Raio Negro | 1×11 – Black Jesus: The Book of Crucifixion

Raio Negro (Black Lightning) joga seu herói na prisão de uma forma bem interessante e acaba movimentando todos os personagens e ainda traz um pouco de consciência para Fowdy, que mesmo sendo a olheira da ASA, fica ao lado de Jefferson. A questão é qual será sua reação ao saber a verdade e como ele irá reagir ao saber o segredo da vice-diretora.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Com o mais antigo dos metahumanos da ASA vindo a morrer, fica a dúvida dos planos de Martin para eles e como eles irão reagir quando forem soltos, mas por enquanto temos Fowdy buscando mais seres que são criados por alguma condição genética que acaba sendo estimulada com o uso da Luz Verde. Martin já deixou claro que não quer perdas, mas com as constantes trocas de locais das câmaras, a instabilidade neles é certa.

E tendo Jefferson como certeza de ser o Raio Negro, Martin obriga Fowdy a agir com Cayman e assim emitir um mandato de busca e ele consegue incriminar Jefferson. O episódio inteiro fica focado na prisão de Jefferson e como ele irá sair disso.

O melhor acaba sendo Henderson compreendendo os nomes sujos por trás da polícia e ao interrogar Peter acaba descobrindo os podres de Cayman, e promete a ele que irá fazer algo. A questão é que Cayman tem pessoas grandes por trás deles e já me preocupo em como Henderson se complicou e vem a mente o pedido dele a Raio Negro: se ele vier a morrer, para que não deixe seu nome sujo.

No fim temos Gambi usando um holograma e uma performance com Tormenta para poder assim tirar o peso de cima de Jefferson, já que com ele preso, não teríamos como ver Raio Negro em ação. Até mesmo Fowdy fica aliviada em ver o amigo ser solto. A série também soube reaproximar Gambi e Jefferson, mesmo que mutias coisas precisem ser explicadas para a relação deles.

Gosto bastante de como as coisas seguem na iniciação dos vilões e no desenvolvimento familiar de Raio Negro, mas tirar Tobias Whale de cena neste momento foi uma burrada e tanto, mesmo que o vilão possa retornar com um planejamento melhor. Caindo para o drama da prisão do diretor e os metahumanos presos, não ter Tobias, o principal vilão na frente de Raio Negro, tira o impacto do albino.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.