Destaques Reviews Séries & TV 

Little Fires Everywhere | Crítica da Temporada

Pequenos Segredos Por Toda Parte. Little Fires Everywhere já começa com uma marcante cena que mostra um grande incêndio que cerca e consome uma mansão, onde temos a personagem interpretada pela atriz Reese Witherspoon parada, desolada, em sua frente.

E esse é apenas o começo da história com 8 episódios que chega no Brasil pela Amazon Prime Video. Little Fires Everywhere volta alguns meses para explicar para o espectador o que levou a casa de Elena Richardson (Witherspoon), e sua família, a ser consumida pelas chamas, e claro, para mostrar quem é o responsável pelo ato. 

Adaptada do livro da autora Celeste Ng com mesmo nome, a série parece estar muito mais preocupada em nos contar o motivo, o como?, do muito mais do que apenas mostrar o quem? E é isso que Little Fires Everywhere faz no decorrer dos minutos de seu primeiro episódio, e claro, nos próximos capítulos, entregar uma história incrivelmente bem feita e contada.

Kerry Washington and Lexi Underwood in The Spark (2020)
Little Fires Everywhere | Crítica da Temporada
Foto: Hulu

Desde seu começo Little Fires Everywhere entrega uma poderosa história sobre maternidade, amor, e descaso, e indiferença pelo próximo, onde temos aqui uma das mais intensas, e das mais caprichadas produções lançadas em 2020, com atuações marcantes, e memoráveis de quase todos os nomes do elenco.

Lideradas por duas atrizes para lá de competentes, em Little Fires Everywhere Reese Witherspoon e Kerry Washington incendeiam a tela ao longo dos episódios, e proporcionam para o espectador as melhores discussões entre duas personagens até então. Dramática e envolvente, Little Fires Everywhere faz um olhar minucioso sobre racismo, o papel da figura da mãe, e também da mulher na sociedade. E mesmo com a trama se passando nos anos 90, Little Fires Everywhere toca em assuntos importantes, continua atual e debate questões para lá de sérias e espinhosas. Toda caracterização de época, desde dos figurinos, dos cabelos, e tudo mais, apenas consegue deixar a qualidade que essa minissérie entrega lá em cima.

Fora isso, a trilha sonora de Little Fires Everywhere foi escolhida a dedo para conseguir contar essa história de mulheres tão diferentes, e que apenas lutam para defender seus filhos com unhas de dentes, cada uma de sua maneira. Little Fires Everywhere se pudesse ser definida em uma frase seria “a grama do vizinho parece ser mais verde.”. 

Ao longo de seus episódios, Little Fires Everywhere parece apresentar as decisões e as motivações das personagens de forma que o espectador acabe por criar uma certa empatia com o que todas elas passam. Seus conflitos, suas maiores dúvidas e incertezas sobre seus lugares no mundo, e como o mundo as trata, e isso fica claro desde das personagens adultas, quanto das personagens adolescentes de Lexie Richardson (Jade Pettyjohn), filha mais velha de Elena, e Pearl (Lexi Underwood) filha de Mia, que vem de lugares, e criações completamente opostas, e que querem conhecer mais do que aquilo que suas mães as apresentou.

A série pode soar um pouco novelesca demais, tem todos os motivos para isso, mas também se aprofunda em caracterizar esses personagens e justificar suas escolhas narrativas. Os roteiros falam sobre medo de colocar um filho no mundo; como às vezes, alguns segredos podem corroer a pessoa por dentro; e o poder que as palavras tem aliadas com ações impulsivas que vemos todos os personagens tomarem na série. 

Little Fires Everywhere consegue aos poucos pintar as figuras dessas personagens que são muito mais do que apresentam, seja a figura perfeita e imaculada de Elena Richardson (Witherspoon) a típica mãe americana, e da artista meio hippie Mia Warren (Washington).

No começo conhecemos essas figuras tão diferentes entre si e como se unem por conta de um certo fascínio que uma secretamente desperta na outra, seus hábitos e histórias de vida tão diferentes, onde Little Fires Everywhere caminha logo depois para desconstruir a visão que temos sobre essas personagens. 

E não só das protagonistas, mas também do marido de Elena, Bill Richardson (Joshua Jackson, incrível) que se vê sufocado pelos caprichos da esposa, da filha caçula rebelde do casal, a jovem Izzy (Megan Scoot) que entrega uma trama paralela interessante, e da colega de trabalho de Mia, a garçonete Bebe Chow (Lu Huang). Aqui, temos figuras que com suas histórias movimentam a explosiva trama que se desenrola.

Picture Perfect (2020)
Little Fires Everywhere | Crítica da Temporada
Foto: Hulu

A série consegue colocar essas figuras completamente opostas entre si, e tirar todas as máscara que elas usam, e que acaba apenas por deixá-las como figuras únicas que, a sua maneira, se importam com seus filhos. Little Fires Everywhere fala sobre o poder da maternidade, e como, o melhor caminho não é necessariamente o caminho certo. Como citado na série, às vezes é preciso criar pequenos incêndios, e começar tudo do zero, onde basicamente é isso o que acontece com boa parte desses personagens.

As tramas individuais de cada um deles começa se intercalar com a chegada de Mia e Pearl na cidade de Shaker Heights, onde Mia esconde da filha um grande segredo, e quando Linda (Rosemarie DeWitt, sensacional no papel) e Mark McCullough (Geoff Stults) decidem adotar uma bebê com descendência asiática que foi deixada na porta de um quartel de bombeiro, e assim, quando a mãe aparece em busca da criança, a pacata cidade racha por conta do acontecimento.

Little Fires Everywhere consegue construir essas pequenas histórias paralelas que vão crescendo ao longo dos episódios e que estão prestes a explodir a cada minuto. Segredos permeiam a série a todo momento, alguns mais perigosos, outros que o espectador acaba facilmente por desvendar ao longo dos episódios. 

Os destaques ficam para os episódios 1×04 – The Spider Web, 1×05 – Duo, e ainda para o final da temporada, 1×07 – Picture Perfect e 1×08 – Find a Way, onde o embate entre Mia e Elena apenas dão as chances para Witherspoon e Washington de brilharam, e mostrarem suas forças para comporem essas personagens extremamente humanas e profundas.

No final, Little Fires Everywhere faz um drama intenso e devastador em muitos sentidos, mas também uma história incrivelmente bem contada que precisava de tempo, no caso 8 episódios, para ser desenvolvida.

Little Fires Everywhere faz uma pequena, e explosiva, parada obrigatória para ser vista nessa quarentena.

Little Fires Everywhere está disponível no Amazon Prime Video.

Postagens relacionadas