Notícias Tecnologia Variedades 

Modalidade de sala de exibição online chega ao Brasil em parceria com os cinemas nacionais

Não é streaming, não é aluguel e compra digital… é como se fosse uma sessão na sua casa onde o ingresso é comprado nos sites dos cinemas brasileiros.

O nome é Cining, um novo formato que chega ao mercado brasileiro a partir de 17 de junho com a proposta de oferecer lançamentos exclusivos para a abertura das salas online das principais redes de cinema.

O acesso funciona por meio de ingressos adquiridos diretamente no site dos exibidores parceiros ou de vendas de tickets, e é feito digitalmente por meio de um código de acesso único e intransferível que garante até 03 reproduções em um período de 72 horas. Os lançamentos exclusivos são oferecidos por R$ 24,90, e os filmes que entram na sala de cinema online depois de passarem pelas telonas tem o valor especial de R$ 9,90.

Para o lançamento do Cining, um dos estúdios, a Paris Filmes, vai disponibilizar um catálogo inédito com filmes que serão lançados exclusivamente na sala de cinema online dos exibidores.

 O tempo de permanência na plataforma vai variar de título para título.

Confira a lista:

  • Além das Montanhas, romance com Jamie Dornan e Emily Blunt inspirado na peça da Broadway “Outside Mullingar
  • Sobreviva ou Morra Tentando, thriller impactante sobre um atentado em uma escola; 
  • A Mão do Demônio, terror sobrenatural;
  • A Viúva Das Sombras, terror sobrenatural;
  • Astronauta – Um Sonho Extraordinário, drama emocionante e inspirador; entre outros.

No Brasil, o novo modelo de exibição foi adotado pela Cinemark, Kinoplex, Cineflix, Cineart, CenterplexCinemaisCinemaxx CinemasCircuito CinemasGrupo CineTopázio CinemasMoviemax CinemasMulticine Cinemas, CineA, Cinemagic, entre outros, e pelos sites de venda de tickets Ingresso.com Velox Tickets.

O conteúdo pode ser assistido através do aplicativo Cining disponível para Apple TV, Fire Stick, Roku e Chromecast, e pela web em www.cining.com.br/play.

“Vimos uma oportunidade no mercado. Não são todos os nossos projetos que vão para os cinemas físicos, e agora temos a chance de levar esses filmes para os exibidores de uma outra forma antes de irem para o streaming. É bom para o distribuidor, para o produtor e para o exibidor que ganham mais uma janela de exibição, mas é especialmente interessante para o público que passa a ter acesso a muitos projetos que eventualmente não entrariam nas salas tradicionais”, explica Márcio Fraccaroli, CEO da Paris Filmes e sócio do Cining.