Marvel – Fugitivos | 1×04 – Fifteen

Acompanhar Marvel – Fugitivos tem sido mais do que agradável. A série está mesclando os dramas adolescentes com o peso de ter poderes, além de imaginar que seus pais possam ser grandes vilões. O desenvolvimento nas mãos de Josh Schwartz e Stephanie Savage, duplas responsável por The O.C. entre tantas outras, entrega um drama interessante, bem ancorado em seu material de origem.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Aqui os adolescentes seguem com medo do que pode acontecer com eles ao abrir a boca sobre o ritual que seus pais fizeram, ainda mais com o corpo de Destiny aparecendo na praia. A única que resolve ir contra a mãe é Nico, que tenta levar Alex, mas ambos acabam batendo de frente com a polícia e imaginando quais policias foram comprados por seus pais. Nico ainda precisa lidar com o fato de não enxergar a morte da irmã como algo natural e começa a ligá-la a sua mãe.

Alex é o com mais espaço. Até aqui ele só desconfia e teme os pais, com direito a ele achar a arma de seu pai na gaveta e andar com ela por aí. Só no final do episódio é que ele acaba sendo levado por uma van preta, deixando Nico desesperada.

Gosto da dualidade da descoberta de Karolina de seus poderes, confiando em Alex sobre eles, enquanto descobre que sua mãe Leslie tem dedo no sumiço de inúmeros adolescentes. Leslie precisa dessa troca para dar uma espécie de sobrevida ao homem que se degenera na sala de meditação. Foi estranha a cena dele pedindo para ela o aquecer e eles brilhando sobre o lençol.

Voltando a Alex, seu pai Victor sofre com algum tipo de stress e ele segue seu caminho em busca de bater de frente com ele, mostrar que é inteligente e pode surpreendê-lo. A cena dele tentando mostrar a luva ao pai e tendo medo de sua reação foi legal, mas o melhor foi ver Victor dando um apoio que era inesperado por parte dele.

Enquanto isso, Gert e Molly precisam lidar com o fato de ter Alfazema dentro de casa, mas é ver Dale e Stace com medo dos membros da Orgulho, só que é Tina quem os colocam contra a parede. Os dois planejam sair do grupo, mas continuam amarrados e sem nenhuma brecha para escapar. Quero ver Molly e Gert conversando sobre os poderes dela.

Marvel – Fugitivos cresce em seu drama e nesses 4 episódios iniciais entrega algo sincero, dentro do programa proposto. Poderiam agilizar algumas tramas, mas está dando para dar fôlego para cada um dos personagens.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.