Operação Red Sparrow | Crítica

Jennifer Lawrence realmente é a atriz ideal para esse tipo de papel e em Operação Red Sparrow (Red Sparrow, 2017) além dela estar claro muito bem ainda consegue segurar as pontas e dar uma eclipsada em tudo que o filme tem de ruim.

Não se engane Operação Red Sparrow é um bom filme de espionagem. Apenas usa alguns artifícios para mascarar algumas coisas que não se encaixam em alguns momentos, deixando ele um pouco cansativo como se no final quem assiste tivesse acabado de acordar de uma noite bebendo vodka, no caso aqui, russa.

Foto: Fox Film

O filme em si tem uma caracterização bastante impressionante e vem com uma aura pesada já nos seus primeiros minutos. Temos toda a dureza de uma Rússia que é imponente e impiedosa com a população que sofre com um inferno rigoroso e Jennifer Lawrence parece que aquece a tela no momento que entra em cena e sabe dar o tom de sua personagem, Dominika Egorova uma bailarina que é a melhor dançarina da companhia.

Assim, Operação Red Sparrow começa já de sopetão a te apresentar para uma quantidade gigante de personagens que são introduzidos logo nas primeiras cenas e você fica com aquele sentimento de “ah fulano de tal é tal personagem que tem ligação com aquele outro x” enquanto as cenas do balé russo tomam conta da tela com um ótimo visual. A ação mesmo começa quando vemos a personagem entrar para uma escola de espiões chamados Pardais (do inglês Sparrow) que usam seu treinamento para tentarem serem os melhores agentes da Rússia.

E talvez ai que começam os problemas de Operação Red SparrowNão tendo a mesma sagacidade de Kingsman: Serviço Secreto (2014)o filme de Frances Lawrence não foca em desenvolver as habilidades de Dominika do mesmo jeito que as de Eggsy são desenvolvidas no filme do diretor Matthew Vaughn. Aqui, tudo fica meio largado, não vemos como a personagem foi treinada para ser uma espiã e moldar suas habilidades, só vemos flashes de aulas e da instrutora, interpretada pela ótima Charlotte Rampling falando de como ela é não é habilidosa para a “escola de p*tas” enquanto seu tio Vanya (Matthias Schoenaerts) acha que ela é super talentosa e deverá fazer bem para o governo.

Com partes bem chocantes, chamativas e digamos até mesmo desnecessárias o roteiro de Justin Haythe corre para colocar Dominika em ação numa passagem de tempo completamente surreal. O filme ganha fôlego a medida que a missão começa a ganhar forma: Dominika precisa seduzir e roubar informações de um agente da CIA chamado Nate Nash (Joel Edgerton) que tem um contato dentro do governo russo, um informante misterioso.

Ai Operação Red Sparrow segue a cartilha de bons filmes de espionagem e ganha forma, afinal você tem uma busca para um personagem que é um infiltrado e que o público não sabe quem é, os famosos planos de se infiltrar no covil do inimigo com a personagem trocando a peruca castanha por uma peruca loira (Oi, Atômica), dois espiões que carregam uma tensão sexual gigantesca, operações que mostram as alianças e lealdades de cada um e claro reviravoltas e mais reviravoltas que a trama acerta construir o caminho para um desfecho de uma forma bem amarradinha.

Foto: FOX FILM

Lawrence, a atriz, segura as pontas e consegue passar uma aura misteriosa e você nunca sabe qual é a dela em diversas partes, Edgerton faz uma atuação dentro do esperado e sem muitas surpresas mesmo que ele e Lawrence tenha pouca química juntos. Mas quem realmente rouba a cena, mesmo que por pouco tempo é Mary Louise Parker que realmente faz valer sua trama mesmo que sua história acabe fazendo o filme ter 20 minutos a mais do que deveria.

No final de uma forma bem bagunça, Operação Red Sparrow acerta em colocar uma boa atriz num papel que se fosse qualquer outra não daria certo. Violento e sexual, o longa é o típico filme de espião tem viradas de roteiro, informações ao longo da trama para o espectador juntar os pedaços lá na frente e amarrar todas as pontas soltas. A recompensa vem no final com a última meia hora sendo um jogo de trapaças, traições e jogos mentais que salvam o filme de ser ruim, tudo isso apoiado no carisma de Jennifer Lawrence

Nota do Crítico:

Operação Red Sparrow tem previsão de estreia em 01 de Março.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales