Star Trek: Discovery | 1×07-08 – Magic to Make the Sanest Man Go Mad / Si Vis Pacem. Para Bellum

E este spin-off de Star Trek continua sendo uma excelente sacada para a CBS, e sua transmissão mundial pela Netflix tem sido algo incrível para nós fãs acompanharmos juntos as aventuras da nave Discovery. Estes dois últimos episódios de Star Trek: Discovery foram importantes para mostrar o quão longe os Klingons estão dispostos a irem para ganhar a guerra contra a federação, e o retorno de Mudd foi incrível, além de vermos a nave ficar de frente a nave principal dos Klingons.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Em “Magic to Make the Sanest Man Go Mad” temos um excelente destaque para Stamets, mostrando mais sobre sua conexão com as estradas de esporos e como isso acaba ajudando-o em um ataque de Mudd, que vem atrás dos planos de viagem da Discovery para usá-los a seu favor. Stamets ganhou mais profundidade aqui, mostrando-o como alguém mais ligado aos acontecimentos da nave, mas principalmente, temente ao que os Klingon poderiam fazer tendo a viagem de esporos em sua frota.

Stamets aqui precisa superar sua conexão com Michael e o que ela representa para a frota, para confiar nela e quebrar o ciclo de Mudd, pois eles estão presos em um looping temporal de poucos minutos por horas… Gostei do uso da inteligência deles e da necessidade da conexão, mas infelizmente tudo é feito as pressas, e quanto mais informação vamos tendo, fica impossível tudo se resolver tão rapidamente.

No fim Stamets, Lorcas e Michael usam o passado de Mudd contra o mesmo, forçando-o a ficar frente-a-frente com Stella e seu pai, para forçá-lo a ir embora, e sem muitos detalhes do plano, só que Stamets é importante para tudo aquilo. Já imagino os Klingon querendo pegá-lo…

Enquanto isso, em “Si Vis Pacem. Para Bellum“, vemos Cornwell se unir a L’Rell para bater de frente com Kol, que garante que levará os Klingon a vitória, nem que precise jogar sujo, o que ela não aceita. Kol passou a perna no legado de T’Kuvma e a forma como eles desenvolvem os seus projetos é de puro ódio. Não esperava que Cornwell fosse escapar agora, mas deixa em aberto uma união entre algumas casa Klingon.

Gostei de ver Saru se entregando a sentimentos tão básicos e colocar toda a sua jornada em risco. O planeta Pahvo é algo incrível para colocar como tema, e Michael já teme que o povo de paz seja destruído por Kol, que viaja para encontrar a frota. A saída pela comunicação através das linhas do planeta foi muito bacana.

Com coisas simples a série consegue se manter instigante e focada em sua jornada cientifica, buscando manter-se fiel ao legado da série clássica, mas buscando trazer para a franquia a sua própria cara. Star Trek: Discovery tem acertado em cheio nisso.