Star Trek: Discovery | 2×13 – Such Sweet Sorrow, Part 1

E Star Trek: Discovery está próxima de mais uma season finale e não poderia nos preparar tão bem para o que está por vir. A forma como toda a tripulação da Discovery reage ao futuro incerto, e a necessidade de partirem para a Enterprise foi sensacional, principalmente ao adentrarmos a ponte de comando da querida nave da Frota Estelar com suas cores e até mesmo a presença da Número Um, que sempre se mostra uma personagem forte.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Fica evidente os passos de Michael e o destino a ser tomado, principalmente com os dados da Esfera tomando conta da Discovery e evitando que eles se fossem perdidos para todo o sempre. Assim, a saída de explodir a nave é um fiasco e Michael sabe que terá de tomar uma atitude sozinha.

Gostei de ver o futuro que ela enxergou, com toda a tripulação morrendo nas mãos de Leland e do Controle. A dor da perda de Saru, Joann, Pike e todos os outros foi bem intensa.

A decisão de mandar a Discovery para um futuro distante e com ela abrindo o caminho da nave no piloto automático foi ótimo. Adorei ver o novo sinal vermelho levá-los a Rainha Me Hani Ika Hali Ka Po e sua inteligência fora do comum, aos 17 anos e ainda amiguíssima de Tilly.

Quando todos na Discovery decidem se sacrificar indo com Michael foi algo surreal. Michael teve um momento lindo com Amanda e Sarek, algo que fez falta no sentido emocional com sua mãe, Dra. Burnham, mas são as ligações de despedida do resto da tripulação que realmente nos emocionam. Saru, Stamets, Tilly, Joann, Detmer e muitos outros que querem fazer o possível para o Controle não dominar os dados, e mostram que estar na Frota Estelar é um comprometimento acima de tudo.

Se por esse lado foi muito legal o drama sentimental, o resta te da parte científica tivemos saídas fáceis, como a criação de uma supernova, um buraco de minhoca e a viagem em si para o futuro dentro dela. Tudo caminhando muito fácil, para o roteiro focar na pressa de fugir do Controle que está há alguns passos da Enterprise e eles precisam retirar alguns tripulantes.

Alguns acontecimentos já podemos imaginar, como Spock não indo com Michael, lógico, mas fica a dúvida do que irá acontecer com eles para “esquecer” a existência da Discovery e sua tripulação, pois nas outras séries nunca foram citados, e até mesmo Spock nunca falou de uma irmã adotiva.

Agora, como não rir dos momentos de Georgiou e suas ideias de destruição, ou a reação de Pike ao descobrir que ela é de outra dimensão…

Star Trek: Discovery é uma série deliciosa de se acompanhar e mostra que tem muito pela frente, mas precisa fugir de alguns dramas desnecessários e focar mais no lado aventureiro e desbravador, e com as mudanças por vir, acho que ela consegue fazer isso bem, pois o elenco afiado mostrou que tem química e força para isso.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.