Destaques Reviews Séries & TV 

Why Women Kill | Crítica 2ª Temporada: Com um elenco sensacional, temporada derrapa em sua trama

O que leva uma pessoa a matar alguém? O que faz essa pessoa corromper sua vida? Este segundo ano de Why Women Kill trouxe algumas questões bem interessantes para serem desenvolvidas, mas pecou no roteiro, além do fato de ter tido uma dinâmica incrível em sua 1ª temporada. A série de Marc Cherry veio com um elenco de peso, mas com um roteiro precisando de mais drama e algo interessante, pecou um pouco…

Nessa 2ª temporada tivemos Allison Tolman, Lana Parrilla, B.K. Cannon, Jordane Christie, Matthew Daddario, Veronica Falcón e Nick Frost, em personagens até interessantes vivendo suas vidas lá nos anos de 1940, e se na 1ª temporada tivemos as interconexões em 3 décadas diferentes, aqui focamos apenas nessa trama, com destaque principal para Alma, de Tolman.

ALERTA DE SPOILER!

Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos da série/filme. Continue a ler por sua conta e risco.

Neste ano de Why Women Kill vemos o drama de Alma, que sonha entrar para o Garden Club de suas vizinhas, mas ela leva uma vida humilde com o marido Bertram (Frost) e sua filha Dee (Cannon), chegando a ser zombada pelas mulheres do clube e pela vizinha Sra. Yost (Rondi Reed). Só que as coisas começam a desandar em sua vida, e ela começa a ficar paranoica com tudo ao seu redor, seja a entrada súbita no clube depois da saída da presidente, ou suas riquezas que começam a surgir depois da morte acidental de Yost.

Rita (Lana) começa a ter sua vida desmoronada depois que cruza no caminho de Alma, principalmente por ela ser casada com um ricaço, e o mesmo ter sua saúde deteriorada e assim ver seu amante Scooter (Daddario) saindo com outra, e ainda mais gorda que ela, a jovem Dee. A vida de todos estão cruzadas em relações absurdas e tudo piora com a sede de Rita aumentando, uma vez que ela precisa do marido morto, mas só piora com a chegada da filha dele, Catherine (Falcón), que até seu amante lhe toma.

Todas as coincidências que vão surgindo aumenta o desejo de entender mais da trama de Why Women Kill, mas infelizmente ela cai para alguns momentos bem clichês e não traz muitas surpresas depois que somos revelados que Bertram mata várias pessoas que estão a beira da morte para lhes dar uma passagem mais tranquila. Se focassem ainda mais nisso e em como Alma acaba pegando o desejo de matar para si, pois para ir longe ela precisará tirar as pedras do caminho, a série teria um clima bem mais Dexter, só que Alma se perde no deslumbre e fica cega e surda para as pessoas ao seu redor e apenas foca em seu ponto alto, o sucesso.

Personagens menores aparecem, mas senti uma falta de melhor desenvolvimento, Dee que estava com Scooter acaba começando a sair com Vern (Christie), o investigador de Rita, e ambos acabam focando na relação que possuem. Scooter troca rapidamente Rita por Catherine, mas seu coração é de Dee. Isabel e o mistério de sua relação com Rita é bem explicado na trama, mas não vai muito longe.

Por mais que tenha um elenco primoroso, a trama deste ano de Why Women Kill não me conquistou como a da temporada anterior. Lógico que a série tem todos os seus méritos acima disso, como o foco em mulheres tão poderosas e cheias de decisão, além de uma fotografia e cenografia perfeitas, mas só isso não conduz as coisas.

Avaliação: 2.5 de 5.

Why Women Kill está disponível no Brasil pelo Globoplay com o título Por Que as Mulheres Matam.