The Big Bang Theory | 11×15 – The Novelization Correlation

Quem diria que iria me divertir tanto com uma trama do Leonard como essa do livro, The Big Bang Theory soube brincar com todo esse drama e fazer algo interessante com o personagem, deixando-o leve e nos fazendo ficar envolvidos com o tema. Até mesmo Sheldon e seu novo aprendizado foi excelente.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Amei ver Leonard empolgado com o livro e mostrando para Bernadette e Penny, mas acima de tudo, as duas personagens se encaixavam como inspiração para sua Ilsa. A forma como souberam mudar as cenas encaixando as atrizes dentro da personagem e até colocando Logan como sedutor, foi muito bacana, mas sim, ambas poderiam ser Ilsa.

Foi legal ver Penny chateada em poder ser maldosa como Ilsa, mas logo quando temos a incrível Christine Baranski entrando na história com sua Beverly a coisa sai do eixo e nos apaixonamos pela personagem ainda mais. Beverly tira o filho de si e as análises dele para a personalidade da mãe, e até imaginando um pouco de Penny, é bem legal. Espero ver mais do livro…

Agora, Wil Wheaton está de volta e agora também como o Professor Proton e foi bem legal. Souberam deixar Sheldon com raiva e ir mudando para admiração e vontade de participar da série. Quase tive um treco com a reação dele por Howard estar no primeiro episódio, e então ele pedindo desculpas, mas ver Amy ser convidada e não ele.

Sheldon aqui aprendeu que na sua relação terá que engolir sapos por Amy, da mesma forma que todo mundo sempre deixa de fazer as coisas por ele. Demoraram, mas souberam incluir isso na trama e ainda soar como um aprendizado bacana para ele. Novamente, espero que mantenham isso e que mostrem mais coisas assim.

Já em seu 11º ano, é legal ver The Big Bang Theory tentando se reinventar com os próprios personagens e sabendo usá-los a seu favor, e até mesmo pequenas participações, como a de Stuart, foi bem legal.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.