quinta-feira, 22 fevereiro, 2024
Barra R7
InícioFilmesCríticasNoelle | Crítica: Carisma de Anna Kendrick salva o Natal e filme...

Noelle | Crítica: Carisma de Anna Kendrick salva o Natal e filme da Disney com a temática

Parece que foi há anos que reportamos que a atriz Anna Kendrick faria a filha do Papai Noel em um filme para a Disney. Anteriormente chamado de Nicole, e com um lançamento marcado para os cinemas, Noelle (2019) chegou no Disney+ no ano passado no dia do lançamento da plataforma nos EUA. E agora, desembarca no Brasil, na mesma época por aqui.

E para você ver como 1 ano faz diferença, no filme a rede social do momento ainda é o snapchat, e não o tiktok, e o desejo das crianças é um iPad, e não uma Alexa. Mas o que continua igual é o humor afiado de Kendrick que realmente é o grande destaque aqui.

Noelle | Crítica
Foto: Walt Disney Company

E em Noelle, é o carisma de Kendrick, que além de salvar o Natal, salva o filme que patina para conseguir unir a magia dos feriados de final de ano, com a magia que só a Disney consegue fazer. Noelle tem uma ótima ideia, mas uma execução não tão boa assim. É como se encontrássemos uva passas no arroz o tempo todo, sabe? Sinto que o longa realmente só empolga quando vemos as estripulias de Kendrick em tela que até são divertidas e agradáveis de se acompanhar, mas toda a parte do Operação Salvar o Natal ficou um pouco dura e sem muito espírito (só o Natalino mesmo).

Claro, Kendrick rouba todas as cenas, mas achei o longa muito muito raso em algumas coisas e desenvolvimento de personagens e até mesmo de história. Até mesmo se vermos ele com um olhar de ser apenas um filme para criança e etc.

Os atores Bill Hader e Billy Eichner, que repetiram a dobradinha aqui depois de terem trabalhado em O Rei Leão de 2019 e que são normalmente hilários e super engraçados, em Noelle só me apareceram como personagens chatos e irritantes. Nem mesmo a presença magnética de Shirley MacLaine como a ranzinza Elfa Polly ajuda a termos em Noelle um milagre de Natal.

Tudo fica nas costas de Kendrick que realmente faz um trabalho duro para carregar o longa nas costas e dentro de um saco de presentes. Talvez, o roteiro de Marc Lawrence, que também dirige o longa, que seja o grande culpado. Talvez Lawrence não sabia bem como administrar bem as coisas, algumas as passagens do filme, onde o trabalho melhor de edição poderia ter mudado algumas coisas.

Na trama, conhecemos Noelle Kringle (Kendrick) a filha do Papai Noel que tem como função manter o espírito do Natal vivo, enquanto seu irmão mais velho Nick (Hader) recebe a função de ser o novo Papai Noel depois que o pai deles morre. Assim, Nick tem uma grande missão, uma que ele foi treinado a vida toda: Enfrentar seu 1º Natal como o Bom Velinho. Quando, Nick desaparece do Polo Norte na semana antes do Natal, cabe à Noelle tentar salvar as festas e trazer seu irmão de volta.

Noelle | Crítica
Foto: Walt Disney Company

Noelle empolga quando segue a cartilha de Encantada (2007) e de Um Duende em Nova York (2003), e coloca a nossa protagonista no mundo real, sem nunca ter saído do Polo Norte, em viagem para a desértica Phoenix, Arizona, onde ela busca pelo irmão desaparecido com a ajuda do detetive Jake (Kingsley Ben-Adir), seu filho Alex (Maceo Smedley), e da administradora do shopping (Diana Maria Riva), onde ela, a elfa Polly, e as renas pararam seu trenó.

Como falamos, Kendrick acerta nas cenas em que vemos Noelle sofrendo com calor e vai parar dentro de uma geladeira de sorvetes em uma loja, ou sem saber o que é protetor solar, ou que o Papai Noel pode usar usar shorts e ouvir um desaforos na rua. E o filme deveria ter investido mais nisso do que num possível romance entre ela e o detetive, ou ainda na teimosia do irmão em não aceitar seu lugar. Assim, Noelle, Nick e Polly precisam voltar para o Polo Norte e impedir que o primo Gabe (Eicher) transforme a entrega dos presentes em um sistema eletrônico e digitalizado de entregas e que o espírito do Natal se arruinado para sempre.

Noelle tem carisma e chega a ser uma gostosinha aventura de Natal, mas que nunca engata de verdade ou entrega passagens memoráveis para se tornar um clássico para a época, assim como Abracadabra (1993) fez tardiamente com o Dia das Bruxas para o estúdio. No final, em Noelle, Kendrick até faz o seu melhor, mas uma rena sozinha não consegue fazer com que o trenó alce voos mais longos, não é mesmo?

Avaliação: 2.5 de 5.

Noelle disponível no Disney+.

 


Miguel Morales
Miguel Moraleshttp://www.arrobanerd.com.br
Sempre posso ser visto lá no Twitter, onde falo sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema, e claro outras besteiras.  Segue lá: twitter.com/mpmorales

Artigos Relacionados

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba todas as principais notícias e informações em seu email.

Mais Lidas

Zendaya está de olho na competição no novo trailer do drama Rivais

Zendaya está de olho na competição no novo trailer do drama Rivais que chega nos cinemas em Abril.

Novo Twister ganha data de estreia para 2024

Últimas

The Good Doctor | Review: 7×01 – Baby, Baby, Baby

Bem-vindo ao San Jose St. Bonaventure Hospital! The Good Doctor finalmente retornou, mas infelizmente é para sua última temporada, encerrando assim a jornada de...
Try Apple TV