O Retorno de Ben | Crítica

Com dois atores jovens bastante disputados de Hollywood no momento, e temáticas parecidas, jovens que retornam para casa após experiências com drogas e que mostram as relações dos mesmos com sua família (cada um com um dos pais), as produções O Retorno de Ben (Ben Is Back, 2018) e Querido Menino (Beautiful Boy, 2018), tinham tudo para garantir um destaque maior na última temporada de premiações, mas, como vimos, isso não foi caso.

Os veteranos Julia Roberts e Steve Carell, claro, ajudam e destacam em seus respectivos filmes, mas aqui, em O Retorno de Ben, o ator Lucas Hedges, ao fazer par com a fantástica Roberts, consegue se sobressair e entregar mais uma boa atuação em um bom papel.

Julia Roberts and Lucas Hedges in Ben Is Back (2018)
O Retorno de Ben – Crítica | Foto: Diamond FIlmes

Bem dosado na emoção e no drama, O Retorno de Ben faz um longa que toca na ferida de relacionamentos familiares como ninguém, mas parece, não conseguir ultrapassar uma camada a mais, onde, as coisas parecem acabar por apenas serem tocadas na superfície pelo roteiro Peter Hedges, que também dirige o longa.

Na trama, vemos a chegada de Ben, de volta pra casa de sopetão, onde ficamos sem saber ao fundo o que levou o jovem, efetivamente, a sair de lá no primeiro momento. Assim, O Retorno de Ben, foca em nos apresentar a dinâmica familiar, aos poucos, temos a irmã mais velha (a atriz Kathryn Newton, ganhando destaque) de outro casamento da mãe, as crianças do casamento atual, o novo marido (Courtney B. Vance, bem), onde tudo isso, caminha e deixa o filme com um ar misterioso, e uma sensação que a bomba vai explodir a qualquer minuto, o que cria um sentimento de curiosidade para saber o que aconteceu com essa família comercial de margarina.

O Retorno de Ben, já nos avisa para não confiar no rapaz, mas o filme, ajuda a construir essa aura de desconfiança que Holly (Roberts) parece querer superar, mas, ao colocar os personagens na busca pelo cachorro perdido, depois que a casa é assaltada, entrega para o filme um sentimento de urgência que soa desesperado, desnecessário e corrido, assim como, a jornada de Holly, ao procurar o filho, em uma noite fria, onde vemos a personagem entrar de cabeça na vida do rapaz, na fase de pré realibitação e numa uma vida que Ben faria de tudo para algum tipo de droga, o que o levou mais tarde ao tráfico e para uma morte.

Julia Roberts and Lucas Hedges in Ben Is Back (2018)
O Retorno de Ben – Crítica | Foto: Diamond Filmes

Roberts e Hedges seguram o filme todo, são a alma e o coração de O Retorno de Ben, mas tudo aqui, parece desmoronar quando os dois não estão juntos em tela, onde a trama, tenta dar migalhas ao espectador de respostas que não necessariamente queremos saber as perguntas.

Percalços à parte, O Retorno de Ben deve emocionar principalmente os pais, e uma faixa etária mais velha, onde temos, um filme reflexivo sobre escolhas e decisões erradas, e como isso, pode e acaba por afetar e destruir vidas, seja você o dependente químico, ou uma pessoa da família.

Nota do Crítico:

O Retorno de Ben chega em 21 de março nos cinemas.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales