Verdade ou Desafio | Crítica

Verdade ou Desafio (Truth or Dare, 2018) tem um conceito simples e no final, isso é tudo que você precisa saber sobre o longa.

A produtora Blumhouse, dos ótimos corra! e Fragmentado, nos entrega aqui um filme de terror bem mais tranquilo com talentos conhecidos pelo público mais jovem, onde tem um roteiro, mesmo que um pouco frágil, que acerta em contar uma história bem montada em termos de narrativa, onde os plots se encaixam e a trama se sustenta com poucos furos. Mas mesmo assim, o filme peca por escalar atores inexperientes e que entregam atuações não muito boas e abaixo da média. É o famoso caso de tá ruim mas tá bom sabe?

Foto: Universal Pictures

Como falamos, o filme tenta ser um terror mas acaba demonstrando ser muito mais um suspense com alguns jump scares meio desnecessários e não agregam muito a trama. Mas isso tudo acontece talvez pelo fato de que o longa não chega a ser violento e assustador como deveria, em Verdade ou Desafio, não temos um espirito rondando por aí de forma corporal e sim, pessoas que acabam sendo possuídas por ele e que cometem as séries de mortes mostradas por suas próprias mãos e no final, isso faz toda a diferença.

Na trama, um grupo de amigos embarca numa viagem ao México para curtir o feriado e em uma das noites eles acabam por se reunir e começam um o jogo de Verdade ou Desafio mas de uma forma bem estranha. Ao retornarem para suas rotinas eles percebem que continuam presos na brincadeira mesmo que contra suas vontades, pois o jogo apresenta suas regras, tanto para eles quando para quem assiste de uma muito bem estabelecida: entrou no jogo você precisa esperar sua vez, se recusar a jogar, você morre. Se contar uma mentira, você morre e se não completar o desafio você também morre.

Talvez esse seja o principal erro de Verdade ou Desafio, ele tenta e muito se levar a sério e isso só deixa a experiência de assistir ao filme muito ruim. Ruim, pois os atores menos conhecidos tem atuações mecânicas e os diálogos típicos de séries como Scream, Riverdale ou Gossip Girl também não colaboram e isso tudo somado faz o filme ficar tão embaraçoso em muitas partes que ele só é aceitável se você abraçar as regras do jogo e embarcar na história apresentada.

Verdade ou Desafio não tem o mesmo charme de A Morte Te dá Parabéns e infelizmente é um filme com mais erros do que acertos. Os momentos para diferenciar a pessoa possuída pelo espirito que controla o jogo com aqueles que estão apenas aguardando sua vez para jogar, deixam os personagens ficarem com um sorriso estranho no rosto ah lá Coringa, do Batman. O que seria para assustar, faz com que as cenas tenham um efeito oposto, puxando a produção para digamos um lado mais cômico e completamente fora do tom que o filme parecia quer passar.

Verdade ou Desafio segue a linha de outras produções como 7 Desejos com Premonição e acaba sendo um filme em que você apenas tem que acompanhar e seguir a lista de “quem é o próximo a morrer” e adivinhar como isso vai acontecer.

O longa até tenta desenvolver um pouco seus personagens ao definir que cada um deles tem algum segredo escondido de suas vidas “perfeitas” mostradas nas redes sociais. Mas, pela grande quantidade de pessoas no grupo de amigos, o roteiro se vê um pouco corrido quando precisa se aprofundar em cada um deles pois o filme acaba focando mais nas verdades que desencadeiam reviravoltas na trama do que nos desafios, que no final só servem para mostrar formas diferentes dos personagem se matarem.

Em Verdade ou Desafio, as verdades que os personagens escondem acabam movimentando a trama, afinal, os amigos tem uma relação bastante próxima mas escondem muitas coisas uns dos outros.

Foto: Universal Pictures

Ao longo de sua história, Verdade ou Desafio acaba desenvolvendo sua trama com triângulos amorosos, arcos envolvendo homofobia e alguns outros segredos que são expostos pelos personagens principais aos poucos durante no filme. O filme também falha, quando as mortes chegam e o expectador não sente aquela empatia necessária com eles, afinal, o longa não dá tempo e espaço para ter esse envolvimento com os membros do grupo.

Lucy Hale que nunca foi a melhor entre as colegas de seriado Pretty Little Liars até que segura as pontas mas talvez pelo fato, apenas de ter mais experiência que os outros colegas. Tyler Posey nem consegue deixar seu personagem gostável, o ator é apenas apático e sem muito sal. Hayden Szeto tem um dos poucos plots desenvolvidos no filme mas também não entrega nada de muito empolgante mesmo com cenas que poderiam ser bastante dramáticas. Violett Beane acaba sendo um desperdício de tela com uma trama completamente clichê e nem um pouco aprofundada como deveria.

Verdade ou Desafio é tudo aquilo que o trailer mostra, um filme com uma trama simples e com atores jovens com um pouco de carisma e milhares de seguidores nas redes sociais falando um punhado de linhas do roteiro para a tela.

A verdade que o filme é uma produção mediana e que usa e abusa de cenas rasas e nem um pouco desenvolvidas mas o que vale aqui no final é o desafio de ir ao cinema, somente e apenas pela diversão descompromissada que ele acaba oferecendo.

Nota do Crítico:

Verdade ou Desafio chega aos cinemas em 3 de maio.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales