso foi resolvido com a contratação de um coordenador experiente do mercado (você pode saber mais aqui). Já nos dois primeiros episódios (vimos 6 num total) temos passagens com confrontos que já valem pela primeira temporada como um todo, onde as lutas ficam mais corporais, violentas e menos coreografadas. E na questão de roteiro, pelo menos nesses episódios iniciais, a trama fica mais pé no chão e realista mesmo que ainda não chegue ao nível de cuidado aos detalhes como Marvel – Demolidor e Marvel – Jessica Jones.

Um dos erros da primeira temporada era que a Organização do Tentáculo era muito fantasiosa e não era um inimigo certo com rosto. Era tudo muito vago. Era como se Danny Rand enfrentasse o ar, afinal demorou para colocarmos um rosto (ou rostos) no que era a principal ameaça para o personagem.

Nesse segundo ano já somos introduzidos rapidamente ao que Danny e Colleen Wing (Jessica Henwick) vão enfrentar. O casal precisa defender ChinaTown e já conhecemos os líderes da mafia que comandam o bairro, tudo já é mostrado de cara. O que deixa a série com outro ritmo.

Foto: Marvel / Netflix

Marvel – Punho de Ferro, pelo menos nesses primeiros episódios, fica mais local e menos globalizada, é como se a Netflix/Marvel pegasse o deu certo em Marvel – Luke Cage com o herói lidando com questões do dia-a-dia do bairro e com Marvel – Jessica Jones ao introduzir histórias paralelas e personagens coadjuvantes que fazem sentido na trama, mas que não chegam a eclipsar os personagens principais.

Nesse novo ano, parece que um peso sai das costas de Danny e Colleen, que ficam mais leves e mais simpáticos (talvez por conta de avançarem seu relacionamento), temos o retorno de Davos (Sacha Dhawan) e Joy Meechum (Jessica Stroup, ótima) que, sem spoilers, chegam com um plano oculto para a cidade e para Danny, Ward Meachum (Tom Pelphrey) que lida com problemas pessoais e temos também a introdução de uma nova personagem chamada Mary (uma excelente Alice Eve) que carrega um mistério sobre o que ela é e suas habilidades. A série parece que também irá mais a fundo no passado de Danny e de Colleen, onde veremos os dois enfrentarem coisas que deixaram escondidas. Será que eles vão conseguir lidar como tudo isso?

Assim, para esse segundo ano, Marvel – Punho de Ferro tem uma longa jornada e vários dragões para se matar no peito mas pelo menos nesse início de temporada as coisas melhoram para Danny e cia. Vamos ver se o novo showrunner consegue manter esse ritmo e tirar a má fama da série.

Marvel – Punho de Ferro chega em 7 de setembro na Netflix.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales