Vigil: The Longest Night, com horror medieval e abominações, é anunciado para PC e consoles

Vigil: The Longest Night é um side scroller de ação-horror ambientado em um mundo sem luz solar que é atormentado por monstruosidades bizarras. Leila, membro da Vigília, retorna à sua cidade natal em busca de uma irmã perdida e se perde em um mundo de horror inimaginável, enquanto descobre os segredos da cidade e a fonte do mal que assola o campo.

O estúdio Glass Heart Games, de Taiwan, criou um jogo que combina a intrincada ação do side scrolling com horror cósmico sutil e horror corporal.

Vigil: The Longest Night destaca por um estilo de arte detalhado inspirado em pinturas do período medieval e influenciado pela arte do Corte de Papel Chinês. Inspira-se em clássicos como Castlevania e maravilhas modernas como Salt & Sanctuary e Bloodborne. Glass Heart espera que o conto de Leila atraia a atenção do jogador com seu combate preciso e técnico, assim como pela narrativa rica e forte – um conto único de horror que combina a prosa de Lovecraft e a cultura taiwanesa.

  • Experimente 4 tipos de armas: espadas, armas pesadas, adagas gêmeas e arco, juntamente com muitas variações místicas a serem descobertas.
  • Use dezenas de itens exclusivos para ajudar, curar e atacar.
  • Suba de nível numa árvore de habilidades complexa para ajudá-lo a se tornar o último guerreiro da luz.
  • Lute contra uma variedade de inimigos brutais e os chefões mais bizarros das profundezas de seus pesadelos.
  • Desvende os múltiplos finais e descubra os segredos que se escondem na escuridão.
  • Infecte-se com o clima sinistro proporcionado por cavernas úmidas, aldeias abandonadas e florestas assombradas.
  • Ouça a música atmosférica do talentoso Jouni Valjakka da popular banda finlandesa Whispered.

Vigil: The Longest Night e sua horda de residentes infectados, criaturas amorfas e corpos não enterrados deve ser lançado no começo de 2020 no PC, Xbox One, PlayStation 4 e mais tarde no Switch.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.