Destaques Reviews Séries & TV 

Falcão e o Soldado Invernal | Primeiras Impressões: À sua esquerda…. um ótimo começo

Vendida como a primeira série da Marvel Studios para o Disney+, Falcão e o Soldado Invernal acabou por ser adiada por conta do coronavírus (algumas cenas precisam ser gravadas na pandemia) e agora chega mais de 6 meses depois do planejado originalmente na plataforma da Disney. E as aventuras dos personagens Bucky Barnes, o Soldado Invernal, e Sam Wilson, O Falcão, finalmente desembarcam no Disney+ cercada com uma expectativa altíssima, onde a série tem a missão de manter o hype lá em cima depois que WandaVision abriu o novo capítulo do estúdio no começo do ano.

E basicamente, o primeiro episódio de Falcão e o Soldado Invernal prepara o terreno para o espectador curtir uma verdadeira história totalmente com o DNA Marvel Studios. Com 6 episódios no total, vimos o primeiro deles, o começo dessa nova aventura é marcado pela busca por identidade desses dois personagens, pelo legado deixado pelos super-heróis após a batalha contra Thanos em Vingadores: Ultimato (2019), e ver como eles agem depois do blip, e da volta, após os tenebrosos 5 anos.

E para quem reclamava de falta de ação, e um ritmo mais lento do começo de WandaVision, não se preocupe, Falcão e o Soldado Invernal já abre com 10 minutos iniciais alucinantes e que são pura ação épica da Marvel Studios.

Falcon/Sam Wilson (Anthony Mackie) in Marvel Studios' THE FALCON AND THE WINTER SOLDIER exclusively on Disney+. Photo by Chuck Zlotnick. ©Marvel Studios 2020. All Rights Reserved.
Falcão e o Soldado Invernal | Primeiras Impressões
Foto: Chuck Zlonick/Marvel Studios

No começo do episódio, o foco fica com o Falcão de Anthony Mackie que realmente parece estar ainda mais confortável no papel e tem seu momento de brilhar. Aqui o personagem tem uma cena de perseguição aérea incrível no meio de um deserto, e entrega cenas no nível de um verdadeiro filme da Marvel Studios, tanto de ação MCU quanto em orçamento de efeitos especiais. A passagem é de tirar o fôlego, e realmente é super impressionante, ver o personagem correr e voar por aí novamente.

Nesse começo de Falcão e o Soldado Invernal existe um certo nível de empolgação ao vermos o personagem em missão novamente, uma missão agora que ele é o protagonista e não depende da ajuda de nenhum outro colega Vingador para salvar o dia. 

À sua esquerda…. ao apostar numa trama serializada, Falcão e o Soldado Invernal é a chance de não só vermos Sam com destaque na trama, mas também de vermos mais detalhes sobre sua vida e seu passado, pouco explorado no MCU até então. Assim, pelo menos nesse primeiro episódio, fica claro agora que teremos essa oportunidade. E a parte que envolve o Falcão, coloca Falcão e o Soldado Invernal numa trama de espionagem global que deve ser o norte da temporada e que se apresenta logo de cara. Afinal, nesse começo os dois protagonistas, e que dão o título para a série, estão separados e vivem suas vidas após os grandes acontecimentos vistos em Vingadores: Ultimato. 

“É uma coisa nova…. vilões dando nomes ruins para as organizações” afirma o personagem do Falcão em uma das partes do episódio 1. Se temos heróis em ação de volta, claramente, temos os vilões também por aí… e durante o episódio conhecemos mais da ameaça dos mascarados que vimos nos trailers e no material de divulgação. O seriado nos apresenta para uma nova organização com uma missão bastante específica, e que deverá dar uma dor de cabeça para o que sobrou de agências de inteligência ao redor do mundo após o blip e o retorno de milhares de pessoas. 

Diferente de WandaVision não espero que a série seja muito pautada em teorias, mistérios mirabolantes e de discussões sobre easter-eggs, e de quem é qual personagem. Sinto que Falcão e o Soldado Invernal será uma produção no nível de The Mandalorian, as pessoas vão assistir, surtar, se divertir, e esperar o próximo episódio.

E isso não é uma coisa ruim não, pelo contrário, a história que deverá ser contada em Falcão e o Soldado Invernal se encaminha para ser tão boa enquanto Capitão América 2: O Soldado Invernal (lançado em 2014 e que curiosamente nos apresentou o Soldado Invernal) em termos de trama de conspiração política quanto de cenas de ação e perseguições. Assim, parece que a série não vai perder tempo para ir para o que importa, afinal como episódios maiores que WandaVision parece também que o time de roteiristas conseguirá também desenvolver esses personagens, já que antes coadjuvantes, agora assumem o posto de liderança.

