Destaques Reviews Séries 

A Vida e a História de Madam C.J. Walker | Crítica

Talvez pouco conhecida fora dos EUA, esse que os escreve realmente não tinha conhecimento de quem era a figura, a história de Madam C.J. Walker ganha um biografia com 4 episódios na Netflix, e tendo ninguém mesmo que Octavia Spencer nesse papel de protagonista. Para quem não é familiarizado com a figura da empresária, Madam C.J. Walker foi a primeira mulher negra dos EUA a se tornar milionária na história do país.

A Madam viveu numa época pós-abolição no país, e a produção em 4 partes, mostra alguns momentos da trajetória da lavadeira que se tornou uma das mais importantes figuras da comunidade negra no início do século XX. Claro que para contar isso, A Vida e a História de Madam C.J. Walker escalou um elenco com nomes conhecidos para dar voz e transportar essas figuras para as telas, mesmo que a produção entregue um tom meio novelesco em suas histórias, tramas, e sua forma de contar a trajetória de Madam C.J. Walker em se tornar essa empresária de sucesso.

Self Made: Inspired by the Life of Madam C.J. Walker (2020)
A Vida e a História de Madam C.J. Walker | Crítica | Foto: Netflix

Octavia Spencer não foge a regra, e entrega novamente, uma atuação incrível de se assistir e de acompanhar, onde vemos uma figura firme e decidida em seguir com seus sonhos. Na minissérie vemos a Madam quebrar o vidro de a que impedida de realizar muitas coisas na época por conta de ser ser negra, e ainda ser uma mulher negra, e Spencer faz isso com uma total convicção e esbanja talento.

Nesse quesito, A Vida e a História de Madam C.J. Walker entrega uma produção incrivelmente bem feita ao conseguir transportar essa essência que a figura provavelmente passaria. Spencer se garante com alguns monólogos e frases bastante interessantes, e que soam impactantes ao serem ditas e mostradas em tela pelo talento inigualável da atriz que nesses últimos anos tem abraçado seu posto de protagonista como ninguém. 

E mesmo que A Vida e a História de Madam C.J. Walker se destaque pela ótima atuação de Spencer, pelos figurinos de época muito bem feitos e que garantem um show a parte, desde da época que Madam C.J. Walker era apenas Sarah uma lavadeira que usava roupas simples e tinha falhas no cabelo, até se tornar a Madam que muitos respeitavam com roupas e chapéus deslumbrantes, a série peca por um tom um pouco novelesco e digamos mais pastelão em diversos momentos. A Vida e a História de Madam C.J. Walker como minissérie biografia está mais para uma novela das 6 Global, onde a forma que a história é contada deixa o espectador parecendo que assiste um romance açucarado, e que coloca os personagens em situações e passagens caricatos, coisa que realmente a faz ser mais uma livre adaptação do que qualquer outra coisa.

Claro, isso não tira a importância histórica de A Vida e a História de Madam C.J. Walker e o fato que Madam C.J. Walker conseguiu superar obstáculos, vencer preconceitos, e se sobressair num mundo totalmente branco, heterossexual, e masculino.  A Vida e a História de Madam C.J. Walker ainda consegue falar sobre temas que mostram presentes, e muito atuais, como a posição da mulher no mercado de trabalho, a luta por equiparidade salarial, velha luta por estereótipos visuais, e até mesmo de uma certa fetichização da mulher negra.

A Vida e a História de Madam C.J. Walker | Crítica | Foto: Netflix

O roteiro de A Vida e a História de Madam C.J. Walker mesmo que simples em diversos momentos consegue jogar essas complexas questões em pequenas passagens e momentos, seja quando Madam C.J. Walker precisa ir numa Feira de Negócios para defender sua ideia para a criação de uma fábrica, ou até mesmo, ao precisar bolar um plano para colocar seus produtos numa rede de drogarias.

A história da luta de Madam CJ Walker para criar seu Império é marcada por pequenas história adjacentes que influenciam a trama principal, seja seu relacionamento com o marido Charles James (Blair Underwood) que acha que o trabalho da esposa fere sua masculinidade, a sua eterna disputa contra Addie (Carmen Ejogo) sua antiga patroa e concorrente, ou ainda, as questões envolvendo a sexualidade de sua filha, Leila, a ótima
Tiffany Haddish. Assim, o roteiro de A Vida e a História de Madam C.J. Walker consegue navegar por sua trama de superação e incluir na trajetória de Madam C.J. Walker esses pequenos momentos que a deixam mais humana e menos uma máquina de negócios.

No final, A Vida e a História de Madam C.J. Walker honra uma das mais importantes figuras femininas da história corporativa dos EUA, onde Octavia Spencer se firma, mais uma vez, como uma das atrizes mais talentosas no ar hoje em dia, e entrega aqui, numa atuação imperdível. 

A Vida e a História de Madam C.J. Walker disponível na Netflix.

Postagens relacionadas