Supergirl | 4×03 – Man of Steel

Supergirl vem neste episódio nos apresentar a Ben Lockwood (Sam Witwer, Being Human (US)) construir o que o motiva a tanto ódio, o tanto que ganhou e perdeu nesse tempo que Supergirl se expôs e como tudo isso movimentou sua vida e a de sua família. A série vem agora nos mostrar um “vilão” humano.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Coloco as aspas no vilão pois o que modificou Ben foram as circunstâncias e as escolhas em cima das adversidades, até que no final, o que o tornava vítima o fez se levantar e se tornar um vilão, colocar sangue em suas mãos por conta do ódio aos aliens.

O pai de Ben (Xander Berkeley, The Walking Dead) sempre se mostrou odioso com a causa dos aliens, já que não dá para saber até onde tudo aquilo iria. Ben sempre foi simpático e tentava mostrar ao pai que aquilo era bobagem, até ver o pai ir perdendo tudo, da fábrica até ele mesmo perder sua casa em uma luta do J’onn J’onzz.

A medida que vai perdendo tudo, até mesmo suas aulas, Ben busca ajuda com Lena, mas não consegue nada da Luthor e isso aumenta o seu ódio, pois seu pai perdeu a fábrica, e a fábrica criada pelos aliens só prosperando. Quando ele se vê sem saída, ele chega a trombar com Kara, mas já odioso, acaba matando um alien. E é aí que os irmãos Grave se aproximam e eles começam o sue plano.

Vindo para o presente ele se torna o Agente da Liberdade, enquanto os Grave, ao lado do ex-agente Jensen, joga kryptonita na atmosfera da Terra. Kara quase morre e Lena a salva ao lhe dar uma armadura que a protegerá. Alex e Brainic-5 ficaram ao lado dela e então é esperar para ver o rumo da série.

Supergirl termina seu episódio nos apresentando o seu vilão mais humano da série e que por isso traz uma abordagem mais do que forte, pois até aqui os aliens que perseguiam Kara eram os tormentos, agora é o ódio, o desconhecido.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.