The Good Doctor | 1×02 – Mount Rushmore

Em seu 2º episódio The Good Doctor deu uma oscilada, mas seguiu a cartilha House de David Shore. Freddie Highmore continua intenso em sua atuação com Murphy, enquanto Nicholas Gonzalez trouxe a arrogância necessária para Melendez fazer o personagem se conhecer melhor. O problema é que a estrutura do episódio não o segura e em determinados momentos chegamos a ficar cansado da trama desenvolvida.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Neste episódio Melendez ficou entre a preocupação e o ensino a Murphy sobre como se portar, principalmente com Andrews em seu pé por causa das complicações que Murphy traz, como colocar um homem que deveria ser liberado para fazer exames desnecessários. O problema é que Melendez acaba ficando entre Andrews e Glassman, um o chefe da cirurgia e o outro seu mentor e presidente do hospital.

Quando Melendez começa a usar um tom sarcástico com Murphy e ele não compreende acaba soando mais constrangedor do que um leve momento de descontração com Browne o ensinando sobre como segurar as pontas. É ela quem acaba ficando novamente ao seu lado no caso do tumor maligno de uma paciente, mas começa a ficar estranha quando ele não tem filtros para tratar a paciente.

O caso da paciente piora e ao tentar remover o tumor Murphy vem com uma solução intensa, como remover um rim para ter acesso ao tumor. Browne é contra e por incrível que pareça Kalu fica a favor da solução. No final, com a paciente bem entra a questão dos créditos da ideia, que não foram dados a Murphy, fazendo com que Melendez acredite que a ideia tenha vindo de Kalu.

É esse crédito que coloca Murphy em foco ao insistir em tentar salvar uma menina em que os pais e a enfermeira acredita estar fazendo corpo mole e ele descobrir que ela precisa de uma operação. A forma como ele insiste falar com os pais, como ele afasta o médico e no fim eles veem a criança quase morrendo no quarto foi bom para mostrar esse lado forte do personagem.

Toda a resolução foi ao famoso modo House, e podemos até comparar a insistência dos dois médicos, com o da antiga série ganhando por ser mais intrometido, ter mais decisão e força. Já Murphy vai aprendendo e usando as referências do irmão no caminho, com direito a flahbacks.

“Em minha experiência, médicos não escutam enfermeiras. E eles só falam conosco quando querem nos ensinar quando acham que nós ferramos tudo”. – Enfermeira Friday.

The Good Doctor ainda mostra o lado ignorado das enfermeiras, mostrando que elas até tentam fazer algo, mas os egos dos médicos e dos residentes acabam atrapalhando. Vamos ver até onde a série irá e o próximo episódio será importante, pois não tem roteio do criador da série, mas de Bill Rotko, que tem no currículo episódios de The Beast, Graceland e The Last Ship.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.