Toy Story 4 | Crítica

O anúncio de um novo Toy Story pegou muita gente de surpresa, afinal, a trilogia de filmes encerrou lá em 2010 com a maior nota possível, onde Toy Story 3 é apontado como uma das melhores animações já feitas pela parceria Disney e Pixar

Claro, depois de confirmado um novo longa, o estúdio guardou a trama à sete chaves, onde também, não fazia muita questão em divulgar detalhes, ou apenas, fomentar a expectativa do público para a nova animação. O caminho era perigoso, mas claro, a Disney confiou no seu produto, e assim, a nova aventura dos brinquedos faltantes mostra que o estúdio sabe (e muito!) o que faz. 

A quarta aventura, então, entrega uma história emocionante, divertida e com o retorno dos mesmos personagens carismáticos de antes, onde Toy Story 4, garante que você pode ter novos amigos sim. 

Joan Cusack, Tim Allen, Bonnie Hunt, John Ratzenberger, Wallace Shawn, Blake Clark, Jeff Garlin, and Kristen Schaal in Toy Story 4 (2019)
Toy Story 4 – Crítica | Foto: Disney/Pixar

O novo Toy Story garante, também, que quem cresceu com os icônicos Woody, Buzz, Jessie, Rex e Sr. e Senhora de Batata retorne a brincar com eles, onde, Toy Story 4 mostra uma nova etapa na “vida” dos bonecos, uma vida pós Andy, com uma nova dona, novos desafios e brincadeiras para o grupo.

Toy Story 4 consegue mostrar ainda, como a imaginação de uma criança pode ser fértil ao criar um mundo de brincadeiras próprias e com pouca coisa. Aqui, Bonnie se apega ao Garfinho, um boneco feito de um garfo descartável, o que introduz uma nova dinâmica dentro do quarto da criança que está prestes a começar o jardim de infância. 

Assim, antes do ano letivo, a garotinha e seus pais, e claro, seus brinquedos, partem para uma viagem abordo de um trailer, onde, aqui é a oportunidade para Toy Story 4 fazer o que sabe melhor, colocar Woody e cia correndo pela cidade, criando planos mirabolantes, e se tacando de carros em movimento, tudo que é a marca da franquia, não é mesmo?

Tom Hanks, Keanu Reeves, and Annie Potts in Toy Story 4 (2019)
Toy Story 4 – Crítica | Foto: Disney/Pixar

Toy Story 4 acaba por ser o que chamamos de soft reboot, é uma continuação, mas que apresenta uma nova história que sai da trama vista em outros filmes. Fica claro que a história que conhecíamos, encerrou lá naquele terceiro filme, mas os brinquedos continuam, e aqui, somos apresentados para os novos bonecos de Bonnie, e também, para uma nova aventura em que Woody, Buzz e Betty, precisam enfrentar para garantir que Bonnie comece essa nova etapa de sua vida com todos os seus bonecos. Então, temos aqui, além de Garfinho, uma boneca chamada Gabby Gabby, com um plano mega evil e seus capangas assustadores, e ainda, um corredor bigodudo, e com um visual dos anos 80, Duke Caboom que movimentam a trama, e são responsáveis por fazer a história acontecer.

Assim, Toy Story 4 é bem redondinho, e o roteiro une a famosa piração de Woody em ser mais que um brinquedo para o seu dono, e sim um amigo, onde tudo isso, acaba por entregar arcos narrativos bem desenvolvidos, com inúmeras piadas e momentos hilários entre eles, coisas que a dublagem brasileira sabe aproveitar e tirar vantagem. Em Toy Story 4 vemos a filial brasileira fazer ótimo trabalho, onde a versão nacional traduz e adapta bordões clássicos da internet, em diálogos que parecem ter sido tirados de memes da internet, mas sem ficar com aquele humor tiozão. E não é por menos, dois dos alívios cômicos, as pelúcias Coelinho e Patinho, são dublados por comediantes conhecidos, como Marco Luque e Antonio Tabet respectivamente, e que dão o tom bem humorado do longa. 

Toy Story 4 fala de assuntos que sempre foram a alma e o coração da franquia, onde o roteiro da dupla Andrew Stanton e Stephany Folsom, sabe criar momentos comoventes para dar aquele aperto no coração e fazer o espectador suspirar, se emocionar, mas também, dar risada do começo ao fim, e aproveitar que a gangue dos brinquedos está de volta em tela, finalmente, e apresentando Toy Story para toda uma nova geração.  

Com um ritmo completamente alucinante, uma preocupação enorme com os detalhes dos bonecos e uma trama empolgante e adorável, Toy Story 4 faz um daqueles filmes para ver e rever. No final, espanta todos os temores e a maldição de entregar uma sequência falha, e faz uma ótima nova adição para a franquia. No final, Toy Story 4 abre uma série de oportunidades para a volta dos personagens no futuro, seja no cinema, ou no Disney+. Para o infinito, e além.

Ps: O filme tem algumas (hilárias!) cenas entre os créditos finais, fiquem até a sessão terminar.

Nota do Crítico:

Toy Story 4 dia 20 nos cinemas.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales