The Good Fight | 2×13 – Day 492 [Season Finale]

Que final de temporada delicioso! The Good Fight fez uma jornada incrível nesse 2º ano e concluiu de forma incrível, trazendo mais problemas para todos os personagens, além de mudar algumas situações de outros. A trama principal com os advogados sendo assassinados foi levada para trazer uma inquietação aos personagens e foi muito bem usada, serviu de um belo pano de fundo, sem precisar entrar a fundo na questão.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Deixar essa trama em aberto e colocar os personagens com o radar sempre ligado deu um tom muito mais ágil a temporada, fora os sustos nos momentos certeiros envolvendo piadas com balões explodindo e até frenagem de carros mais bruscas. A trama da dessa forma foi mais instigante que todo o caso Rindell da 1ª temporada, e o mesmo foi concluído de forma sublime já no começo do ano, com ele sendo entregue pela própria filha.

Aqui tivemos Lucca iniciando os trabalhos de parto no meio de um julgamento e tudo envolvendo suas contrações e correria para o hospital foi feito no tom certeiro. Comédia bem encaixada, palavrões soltos a todos os instantes para mostrar sua dor, e colocar outras personagens ajudando-a a superar isso foi ótimo. Adorei a chegada de sua mãe e como ela fala sobre estar ao lado de quem ama é gostar de ver seu carro estacionado a frente de sua casa e não querer ir embora. Lucca se tocando que suas amigas são seus amores dá para nos fazer imaginar sua escolha.

Collin fará falta, mas fica evidente que entre estar com o pai de seu filho, ela prefere continuar na cidade onde trabalha e tem pessoas que a amam e admira ao seu redor. Será interessante se a mãe dele continuar no pé dela durante a campanha do filho à distância.

Então temos Kurt entrando no jogo contra Diane. Basehart estava envolvido com as agentes do FBI que deveriam investigar o passado e um pouco do presente de Kurt, e acabaram esbarrando em Diane. A questão é o seu envolvimento com Tully Nelson e o fato dele ser tão forte quanto a sua posição política.

As afirmações de Tully e piadas de Diane acabam levando o FBI a ficar preocupados, assim as agentes Annabelle e Grace acabam ficando em seu pé, mostrando que ela vinha sendo grampeada há um certo tempo. O desenvolvimento de tudo isso acaba recaindo até mesmo em cima de Basehart, onde Marissa e Maia ficam de investigar o homem e descobrem alguns podres. Momento mais interessante da trama deles acaba sendo a conversa de Diane e Kurt sobre como eles estão dispostos a seguir o casamento juntos, ignorando até mesmo o caso dela com Tully.

Adrian e Julius envolvidos em um debate sobre o investimento de 12 milhões para o que o debate sair sobre motivação de armas, acaba sendo mais uma parte cômica que leva a série a abrir a cabeça sobre o desarmamento ou a manutenção do armamento, mas com investida em propaganda, principalmente com as promessas de assassinatos dos advogados. A discussão é importante e a série não toma um lado específico, mesmo que a escolha seja usar o dinheiro para o desarmamento com a compra das armas ilegais. Só que isso deverá ter um desenrolar para o próximo ano, já que Adrian toma a decisão pelas costas do comitê.

The Good Fight fez uma 3ª temporada intensa, brincando com o status de todos os seus personagens, debatendo inúmeros temas interessantes e até importantes. Torcendo para um novo ano tão bom quanto este, que superou em muito a primeira temporada.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.