This is Us | 2×14 – Super Bowl Sunday

Com a construção deste momento vindo desde o início de This is Us, este episódio de Super Bowl soube não apelar tanto na morte de seu personagem chave, e sim o fez de forma suave e cheia de emoção, nos levando às lágrimas e compreendendo cada um dos envolvidos. Milo Ventimiglia e Mandy Moore simplesmente arrasaram em cena, nos levando ao limite da emoção.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Com pedaços chaves aqui e ali, no episódio anterior vimos o início do fim de Jack, com a panela elétrica entrando em curto e o fogo ir destruindo lembranças e se aproximando do fatídico final. Jake acordando com o cheiro de fumaça e buscando salvar cada membro de sua família como um grande pai, um grande herói, foi de fazer rolar lágrimas a cada investida contra o fogo. Mas o paizão salvou Randall, Kate e até o pequeno Louie.

Até pouquinho depois da metade do episódio ficamos até confuso sobre ele não morrer nas chamas, o que foi uma escolha excelente do roteirista e criador da série, Dan Fogelman, mostrando que não só o incêndio é um perigo, como inalar sua fumaça. Jack voltou para salvar o cachorro e algumas lembranças e o tempo em exposição colocou pressão sobre seu pulmão e por consequência em seu coração, fazendo-o ter uma parada cardíaca fulminante.

A reação de Rebecca ao saber da morte de início foi hilária, pois ela custa a acreditar que o marido, ao qual ela tinha conversado a pouco na cama do hospital estava morto, aí ela só come seu chocolaten, grita com o médico por não acreditar e então vai para o quarto e vê o marido falecido. Moore simplesmente arrasou!

Deste momento em diante já vemos ela segurando as pontas com Kate e Randall, e Kate então se culpando pela morte do pai e querendo ligar para Kevin, que estava com Sophie.

No presente as consequências do Super Bowl, momento preferido do pai, afeta cada um dos filhos na lembrança dos 20 anos de morte de Jack.

Kate busca assistir ao VHS que o pai gravou dela cantando sua música, mas a mesma emperra no videocassete. Mesmo em seu desespero em perder a fita do pai, Toby busca estar ao seu lado e ajudá-la a salvar aquela lembrança. Ele consegue um rapaz que não só recupera a fita, como faz uma cópia na nuvem. O discurso final foi para Toby, com Kate falando sobre como o pai foi importante e como agora Toby a faz novamente sentir amor e sentir amada. Foi bem bacana e pode colocar um pouco de lado o drama mais sofrido da personagem, trazendo mais luz para ela.

Kevin e Rebecca tiveram seus momentos bem próximos, mas enquanto sua mãe fazia a lasanha favorita do falecido marido, ele foi buscar ter uma conversa sincera com o pai. Ele desabafando toda a sua dor no local onde ele sempe ia para ter esse papo foi bem bacana e o fez compreender muitas coisas que ele fez e que precisará fazer a partir deste ponto, que busca manter a memória do pai bem orgulhosa. Espero que mantenham o personagem com tramas mais interessantes e aprofundem outras.

Randall se mostrou mais forte e tentou reaviver a festividade do pai, mas precisou mostrar a pequena Annie sobre perda quando seu lagarto acaba morrendo. Mas não podemos esquecer de Tess, que foi simplesmente incrível neste episódio. A personagem sempre pareceu meio jogada de lado, ainda mais com a entrada de Deja, que retorna com alguns problemas, mas compreendemos em sua conversa com o pai que ela o entende e que sabe que o pai quer o melhor para todos, só que ainda assim teme não ser mais sua preferida.

Então temos o pequeno Jordan e a assistente social, que logo o coloca em uma família e ela recebe seu pai para ir jantar. Sim, lágrimas quando vemos que a assistente social é Tess aos 25 anos, ajudando o próximo assim como seu pai sempre ajudou.

This is Us então nos entrega um episódio mais do que especial que nos coloca ianda mais dentro dessa família e nos faz amar ainda mais cada um desses personagens. Cada lágrima valeu a pena, mesmo na vergonha de fazer isso em público.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.