Críticas Destaques Filmes 

O Grande Ivan | Crítica: Uma aventura com animais falantes colorida e apaixonante

O Grande Ivan (The One And Only Ivan, 2020) foi um daqueles filmes que teriam um lançamento nos cinemas, mas que por conta da pandemia do coronavírus foram parar no streaming. O que aqui fica claro ser o melhor destino para o longa sim. Lá nos EUA, o filme chegou em Agosto do ano passado, e aqui no Brasil chega agora no começo de 2021 com a plataforma da Disney já rodando há alguns meses na região.

E a adaptação de uma história que aconteceu de verdade mesmo, e depois contada no livro de Katherine Applegate, entrega uma aventura com animais falantes colorida e apaixonante. Eu particularmente não conhecia a história do livro, então para mim, tudo foi uma grande novidade, e aliado com a magia da Disney, claro me emocionei com a trama sim. E com tudo isso, O Grande Ivan também tem um elenco incrível de vozes que ajudam a contar essa história que ao mesmo tempo foca nos animais, tanto quanto, nos personagens humanos.

O Grande Ivan realmente, e de verdade, faz um grande filme com a marca Disney. Tem cara, focinho, e jeitão de produção do estúdio e isso apenas soma pontos para a produção que realmente sofre um pouco com uma falta de ritmo, mas compensa com o carisma de seus personagens, tanto os humanos, quanto os que dão vozes para os personagens animais.

E falando em animais, vejo aqui que em O Grande Ivan tivemos um grande avanço em relação ao O Rei Leão (2019) mesmo que acho que não deu tempo das técnicas e efeitos visuais terem melhorado tanto assim, afinal, os filmes não foram lançados com uma janela tão distante um do outro não. Talvez seja pela história, ou pela pressão ser menor do que um dos grandes clássicos do estúdio, mas aqui os animais falantes não soam tão travados e carregam um tipo de expressão diferente, seja o grande gorila Ivan (voz de Sam Rockwell no original), da elefante Stella (Angelina Jolie), do arisco cachorro Bob (Danny DeVito), do coelho Murphy (Ron Funches), da papagaio Thelma (Phillipa Soo) e da poodle Snickers (voz de Helen Mirren). 

O Grande Ivan | Crítica
Foto: Disney

Aqui todos eles debatem questões sobre o que é um lar, seus passados e suas origens, e claro o futuro, quanto percebem que o local que trabalham começa a atrair menos e menos pessoas a cada dia. Assim, o apresentador das atrações do circo improvisado, no meio de um shopping de beira de estrada, Mack (Bryan Cranston, muito bem e solto para ser ao mesmo tempo espalhafatoso e melancólico) tem uma carta na manga que vai além do grande Ivan, a sua atração principal, que parece não despertar o interesse mais do público como antes. Assim, Mack traz para o lugar a bebê elefante Ruby (Brooklynn Prince) na tentativa de animar um pouco as coisas. 

Quem parece não gostar nada disso é Ivan que vê posto de atração principal ir para a novata. Com a ajuda da jovem Julia (Ariana Greenblatt) a filha de um dos funcionários do local (Ramon Rodriguez), o gorilão Ivan, enquanto lambe suas feridas de não ser o #1 do lugar mais, descobre um novo talento: ele tem o dom de se expressar através desenhos feito com giz de cera. E assim, O Grande Ivan navega pela trama com alguns flashbacks para contar as histórias desses personagens, e como suas ações no passado foram fundamentais para mostrar o motivo que eles estão ali e naquela situação.

Ariana Greenblatt as Julia and Bryan Cranston as Mack in Disney’s THE ONE AND ONLY IVAN, based on the award-winning book by Katherine Applegate and directed by Thea Sharrock. Photo courtesy of Disney. © 2020 Disney Enterprises, Inc. All Rights Reserved.
O Grande Ivan | Crítica
Foto: Disney

Ao mesmo tempo que tenta ser um filme no estilo A Fuga das Galinhas (2000), onde os personagens sonham em estarem num lugar melhor, O Grande Ivan tem um tom mais triste, mesmo tudo acaba por ser contado com um bom humor, e que realmente faz a diferença no filme. Mas ainda sinto que falta uma certa profundidade para contar essa história, mesmo sendo um filme com o foco para crianças, mas a mensagem acaba por ficar clara no final.

Entre a história do passado de Ivan (desde do seu nascimento no Congo até chegar nos EUA) e de Mack (que quase coloca o personagem de Cranston como o vilão do filme), o longa pode não ter a mesma grandiosidade de outras produções em live-action do estúdio para conseguir contar uma ótima história, mas consegue juntar os pequenos pedaços para fazer dar certo, seja com o elenco de vozes talentosas, ou bons efeitos visuais. O Grande Ivan faz uma grata e comovente surpresa, e no final, entrega um bom divertimento e que consegue emocionar aqui e ali.

Avaliação: 3 de 5.

O Grande Ivan chega em 22 de janeiro no Disney+.

Postagens relacionadas