Winter Soldier/Bucky Barnes (Sebastian Stan) in Marvel Studios' THE FALCON AND THE WINTER SOLDIER exclusively on Disney+. Photo courtesy of Marvel Studios. ©Marvel Studios 2021. All Rights Reserved.
Falcão e o Soldado Invernal | Primeiras Impressões
Foto: Cortesia da Marvel Studios

Se Falcão sempre foi um personagem de apoio, o mesmo podemos dizer do Bucky de Sebastian Stan que aqui também continua excelente. Claro, o Soldado Invernal teve sim seu protagonismo, foi um dos vilões de Capitão América 2: O Soldado Invernal, ajudou o time em Capitão América: Guerra Civil (2016), mas agora é a vez de conhecermos o James Barnes e não a máquina de matar que foi programado para matar durante todos esses anos. E se em WandaVision vimos Wanda tem que lidar com o luto da morte de Visão (pela terceira vez!), aqui em Falcão e o Soldado Invernal é a vez do personagem ir para terapia. E se Falcão fica com as partes de ação, Bucky nesse começo, fica com o drama. 

E as cenas do personagem na terapia são uma coisa incrível de se ver. A jogada de câmeras, o foco na posição dos rostos tanto de Bucky quanto da terapeuta são um dos pontos altos do episódio. A diretora Kari Skogland faz um ótimo trabalho aqui e consegue mesclar o sentimento de incômodo que Bucky passa na sessão com um tom um pouco cômico de uma forma que pouco vi na TV. A câmera colada nos personagens, a tentativa da psicóloga de fazer com que Bucky encare seus problemas e sua mente carregada de culpados é definitivamente uma das passagens mais bacanas que o primeiro episódio apresenta. 

E Bucky agora, após tudo que aconteceu (“Eu fui de uma briga para a outra… eu tive um único momento de paz que foi em Wakanda” afirma ele) tem o governo na sua cola, então, Bucky precisa além de ir para terapia, precisa ser criativo com algumas coisas e uma certa missão pessoal que o personagem está envolvido e que descobrimos ao longo do episódio.

Meu maior medo com Falcão e o Soldado Invernal era que a Marvel Studios voltasse com a fórmula antiga e esquecesse tudo que foi apresentado em questão de personagens que vimos em WandaVision, mas nesse episódio 1, parece que as coisas enfim mudaram.

Assim, Falcão e o Soldado Invernal nesse primeiro episódio entrega a continuidade do legado da Marvel, já que agora em que vemos o que Bucky fará já que está livre e solto no mundo, e o que Sam fará com o escudo do Capitão América que recebeu de Steve no final de Vingadores: Ultimato. Steve Rogers claro é lembrado durante o capítulo, onde sua memória sempre vive. “Símbolos não são nada sem os homens e mulheres que os carregam” afirma Sam em um dos momentos do episódio. Sem spoilers por aqui, mas pelo visto a jornada vai ser interessante, e totalmente árdua para Sam se ele quiser manter a promessa do amigo.

E ao mesmo tempo, Falcão e o Soldado Invernal deve trabalhar com uma trama tão perto da realidade e dos últimos movimentos de luta da comunidade negra que realmente deve entregar algumas cenas que devem conversar com muita gente sobre pertencimento, e como encontrar seu lugar nesse mundo cada vez mais quebrado. “Nós precisamos de nos heróis… aqueles que são adequados para os tempos que vivemos” afirma Sam, e vemos aqui que a Marvel Studios promete uma trama intrinsecamente conectada com a realidade numa das poucas vezes que conseguiu se conectar com o que se passa no nosso mundo real com o mundo fictício dos super heróis. Ao final do episódio o espectador deverá ficar com raiva, e não pelo fato de o episódio ser ruim, ele não é de maneira nenhuma, e sim pelo caminho que a trama é construída nesse episódio que claramente deve ter implicações nos próximos episódios.

Em resumo, Falcão e o Soldado Invernal entrega um sólido começo em mais um projeto caprichado para o Disney+ que se torna um novo lar, não o principal, para as produções da Marvel Studios, e definitivamente se torna mais um espaço para o mega produtor Kevin Feige brincar com seus bonecos caríssimos e milionários. 

Falcão e o Soldado Invernal chega em 19 de março no Disney+ com episódios todas as sextas.

Postagens relacionadas