Young Sheldon | 1×20-21 – A Dog, a Squirrel and a Fish Named Fish / Summer Sausage, a Pocket Poncho, and Tony Danza

Young Sheldon se aproxima de sua season finale e nessa reta final traz episódio deliciosos de se acompanhar e os temas envolvendo os medos e frustrações de Sheldon foram excelentes, mas nada como ver os outros membros de sua família brilhando e tendo momentos incríveis em cena. Saber dosar tudo para cada um deles tem sido um acerto e tanto para a série, que continua brilhando quando sai de cima de Sheldon.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

George tem aparecido muito mais, sendo mais pai e interagindo com os filhos de forma hilária, mesmo que George Jr. ainda precise de uma melhora de tempo em cena, ficando apenas com algumas piadas pontuais e se mostrando não tão esperto. A busca do pai para fazer Sheldon aceitar o cachorro e se conectar com animais foi bem legal, e também adorei o peixe Fish e sua breve vida.

Mas George realmente brilhou ao compreender que não será uma referência para o filho e Mary o convencer a estar mais perto de George Jr, ou até mesmo de Missy. Os momentos de pai e e sua princesa foram lindos, ela o ensinou bastante, mas o melhor foi vê-lo sendo tão carinhoso para ensinar a filha e ser uma figura paterna forte e presente. Ele e seu trabalho com a lagosta para tirar o medo dela foi ótimo.

A conclusão com o cachorro se aproximando de Sheldon por sentir nele o cheiro de seu dono, que está preso, foi bem bacana. Mas então no episódio seguinte temos Sheldon precisando aprender que ele está forçando demais a barra para cima de Meemaw e Sturgis e fica apenas observando o encontro de seu cientista favorito e sua avó.

Gostei da inocência de Sturgis em diversos momentos e como Meemaw acaba precisando “desenhar” as coisas para o seu paquera, que além de cozinhar comida chinesa para ela, ainda conta inúmeras coisas sobre quando viveu no país e também curiosidades sobre a construção da Muralha da China.

Young Sheldon foi sensacional ao separar os núcleos e trabalhar as tramas individuais, como Mary e George Jr conversando sobre o nascimento dele e como ela se casou grávida, o que a obriga a mentir para o filho. Cada trama foi interessante e souberam aproveitar a “ausência” de Sheldon na história por estar motivado a observar a avó e ficou quietinho nisso.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.