Destaques Reviews Séries & TV 

The Politician | Crítica da 2ª Temporada

Exagerada e divertida, The Politician retorna com uma nova eleição, novos personagens, e com a boa e velha política traiçoeira de sempre.

Payton Hobart (Ben Platt, ótimo) e sua gangue estão de volta para uma nova temporada, novos antagonistas, e claro novos desafios. E o texto do segundo ano The Politician retorna ainda mais afiado que lá na primeira temporada, afinal, agora, Payton está numa disputa real para um cargo político e com oponentes mais experientes e que estão por aí há muitos anos.

A 2ª temporada começa momentos depois da trama que foi apresentada lá no finalzinho do último episódio do ano 1 e que introduziu a Senadora Dede Standish, e a sua chefe de campanha Hadassah Gold como as novas oponentes de Payton em um nova eleição.

E a melhor coisa que The Politician fez foi colocar Judith Light e Bette Midler juntas com um texto maravilhoso de se acompanhar onde as duas esbanjam um enorme talento. No novo ano elas literalmente roubam todas as cenas, estão incrivelmente diabólicas juntas, e mostram que política nunca foi tão sexy e atual como antes.

The Politician (2019)

Em The Politician, a velha e traiçoeira política é posta em xeque quando Payton decide trabalhar exclusivamente em sua campanha para a vaga de Standish no Senado estadual e que irá representar o estado de Nova York. Assim, o jovem político em ascensão precisa aprender a entrar no jogo político, atrair o eleitorado, e claro, desviar da ameaças que a dupla de veteranas fazem para se manter no cargo.

Aqui, as artimanhas políticas, os segredos escondidos no armário, e o polêmico relacionamento a três da senadora é exposto, mas os roteiros de The Politician, escritos pelo trio Ian Brennan, Brad Falchuk e Ryan Murphy, vão além e deixam a história do segundo ano ainda mais exagerada, mas sem perder o seu tom divertido visto no primeiro ano. Assim, a nova temporada não perde tempo para alfinetar o cenário político americano que está nas vésperas de uma nova eleição presidencial na vida real.

A campanha tanto de Payton quando de Standish não são limpas, e ambos têm seus cartas nas mangas de seus figurinos coloridos e extravagantes que seus personagens desfilam e que retornam para o segundo ano como um dos destaques. Os ternos justos, o cabelo meticulosamente bem penteando, e as calças bem cortadas de Payton agora contrastam com a caótica cidade de Nova York e não mais os corredores da escola de Califórnia visto do primeiro ano. Seus colegas de equipe McAfee (Laura Dreyfuss) com seu óculos no estilo Gloria Steinem, James (Theo Germaine), e Skye (Rahne Jones) também abusam de figurinos marcantes, ganham uma trama própria, e fazem de tudo para o chefe sair vencedor.

O mesmo vale para a dupla Alice (Julia Schlaepfer) e Astrid (Lucy Boyton) que repetem os figurinos mais malucos no novo ano, com as tramas que envolvem sexo sexual, bebês, e ainda fuga para uma fazenda/culto. Como falamos, The Politician retorna ainda mais maluca, sem deixar sua essência para trás.

Boa parte dos personagens retornam também, alguns ganham novas tramas, mesmo que outros estão ali apenas pra cumprir tabela e garantir que a trama flua e consiga incluir seus atores de volta como é o caso de Infinity (Zoey Deutch) que após se liberar do relacionamento abusivo que vivia com sua avó, agora é uma líder ativista para os direitos ambientais e Georgina Hobart (Gwyneth Paltrow) que está de volta, ainda mais avoada do nunca, mas se apoia em sua popularidade, e concorre também para o governo da Califórnia em paralelo com as eleições do filho.

Payton continua na sua busca para se encontrar como pessoa, e claro, o tipo de politico que quer ser. E Ben Platt, continua a entregar uma presença carismática, e agradável de se ver em tela, e novamente está muito bem no papel, e se faz por merecer sua indicação no Globo de Ouro pela primeira temporada. E graças ao roteiro, Platt consegue trabalhar melhor com as nuanças que Payton exige agora mais velho, afinal, as ameaças são mto maiores para ele, e o prêmio também é muito mais cobiçado que apenas ser Presidente do Grêmio estudantil.

Bette Midler and Judith Light in The Politician (2019)
The Politician | Crítica da 2ª temporada
Foto: Netflix

E além das eleições, The Politician ainda fala sobre a cultura do cancelamento no ótimo episódio 2×03 – Cancel Culture e ainda faz um episódio com o ponto de vista dos eleitores, uma mãe e filha com opiniões opostas no outro destaque do novo ano que fica com o episódio 2×05 –The Voters. O último episódio, o divertido 2×07 – Election Day, ainda abre as portas para o novo ano que Ryan Murphy diz ser a última, mas que conclui a temporada de uma forma bastante honesta para aquilo que a série sempre se propôs a fazer: mostrar os acontecimentos, e os altos e baixos, da carreira política de um político.

The Politician faz um olhar ácido e sarcástico sobre o eleitorado americano, e como a política tem influenciado os jovens, famílias e relacionamentos que ficam cada vez mais polarizados em ideias e candidatos e ideias. A atuação de Ben Platt continua um dos grandes destaques do novo ano que fica ainda mais atrativo de se assistir com as presenças monstruosas de duas atrizes talentosas como Light e Midler que dão um certo refinamento que a série precisava.

No final, The Politician retorna ainda melhor, mais maluca, e espirituosa, nós prometemos (de novo!)

As duas temporadas de The Politician estão disponíveis na Netflix.

Postagens relacionadas