Inuyashiki #3-4 | Resenha

Inuyashiki mais uma vez mostra a que veio e essa obra de Hiroya Oku se mostra intensa e com ação na medida certa. Gosto do desenvolvimento de seus personagens, com destaque para Ichiro e suas descobertas já em uma idade mais avançada do que seria um herói comum de mangá.

No volume #3 vemos a índole de Ichiro sendo levada ao extremo. A forma como ele se envolve com a vida de estranhos para salvá-los é também o ponto fraco para ele ser descoberto por Ando no volume #4. Ichiro salva uma garota das mãos de um chefão da Yakuza, mas nenhum deles é morto pelo herói, ele apenas os deixa paraplégicos e arranca seus olhos.

A ação é frenética em ambos os volumes, mas no #4 temos uma saga de esperança para Ichiro, pois ele é descoberto por Ando e ambos se esforçam para se conectar e trabalhar em uma forma de parar Ichiro e evitar que o mesmo volte a matar famílias pela cidade. Os dois se unindo como uma espécie de Batman e sua Oráculo, é hilário, mas mostra o potencial que Ichiro pode chegar. Os dois entrando no hospital para salvar pessoas em estado terminal foi excelente.

Já Hiro cura o câncer de sua mãe e depois de bons momentos ao lado dela, ele tem sua vida exposta, já que alguém cede a polícia a informação de que ele é o assassino. Quero ver como irão tratar a situação a partir deste momento.

Em cada página já ficamos ansioso para ver o heroico Ichiro e seu companheiro Ando confrontando Hiro e o que poderá sair disso. Além disso, nada mais foi exposto sobre a família de Ichiro, mas sabemos que sua filha é da mesma escola que os adolescentes.

Mostrando-se original em seus volumes Inuyashiki mantém bem o seu ritmo frenético e a edição da Panini continua bonita, as capas são bonitas e chamativas, e o papel jornal.

FICHA TÉCNICA

Título: Inuyashiki #3 e #4
Autor: Hiroya Oku
Editora: Panini Comics – Planet Mangá
Ano: 2017
Gênero: Aventura

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.