Supergirl | 3×19 – The Fanatical

Os fanáticos de Corville resolveram usar a pedra de Yuda para criar sua própria Destruidora de Mundos, numa tentativa de corrigir o que os kryptonianos não conseguiram, e o foco de Supergirl acabou caindo para cima do Guardião. Amei a forma como ele entrou na história e teve sua identidade revelada para algumas pessoas.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Souberam usar James para ir além do Guardião, trazendo uma necessidade a ser discutida para cima do personagem. Quando ele vai para cima dos fanáticos ele tem seu capacete removido bem no momento que a polícia chega, mas o problema é que eles só veem um negro indo para cima de alguns brancos. Liberado, adorei a forma como Lena e James conversam sobre ele ser negro e os policiais se quer dar chance dele se explicar, fazendo-o se lembrar de um problema parecido quando era mais novo, onde chegou a ser algemado. Discussão mais do que pertinente no momento em que o país passa.

Os fanáticos conseguiram a pedra e o livro de Corville de volta, mas é Olivia quem acaba se colocando disposta a se tornar uma Destruidora, mas acabou apenas vendo que a dor se torna o caminho para ela, já que não tem o necessário para carregar o poder da destruição. Ao mesmo tempo, já sabemos que a pedra da deusa pode ser a salvação para reverter o processo de Reino em Samantha.

Enquanto isso Lena e Winn se unem na busca por uma forma de reverter a transformação de Reino e acabam vendo que o processo de paralisação dela através da kryptonita está com os dias contados, já que por conta dela ter assimilado o poder de Pestilência ela começa a criar resistência ao método. Gostei de ver Kara sem saber como agir ao tentar usar o raio-x contra a câmara que Lena criou.

A medida que o tempo passa a rivalidade entre as duas fica mais forte e gosto da forma como representam o descontentamento de Kara, enquanto como Supergirl ela tenta se explicar de forma que acaba sempre se complicando ainda mais. Lena não aceita mais Supergirl e a vê como uma aliada, o que faz Kara se complicar com a possibilidade de vir à tona com sua identidade.

Adorei o drama de Alex com Ruby e a forma como a garota acabou sendo importante para M’rynn. Supergirl sabe muito bem trabalhar seus dramas enquanto mescla os problemas de sua trama com a Destruidora de Mundos. Ainda quero ver como irão dar conclusão a inúmeras das tramas apresentadas, mas de longe, a vilã da temporada tem sido desenvolvida de forma excelente.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.