Marvel – Punho de Ferro | 1×03-04 – Rolling Thunder Cannon Punch / Eight Diagram Dragon Palm

Agora começa para valer Marvel – Punho de Ferro. Os dois primeiros episódios serviram para mostrar que Danny retornou e não está de brincadeira, está disposto a ir fundo para reconquistar o legado de seu pai, só que na mesma proporção vemos Joy e Ward fazerem o possível para manter as coisas em suas mãos.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Entrando mais a fundo na trama, sabermos que Harold está vivo e com o Tentáculo por trás de suas atitudes, nos ligam diretamente as temporadas de Marvel – Demolidor, inclusive com a onipresença de Madame Gao, que mantém um ar de mistério e força que nos faz temê-la. Assim, com Danny já de volta a família, depois de passar por todo um processo de dúvidas que quase o faz desistir de tudo, Harold tem planos maiores para ele, que possui o Punho de Ferro.

Ward tem sérios problemas de autocontrole e já o vemos sempre perder a mão seja com a irmã, seja com o pai, assim o personagem que se mostra forte perante todos, é o mais frágil em cena e isso nos coloca mais próximo a ele. Engraçado que Joy se mostra mais serena e justa, toma as atitudes mais drásticas para manter o seu legado.

Para Danny conseguir voltar a assumir o legado do pai, temos uma conexão com Marvel – Jessica Jones, onde Jeri Hogarth o ajuda a recuperar o seu legado depois dele mostrar a ela que é realmente um Rand. A personagem continua forte, mas tem a fragilidade nas atitudes depois de tudo o que aconteceu com ela na série da detetive.

Colleen continua sendo um interesse romântico maravilhoso, mas o melhor é que a personagem é muito mais que isso. Ela serve para uma âncora para Danny, ela o mantém no chão em meio a tantos problemas com a riqueza e assim o faz ver a honra e todo o poder das artes marciais. Mas além disso, Colleen ainda tem seus dramas envolvendo um dojo antigo, falta de grana e alunos que veem na arte uma forma de bater e vingar, algo que ela não quer, mas acaba cedendo e entrando em uma gaiola de luta.

Por fim, Danny passa por muito, mas mostra seu senso de justiça. Suas primeiras atitudes como herdeiro é cortar a cobrança exagerada em cima de um remédio que pode salvar vidas, batendo logo de frente com o conselho da empresa. E ficamos mais nisso, já que logo ele é jogado de cabeça na história de Harold e do Tentáculo, com direito a salvar a vida de Joy e então vermos Harold matar friamente o homem que encostou um dedo em sua filha.

Sobre K’un Lun, ainda não temos muitos detalhes, mas os flashbacks inseridos nos momentos de tensão de Danny continuam me agradando mais do que se estivessem focando algo direto lá e em seu treinamento. Inseridos em momentos certeiros, vemos como ele é decidido em ser sempre melhor e acaba conseguindo se tornar o protetor da cidade.

A trama tende a crescer a partir daqui, mas Marvel – Punho de Ferro precisa melhorar inúmeros pontos, como o exagero nas coreografias das lutas, tornando-as enfadonhas e irreais, coisa que suas séries irmãs conseguiram fazer tão bem, principalmente Demolidor com sua brutalidade que nos fez ficar boquiabertos com a série. Além disso, faltou mais do exagero estético do gênero que a série e até os quadrinhos buscam brincar e honrar, se levando a sério demais e faltando um pouco de humor.

Os próximos episódios tem o retorno de uma personagem querida e mais sangue será jorrado, mas queremos também uma trama mais interessante e que se desenvolva de forma menos didática.

Fico por aqui, comentem e to be continued