The Handmaid’s Tale | 1×06 – A Woman’s Place

A qualidade só aumenta em The Handmaid’s Tale com a mudança do tipo de terror, que passa de algo mais visual e entra de cabeça no campo moral. Também conhecemos um pouco mais sobre o início da Gilead e o papel fundamental que Serena Joy teve em sua concepção. Será que ela está feliz com o resultado atingido? Vamos ver o que aconteceu em A Woman’s Place! Praise be! (Louvado seja!)

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Offred não consegue parar de pensar na noite que teve com Nick e caso não tome cuidado, sua falta de foco pode lhe trazer problemas. A cidade está se preparando para recepcionar uma delegação de comércio vinda do México e, para tal, a República está maquiando quaisquer vestígios de um regime totalitarista, removendo os corpos pendurados e obrigando as Handmaids a lavarem o sangue dos muros. A cena da água vermelha escorrendo é poética e, ao mesmo tempo, aterrorizante.

Vermelho é a minha cor!

Temos que admitir que Offred é a rainha das frases de efeito! Foi possível sentir uma espécie de sintonia entre ela e Serena Joy durante a conversa no quarto principal? Elas não serão amigas em nenhum futuro distante, mas parece que existe pelo menos uma trégua silenciosa declarada. A missão de agradar a delegação mexicana parece um fardo pesado demais para todos os habitantes da casa. Até mesmo Fred está cedendo à pressão, lembrando muito o homem frágil que atendeu aos pedidos de Offred e lhe tirou de seu cárcere privado.

Enquanto lavava o sangue dos condenados, Offred jurou que seu encontro com Nick seria um ocorrência única, porém, na primeira oportunidade, lá está ela flertando sem pensar nas consequências. É um rápido momento, mas eu gostei tanto do simbolismo do toque proibido das mãos, emulando o quanto os amantes gostariam de entrelaçar seus corpos.

Sobre os mexicanos e a confusão de Offred, quero que tudo fique bem claro. Ao pensar que o homem era o Embaixador do México responsável pelos negócios, ela apenas reproduziu o que esperava pela atmosfera em que se encontra. O México, assim como a maioria dos países latinos, é uma nação matriarcal, portanto, mulheres em posições de poder não são surpresas.

Assumirei que todos já assistiram ao episódio, pois, sabendo o desfecho da trama, a entrevista da Embaixatriz Castillo tem um peso muito diferente. O que, em uma primeira vista, passa a impressão de simples curiosidade de uma visitante, agora sabemos ser uma reunião de venda de produto. Mesmo com seu tom doce e demonstração de atenção, ao pensarmos em seu propósito final, entendemos que é só fachada para que sua própria consciência não fique pesada. Não pensemos em nenhum momento que Castillo seja uma aliada, pois está interessada apenas no bem de seu povo. O que me deixa bem confuso é a necessidade em questionar Serena Joy sobre opinião a respeito das crenças da Gilead. Quer dizer que, se a mulher está “oferecendo” seu corpo para uso publico, não há problemas, mas quando ela não pode ler, então o negócio fica sério? Me pareceu bem hipócrita.

O bom de vermos Serena Joy antes da Gilead é podermos comparar como ela era uma mulher feliz, realizada, amada e hoje não passa de uma sombra de quem já foi. Precisaremos de mais episódios do passado dos Waterford para realmente compreendê-los, mas fica a impressão de que Fred era um homem fraco e que só prosseguiu na carreira de Comandante por causa do constante apoio e usurpação das ideias da esposa. Vejam como é dela a concepção de “Fertilidade como Recurso Nacional”, a base do programa das Handmaids. Inclusive é ela quem parece ser mais efusiva em sua ideologia religiosa no passado, conceito que não a vemos mais praticar.

Fred oficialmente deixou as sutilezas de lado e entrou para a lista de vilões. Offred jamais poderia tê-lo deixado zangado, afinal, para alguém como ele, o ego é o mais importante. Se vender pelo direito de continuar frequentando o escritório foi a jogada certa, já que o Comandante não demonstra mais ter apreço nenhum pela inteligência feminina, tratando-a como um animal de estimação. A minha dúvida é: ele obrigou Offred a beijá-lo para humilhá-la ou por desejo carnal?

Que bela cinematografia quando Offred hesita em responder se é feliz. Todas as cenas de close-up são muito belas, mas tanto essa, quanto a cena da escova de dente foram tão bem feitas, a respeito de luz, enquadramento, velocidade e trilha sonora. Maravilhoso!

Agora que sabemos que as negociações com os mexicanos se tratavam de comércio sexual, fica óbvio o motivo da inspeção de Serena Joy. Não sei como ela se conteve e não checou se as Handmaids tinham todos os dentes. Só quero dizer que, além de tudo, mostrar as crianças foi extremamente cruel. Serena Joy finalmente teve o momento de glória que não lhe foi concedido durante a instauração da República de Gilead e sua reaproximação com o marido quase me deixou feliz por ela, até lembrar o motivo da comemoração. Nós precisamos saber exatamente onde houve a mudança na dinâmica da relação deles para entendermos o que está acontecendo.

Nick foi tão compreensivo com a explosão de sentimentos de Offred, que me deixou desconfiado. Para quem se declarou um Olho no episódio anterior, está ouvindo a informação do nome original da Handmaid com muita naturalidade. Se ele mentiu antes, qual era seu propósito? E se estava falando a verdade, será que o que sente por Offred é tão forte que enfrentará o risco de descobrirem seu jogo duplo?

Não fique pesarosa! Por favor, faça alguma coisa!

Não importa qual seja a situação de natalidade de Xipica, nada justificaria a utilização de pessoas como moeda de troca.

Na sua última conversa com Offred, quando ouve todas as verdadeiras informações sobre o programa das Handmaids, a Embaixatriz Castillo deixa claro que seu interesse está no bem estar e prosperidade de seu povo e em mais ninguém. Ao tentar justificar suas ações explicando que sua cidade é linda e que não há crianças a mais de seis anos, ela está apenas jogando na cara de Offred que, mesmo se soubesse que todas vivessem em jaulas como gado, continuaria com o acordo, de modo a manter o nível populacional de seu país. Dessa parte, a única coisa que me importa é a atuação da Elisabeth Moss que, mais uma vez, estava impecável.

Mas a grande surpresa vem do secretário Senhor Flores. Será que é verdade que Luke está vivo? Como o secretário saberia todas aquelas informações sobre ele? Não apenas isso, não é muita coincidência que ele fosse visitar justamente a casa em que Offred estava alocada? Essa novidade abre um grande leque de possibilidades. Como ela prosseguirá agora que sabe que o marido está vivo? Como ficará seu recente relacionamento com Nick? E o flerte forçado com Fred? Muitas perguntas para o futuro.

Essa semana, na trilha sonora, temos um destaque maravilhoso. A música instrumental feita exclusivamente para a série. Quando não arrasam na seleção de músicas incríveis, destroem com músicas originais fantásticas. Dessa vez, estamos na mente de Offred ao descobrir que Luke ainda está vivo.

O EVANGELHO DE GILEAD:

  • Na República de Gilead, o sexo é apenas para fins reprodutivos, portanto, um homem copular com uma mulher infértil seria considerado pecado ou até heresia. Fica clara a hesitação de Fred em se relacionar com Serena Joy se enxergarmos por esse prisma. Ao mesmo tempo, demonstra sua hipocrisia, já que obrigou Offred a lhe beijar lascivamente.
  • O aquecimento global é um problema tão grave que nem mesmo os líderes da Gilead podem negar sua existência. Os Mexicanos mencionam que suas plantações não estão se adaptando às mudanças climáticas e que esse problema é mundial. Fred Waterford menciona que metade da população mexicana é subnutrida e que tiveram quatro eleições nos últimos três anos.
  • Gilead conseguiu reduzir a emissão de gás carbono em 78% em apenas três anos, simplesmente desmantelando qualquer tipo de consumo industrial e focando-se em produção bélica. A agricultura utiliza um modelo inteiramente orgânico, aparentemente reduzindo a necessidade da modificação genética de alimentos simplesmente utilizando mais trabalho braçal (escravo) nas colônias.
  • No flashback, Fred diz que os ataques coordenados contra o governo americano foram, subsequentemente, contra o Congresso, a Casa Branca e a Suprema Corte. Dá a impressão de um sinal da cruz, emulando o Pai, o Filho e o Espirito Santo.

O EVANGELHO PERDIDO DE GILEAD: (diferenças entre a série e o livro)

  • No livro, Pam era uma tele-evangelista e cantora talentosa que tinha o nome artístico de Serena Joy. Na série, o histórico de escritora ativista era da mãe de Offred (com a diferença de ela ser feminista e Serena ser conservadora), mas foi absorvido pela esposa do Comandante.

The Handmaid’s Tale é exibida no Brasil pelo Paramount Channel aos domingos às 21:00, com reprise segunda às 23:30, quarta às 21:00, sexta às 00:40 e sábado às 22:00. Praise be!

Texto originalmente publicado no Apaixonados por Séries.

Paulo Halliwell

Professor de idiomas com mais referências de Gilmore Girls na cabeça do que responsabilidade financeira. Fissurado em comics (Marvel e Image), Pokémon, Spice Girls e qualquer mangá das Clamp. Em busca da pessoa certa para fazer uma xícara de café pela manhã.